Moeda provada ser genuína nos ajuda a entender um pouco da História de Roma

O problema da História é que em muitos casos não sabemos a diferença entre ficção e realidade. Muitas histórias tidas como verídicas realmente não aconteceram, como egípcios terem escravos (nunca tiveram). Já outras histórias que muitos pensaram ser apenas fantasia, realmente aconteceram. Por exemplo, uma moeda encontrada trazia a efígie de um certo Sponsianus, alguém que teria, em tese, sido um usurpador durante o reinado de Filipe, o Árabe, naquela zona desgraçada chamada Crise do Terceiro Século.

Todo mundo tinha certeza que era uma moeda fajuta, mas pelo visto não é bem assim. O sujeito realmente existiu. Como saber? Graças à Ciência! Continuar lendo “Moeda provada ser genuína nos ajuda a entender um pouco da História de Roma”

Domus aurea, a casa dourada de Nero

A luz entra difusa pelas janelas estreitas. A brisa suave corre pelo ambiente e faz as velas bruxulearem, e a luz explode em uma miríade de brilhos dourados, iluminando deuses, heróis e ornamentos. Um suave abrir de portas e um som de passos quebram a calma, mas não a majestade do lugar. As sandálias de couro finíssimo ressoam sobre o chão de mosaicos e o teto abobadado e totalmente decorado testemunham um deus passando… ou ao menos era assim que ele se via.

As mãos para trás, o senhor daquele lugar olha a obra terminada e, no salão central, assente com a cabeça em sinal de regozijada aprovação. Aquela, sim, era uma casa. Aquele, sim, era um palácio. Algo digno de um rei, de um imperador, de um deus. De finalmente um ser humano poder morar. Continuar lendo “Domus aurea, a casa dourada de Nero”

O naufrágio do navio romano num documentário

De manhã, eu estava vendo a série Tesouros Perdidos de Roma, da National Geographic, no Mickey+. Achei meio caótico, já que cada episódio traz muitas pesquisas simultaneamente, num intervalo de menos de 50 minutos, mas ok. Achei um bom programa, com a qualidade visual da NatGeo. mas identifiquei um problema no segundo episódio.

Continuar lendo “O naufrágio do navio romano num documentário”

Um canivete para quem perambulava pelo império romano

Ser um legionário romano não era fácil. Tinha uma vida dura, mas um bom prêmio em dinheiro, terras e uma pensão do Estado. Mas isso depois de 25 anos de serviço, sem nenhuma garantia de estar vivo na semana seguinte. O que garantiam é que você estaria sempre em movimento, conhecendo muitos lugares, mas não no estilo pacotão da CVC.

Estando sempre em movimento, era preciso levar consigo um monte de tranqueiras graças ao Mário (vai, pergunta!), que fez uma reforma no exército e os soldados tinham que levar praticamente todos os pertences, armas e ferramentas, ficando conhecidos como “Mulas de Mário”. Não apenas o gládio, o pilo, o scutum, mas até um canivete suíço.

PÉRA, CANIVETE SUÍÇO? Continuar lendo “Um canivete para quem perambulava pelo império romano”

A belíssima Tigela de Nijmegen

Eu sempre gosto de frisar como algumas bobagens que ainda circulam não passam disso: bobagens. A minha preferida é que vidros não são sólidos, mas líquidos super-resfriados, que escorrem com o tempo por serem altamente viscosos. Uma “prova” disso seria que os vitrais das antigas catedrais tem a parte inferior mais grossa que a de cima. Eu postei o artigo Afinal, o vidro é líquido ou sólido? explicando o que acontece e mostrei peças romanas e egípcias muito antigas.

Agora, temos mais um exemplo: arqueólogos encontram tigela impecável de quase 2.000 anos em Nijmegen, Países Baixos. Continuar lendo “A belíssima Tigela de Nijmegen”

O fantástico sistema de metrô do império romano que nunca existiu

Eu gosto de duas coisas: mapas e o Império Romano. Acho que estaríamos melhores na época dos Césares, mas não dá para voltarmos no tempo. Entretanto, é interessante saber que as estradas romanas cobriam um total de 80 mil km, e o ditado “todos os caminhos levam a Roma” não era uma figura de linguagem. Continuar lendo “O fantástico sistema de metrô do império romano que nunca existiu”

O último suspiro de Júlio César e a fabulosa ruína onde ocorreu

Et tu, Brute?” Esta infame frase foi a última coisa que Caio Júlio César teria proferido a Marco Bruto, quando este lhe passou o rodo, digo, a faca. Mas não, César efetivamente não disse isso. Esta frase é famosa, mas quem pôs na boca de César (isso soou esquisito) foi Shakespeare, na peça Júlio César, ato III, cena 2. O mais provável que César deva ter dito é “AOUCH!!!” ou, o que eu mais gosto (se Shakespeare pode inventar, eu também posso) é “AI, PORRA!” <vira-se> “Brutus seu…” <outras facadas>. Ah, sim. O historiador Suetônio disse que testemunhas afirmaram que as últimas palavras de César, proferidas em grego, foram “Até você, criança?”,e foi daí que Shakespeare tirou a sua frase, mas o mesmo Suetônio não deu crédito a isso.

O local onde Júlio César recebeu a visita de Leto, a personificação da Morte, é um ponto turístico e, ironicamente, foi graças a Mussolini que mandou resgatar geral e desenterrar a Antiga Roma, afastando todas as modernidades para um canto. Não, o líder fascista não tinha amor pela História, nem venerava a cultura dos antepassados. Ele era apenas um pulha que queria amarrar o antigo Império Romano ao seu governo, praticamente se posando como César (lembrando que larga maioria deles não teve um final muito legal, o mesmo acontecendo com o Duce).

Continuar lendo “O último suspiro de Júlio César e a fabulosa ruína onde ocorreu”

Encontrados defuntos romanos sem cabeça no lugar certo. Algo como brasileiros de hoje

A vida do pessoal antigamente não era nada fácil. Além de não ter iFood, ter que sair para pagar as contas em banco e não terem ainda disponíveis a roda, sepultamentos também eram um tanto quanto… estranhos. Que o diga o assentamento romano encontrado em Suffolk, Inglaterra. O que tem de estranho lá? Bem, não tanto o fato de terem encontrado um cemitério com 52 esqueletos muito bem preservados. A parte estranha é que 17 deles estavam enterrados direitinho, sendo que os demais estavam decapitados.

Quem foi o maluco que enterrou aqueles 17 sujeitos intactos? Preguiça do estagiário de completar o serviço?

Continuar lendo “Encontrados defuntos romanos sem cabeça no lugar certo. Algo como brasileiros de hoje”

Encontradas evidências da invasão de Grã-Bretanha por Júlio César

Caio Júlio César é um ícone na História. Suas campanhas militares são lendárias e dignas de virar filme, e eu ainda não entendi por que não o fizeram. Mestre na arte militar e política, ele acabou se tornando Pretor Máximo ou Ditador. Naquele tempo, o termo “ditador” tinha outra conotação. O Ditactor era uma espécie de guardião romano para restabelecer a paz e manter a ordem geral. Tudo bem que dali ele aproveitou se tornando Cônsul de Roma e, por fim, Imperador (se bem que o título de imperador, mesmo, foi dado a Otávio Otaviano, que subiu ao poder com o título Augusto César). Seus feitos militares foram escritos pelo próprio César, mas nem se pode dizer que ele saiu mentindo. Outras fontes como Salústio, Suetônio, Plutarco, Tácito e Cícero confirmam muito do que ele disse, além de citar outros feitos exceto a parte do “Até tu, Brutus?”. Isso foi invenção de Shakespeare)

Em 55 AEC, Júlio César, ainda general, invadiu o que era conhecida pelos gregos como Ilhas Cassiteritas (tinha este nome por causa da grande quantidade de estanho, que era usado para produzir o tão necessário bronze). Só que Roma não curtia muito este nome e chamou o local de Britannia, e que hoje é o sul da Inglaterra. Há muitos relatos sobre a façanha, mas não um registro arqueológico sobre o ocorrido.

Ou não tinha.

Continuar lendo “Encontradas evidências da invasão de Grã-Bretanha por Júlio César”

As pinturas antigas que apresentam uma cor azul mais antiga ainda

Um dos grandes problemas na produção de corantes é que eles são muito difíceis de se obter. Antes de Perkin (algum dia teremos artigo sobre ele), os corantes eram produzidos praticamente por processo artesanal, valendo-se de produtos naturais. Antes dos corantes sintéticos, valia-se de raízes, frutos, solo e animais para se obter cores, e elas não eram em tão grande variedade. Para os artistas trabalharem, era uma dor de cabeça já na Renascença, agora imagine na Antiguidade!

Ao examinar antigos quadros, especialistas deram de cara com algo inusitado: o azul egípcio. Uma tonalidade de cor que os romanos usavam para controlar os tons de seus quadros e murais. Mas como assim azul egípcio?

Continuar lendo “As pinturas antigas que apresentam uma cor azul mais antiga ainda”