Grandes Nomes da CIência

Biografias de cientistas conhecidos ou não tão conhecidos assim. Curiosidades e fatos sobre suas pesquisas, inclusive gente anônima que fez ciência e não recebeu os devidos créditos. Mais »

Livro dos Porquês

A sabedoria e o conhecimento. Isso é Poder! Abra sua mente, aprenda mais sobre questões básicas (e complexas) e tire suas dúvidas, de forma mais didática possível, sem ser aquelas aulas chatas de colégio. Mais »

Grandes Mentiras Religiosas

O mundo não é tão bizarro quanto fazem parecer. Mentiras e enganações para ludibriar as pessoas, lindamente desmontados, de forma a trazer à luz a desonestidade para tentar lhe fazer parar de pensar e simplesmente aceitar o que querem que você pense. Mais »

Caderno dos Professores

Para quem quer ensinar e muitas vezes se pergunta como abordar um tema. Como deixar a aula interessante, como levar conhecimento aos seus alunos por meios que pedagogos lhe odiarão, mas serão amados pelos estudantes. Mais »

 

Jonas Desmascarado

jonas.jpgJonas e o peixão. Mais um ridículo mito hebreu, transposto para a Bíblia e que é defendido (tolamente) por muitas pessoas. O que tem por trás disso? O que se esconde naquelas linhas?

Como associar historicamente um conto despretencioso com a queda de uma das maiores cidades da antigüidade?

Javé, o Omni Tripla Ação, começa o livro de Jonas com sua raiva costumeira, e querendo destruir as pessoas. Até aqui, tudo normal. Nada de novo a respeito de um deus em eterna TPM.

Jonas 1:1 – Certo dia, o SENHOR Deus disse a Jonas, filho de Amitai:
Jonas 1:2 – Apronte-se, vá à grande cidade de Nínive e grite contra ela, porque a maldade daquela gente chegou aos meus ouvidos.

Jonas não quis, então pegou um barco, e Deus criou um vento que quase partiu o navio ao meio:

Jonas 1:4 – No entanto, Deus mandou um forte vento, e houve uma tempestade no mar. Era tão violenta, que o navio estava em perigo de se partir ao meio.

Javé “Paz e Amor” quando fica zangado tem dessas coisas. Quer matar as pessoas, não importando se são inocentes ou não. No meio da confusão, Jonas confessa que estava fugindo de Deus, e dá a idéia de que era para jogá-lo no mar:

Jonas 1:12 – Jonas respondeu: – Vocês me peguem e joguem no mar, que ele ficará calmo. Pois eu sei que foi por minha culpa que esta terrível tempestade caiu sobre vocês.

Os marujos ainda não quiseram, mas como a tempestade aumentou cada vez mais, aceitaram, e a tempestade se acalmou:

Jonas 1:15 – Em seguida, os marinheiros pegaram Jonas e o jogaram no mar, e logo o mar se acalmou.

Ah, agora sim! A parte que todos nós conhecemos: Deus mandou um peixão engolir Jonas (apesar de Jesus ter dito que era uma baleia… às vezes a onisciência divina falha, normal. 😉 )

Jonas 1:17 – O SENHOR ordenou que um grande peixe engolisse Jonas. E ele ficou dentro do peixe três dias e três noites.

Jonas ainda orou para Deus, em meio aos sucos gástricos e restos de comida dentro do peixe…

Jonas 2:2 – Ali, de dentro do peixe, Jonas orou ao SENHOR, seu Deus, dizendo:
Jonas 2:3 – Em minha aflição, invoquei o Senhor, e ele ouviu-me. Do meio da morada dos mortos, clamei a vós, e ouvistes minha voz.
Jonas 2:4 – Lançastes-me no abismo, no meio das águas e as ondas me envolviam. Todas as vossas vagas e todas as vossas ondas passavam sobre mim.

A Bíblia, como não podia deixar de ser, cai em contradição: Quem jogou Jonas no mar? Os homens ou Deus? Ora, bolas!! Vimos antes que foram os homens, mas nos versículos acima, ele diz que foi o próprio Deus quem o jogou. O redator desta história era meio confuso… De qualquer forma, o Senhor dos Anéis Bíblico dá uma ordem ao peixe para vomitá-lo na praia. Creio que Jonas devia ser meio indigesto…

Jonas 2:10 – Então o SENHOR deu ordem ao peixe, e ele vomitou Jonas na praia.

Como é que Jonas passou pela goela do peixe? Não existem peixes grandes o suficiente para que um homem passe pela goela e sem ter sido mastigado. Nem mesmo se tivesse sido uma baleia, já que as goelas das baleias não são grandes. Elas não comem peixes de tamanho médio. Elas costumam se alimentar “filtrando” o alimento na superfície, como se fosse um arrasto de uma rede, em que o animal nada lentamente com a boca aberta, deixando a água fluir por entre as cerdas expostas que capturam aí os pequenos organismos que constituem seu alimento.

Voltando ao besteirol, digo, ao relato do capítulo seguinte, Javé, mau feito um pica-pau, manda novamente avisar a Nínive que ela ia ser destruída. O mais curioso é que a pregação de Jonas mostra como as coisas mudaram muito pouco. Afinal, ainda hoje o melhor método de convencimento das igrejas é a ameaça. TJR-16 (prega o amor de deus num minuto e no minuto seguinte diz que todo mundo vai pro inferno).

Jonas 3:4 – Jonas entrou na cidade, andou um dia inteiro e então começou a anunciar: “Dentro de quarenta dias, Nínive será destruída!”

Os crédulos (e tolos) habitantes de Nínive acreditaram nele e se arrependeram (segundo a própria Bíblia, 120 mil crianças inocentes iam ser destruídas pelo bom e misericordioso Deus). Isso fez Deus mudar de idéia (mais uma contradição se levarmos em conta a onisciência de Deus) e tornou Jonas um falso profeta. Doideira? Bom, é o que diz o livrinho mágico.

Jonas 3:10 – Deus viu o que eles fizeram e como abandonaram os seus maus caminhos. Então mudou de idéia e não castigou a cidade como tinha dito que faria.

Jonas, é claro, não gostou de ficar com a fama de mentiroso. Por quê? Você gostaria?

Jonas 4:1 – Por causa disso, Jonas ficou com raiva e muito aborrecido.
Jonas 4:2 – Então orou assim: – Ó SENHOR Deus, eu não disse, antes de deixar a minha terra, que era isso mesmo que ias fazer? Foi por isso que fiz tudo para fugir para a Espanha! Eu sabia que és Deus que tem compaixão e misericórdia. Sabia que és sempre paciente e bondoso e que estás sempre pronto a mudar de idéia e não castigar.
Jonas 4:3 – Agora, ó SENHOR, acaba com a minha vida porque para mim é melhor morrer do que viver.

Fico imaginando Jonas com as mãos na cintura, peitando Deus:

– Olha aqui sua vagabunda! Não me chama de mentiroso não, senão arranho tua cara, tá?? 😀

E isso por quê? Porque Javé gosta de dar uns pitis:

Olhem aqui, bofes e mocréias! Eu extou moooooooooooorta de tentar ser amada… herr, hã… digo amadO, por voxês (isso mesmo! Javé fala em miguxês 😀 ). Voxês não me dão bola? Bandidos, bandidos, bandidos! (dando soquinho na mão espalmada e batendo o pézinho) só por causa disso vou ferrar voxês! Vou rodar minha baiana. Ó!

Agora, o maior nonsense, contradição, absurdo e maluquice desta história toda: Deus fecha a cara e passa um pito em Jonas por ele ter ficado brabo, alegando que havia pessoas inocentes em Nínive.

Jonas 4:11 – Então eu, com muito mais razão, devo ter pena da grande cidade de Nínive, onde há mais de cento e vinte mil crianças inocentes e também muitos animais!

Muito curiosamente, o Senhor dos Anéis Bíblico não estava nem um pouco preocupado em virar um navio no mar cheio de pessoas inocentes por causa de Jonas um dia antes. E por quê? Porque ele queria arrepiar com uma cidade inteirinha, mesmo tendo pessoas inocentes nela.

Bom, isso evidencia que o “bom” Deus Javé não passa de uma entidade com sérios problemas comportamentais, instável, e por isso nem um pouco digno de confiança, e que gosta de fazer sádicos joguinhos psicológicos com as pessoas. Qualquer semelhança com o bandido Jigsaw não é somente semelhança…

Qualquer pessoa com um mínimo de imaginação pode perceber o absurdo hilário desse besteirol todo. Você tá calmo e tranqüilo em sua cidade (Nínive, é claro), chega um Zé Ruela sozinho na praça e fica berrando que tudo vai ser destruído (como esses caras falando que o mundo vai acabar) e as pessoas não apenas dão atenção mas acreditam! As pessoas são capazes de coisas extraordinárias.

Depois disso, passa um tempo e nada acontece. Pô, aquele maluco fez todo mundo se alarmar à toa por causa de um deus qualquer. Que tal a gente dar uma surra naquele idiota pra ele aprender?

Imagina trabalhar para alguém assim:

• Manda você ir lá e avisar que uma cidade vai ser destruída.

• Você, num gesto de lucidez, decide não fazer isso e seu “chefe” decide dar um fim em você e manda um capanga (no caso, um peixe) dar conta de ti.

• Sem saída, você decide ir lá e avisar a cidade desesperadamente.

• Então, o “capo” celestial decide que não vai mais destruir coisa nenhuma e faz você passar por bobo (ter feito você ser engolido por um peixe não tinha sido suficiente).

• Você se sente ofendido, lógico, e ainda toma um esporro, já que havia pessoas inocentes (coisa que você mesmo tinha dito antes).

Agora sobre Ninive ter sido destruída não parece que isso fez muita diferença pro Jonas. Vamos aos aspectos históricos: Nínive era uma grande cidade da Assíria. Um dos seus maiores reis, com certeza foi Assurbanipal que em mais ou menos 670 A.E.C. criou uma fabulosa biblioteca, que continha milhares de tábuas contendo registros no tipo de escrita daquele tempo: a cuneiforme.

Somente muito tempo depois, a Grande Biblioteca de Alexandria (no Egito) a suplantaria. O motivo de verdade que judeus odiavam Nínive é porque era uma cidade grandiosa, infinitamente mais organizada que Israel e que a tomou na mão grande, dispersando israelitas e tomando vários como escravos em 721 A.E.C. Ainda por cima, o pessoal de lá afirmou que o deus deles, Assur, tinha dando um pau no Javé o que deixou os hebreus muito irritados, o que certamente inspirou essas várias passagens sobre a “ira divina contra Ninive”. 😀

Bom, o fato dos queridinhos hebreus alegarem ou deixarem de alegar que fora obra do “Sinhô dus Anéis” não muda a história. E não foi nada referente com Javé (mais uma vez) estar de TPM contra os assírios. A Assíria caiu por causa da guerra com os medos e babilônicos (em 640 A.E.C.). Isso levou aquele monte de baby sitter de cabras filhos de Éber terem que servir ao povo da babilônia, acabando sendo escravos de lá. Só isso nada mais. Daí quando acabou o império assírio, por motivos indiferentes à existência de Javé das Candongas ou não, tentaram usar isso como propaganda pró-Javé. Isso remete a não querer admitir “meu deus levou umas porradas do deus deles”. Quem gosta de perdedores?

Bom, depois disso, o que acontece? O “povo escolhido”, depois de ser dominado pela Assíria, acaba sendo escravo da Babilônia. Lindo, não? Depois disso, os persas (muito mais “bonzinhos”) – liderados por Ciro – permitiram voltar para Judá e reconstruir o templo; e depois vieram os gregos (comandados por Alexandre Magno) e finalmente os romanos.

Os hebreus nunca foram respeitados, como civilização, por ninguém. Apanharam de todo mundo. Só conheceram unificação novamente (ou, melhor dizendo, “realmente”) em 1948 com a formação do Estado de Israel, e assim mesmo por causa do holocausto.

O mito de Jonas é apenas um modo de tirar o recalque contra a civilização que dominara o povo ao qual os redatores deste conto pertenciam.

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

  • Pingback: Panderichthys e a origem dos dedos » Ceticismo.net()

  • fabio

    você brincou com meu Deus. Cuidado

    Andre respondeu:

    Tô morrendo de mêdo. Acho que vou dormir na cama da minha mãe.

    Wilhelm respondeu:

    @fabio,
    huahauhuauahuhuahua e…?

    FabioK respondeu:

    @fabio,
    Ai minha nossa, às vezes esqueço que possam existir tipinhos como esse; será que os pastorzinhos não estão conseguindo produzir nada mas elaborado para divertir as massas céticas?
    Pra você, meu xará, daqui mesmo, a TPJ nº 48! (editado para poupar espaço)

    “48ª JUSTIFICATIVA: VOCÊ VAI PARA O INFERNO

    A utilização desse argumento é proporcional à falta de cultura do religioso e é uma extensão da justificativa nº 4 (desespero). Inquestionavelmente, um argumento utilizado por uma pessoa sem argumentos favoráveis à Bíblia na discussão.
    Em primeiro lugar, porque isso não responde nada quando você aponta alguma das várias contradições e erros óbvios da Bíblia e apenas busca assustar quem fez a pergunta e distrair. Mas de uma forma tola e ingênua, porque uma pessoa cética que não acredita em céu e muito menos em inferno. Como, então, isso poderia funcionar?
    Enfim de todos, é o argumento mais bobo, risível e difícil de levar a sério. E se um religioso ler isso vai apenas repetir que iremos para o inferno mesmo…”
    Para ficar mais divertido, dê uma lida lá e nos conte quantas dessas você já aprontou:
    https://ceticismo.net/religiao/tipicas-justificativas-religiosas/
    Que Buda ilumineseus passos.

    XaparraL respondeu:

    @FabioK,
    (…)um argumento utilizado por uma pessoa sem argumentos favoráveis à Bíblia na discussão)…)

    Lembro-me de uma pesquisa feita ano passado com os evangélicos de uma grande cidade que mostrou um dado curioso: mais de 80% deles nunca leram a bíblia inteira.

    E aí fica a pergunta: como argumentar sobre um assunto que nem ao menos procuraram ter conhecimento?

    Fabio K respondeu:

    @XaparraL,
    Não posso culpá-los, eu tentei ler a dita cuja inteira, mas da última vez terminou com ela sendo jogada no lixo, na rua…
    Porém, eu não tento defendê-la, quem quer defender essa coisa deveria lê-la ou desisitir disso; se bem que, ao ler, muitos vão desistir, e os que não desistirem, não vão ter cura mesmo.

    XaparraL respondeu:

    @Fabio K,

    Há muito tempo, durante uma aula de Citologia, uma colega de sala fez algumas piadas sobre a bíblia (mais precisamente sobre o Gênesis), e de imediato o professor a interrompeu perguntando se ela já tinha lido a Bíblia por completo. De bate-pronto, ela disse que não. A resposta do professor que se seguiu eu tomei para mim, e foi mais ou menos assim: “Como pode ironizar uma estória que nem sequer chegou a ler?”

    Naquele momento achei meio estranho a atitude do professor, mas depois entendi que ele apenas estava querendo manter o respeito em sua aula, pois ali existiam colegas de sala que eram católicos praticantes 😯 (Não, eles não terminaram o curso).

    Foi a partir da observação feita em sala pelo professor que dei conta da minha descrença, que para reforçá-la eu deveria pelo menos ler a Bíblia. Já que eu tive uma formação católica (por imposiçao) e me rebelei assim que comecei a pensar por mim, como eu poderia continuar não acreditando em algo que eu nunca li?

    Claro que apenas ler está muito longe de se conseguir um entendimento básico, ainda mais da Bíblia. Mas apenas aquela leitura me satisfez e consegui retirar dela uma boa lição: eu estava no caminho certo em continuar não dando importância aos seus fundamentos.

    ps.: Minha primeira leitura foi Apocalipse (a partir daí segui o curso normal – Velho Testamento, etc. Se eu parasse de ler, pelo menos eu já teria matado a minha maior curiosidade).

    Não leve isso para o lado da crítica (se você não conseguiu ler, então não deveria opinar). Jamais quis dizer isso.

    Somente quis expor o meu lado pessoal de pensar sobre o assunto.

    Fabio K respondeu:

    @XaparraL,

    Nenhuma ofensa tomada 😀
    Eu realmente tentei ler a dita cuja, até que fui longe, mas me enchi daquilo.
    Quanto a ter que conhecer toda a obra para criticá-la, não acho isso indispensável; é claro que, se estudasse toda ela teria mais base para descer a lenha.
    O que eu conheço dela é o suficiente para saber que não é algo que quero para mim ou minha família, eventualmente alguém cita partes que não conheço, e posso averiguar ou não, mas não tenho mais paciência com ela.
    Quem a defende tem a obrigação de estudá-la e conhecer a fundo, quando meto o pau nela, é com relação ao pouco que conheço, acaba sendo a chance para um defensor dela se manifestar e argumentar, resultando naquilo que presenciamos tantas vezes.
    Em poucas palavras, minha posição com relação à bíblia não é de perito ou estudioso, mas apenas de um leigo cético (mas não ignorante no assunto) e aberto à discussão.

    Fabio K respondeu:

    @XaparraL,
    “Há muito tempo, durante uma aula de Citologia, uma colega de sala fez algumas piadas sobre a bíblia (mais precisamente sobre o Gênesis), e de imediato o professor a interrompeu perguntando se ela já tinha lido a Bíblia por completo. De bate-pronto, ela disse que não. A resposta do professor que se seguiu eu tomei para mim, e foi mais ou menos assim: “Como pode ironizar uma estória que nem sequer chegou a ler?””

    Interessante. Vamos supor que essa aluna tivesse lido sobre Jonas, na bíblia, (nesse tópico vemos como estória merece umas risadas) então o professor pergunta se ela leu todo o livro e ganha a discussão só porque a aluna não leu todo o livro?

    Administrador André respondeu:

    Há muito tempo, durante uma aula de Citologia, uma colega de sala fez algumas piadas sobre a bíblia (mais precisamente sobre o Gênesis), e de imediato o professor a interrompeu perguntando se ela já tinha lido a Bíblia por completo. De bate-pronto, ela disse que não. A resposta do professor que se seguiu eu tomei para mim, e foi mais ou menos assim: “Como pode ironizar uma estória que nem sequer chegou a ler?”
    .
    Argumentum ad Baculum, já que o professor usou de seu “poder” sobre a aluna. Eu passei (e passo aqui nes site) uma vez.
    .
    “Você leu a Bíblia?”
    “Li, por que? Quer as citações?”
    .
    Não sei porque a conversa mudou totalmente ara “temos que respeitar blábláblá”

    mirtes respondeu:

    @XaparraL, Mas se eles forem conhecer a Bíblia inteira, vão se deparar com as discrepâncias, absurdos e fantasias, que não podem ser conhecidas, senão eles deixam de acreditar nela!

    Por isso, que na maioria das vezes o conhecimento dela, é seletivo, somente ao que pode ser útil.

    Na boa, eu acho, que a Bíblia deveria ser reescrita, para que nela só ficassem os ensinamentos de alto valor moral, que fossem eliminados os trechos de mitologia, política, preconceito, racismo, manipulação ideológica de controle; de preferência, sem assinatura, de deus, apóstolo, jesus, ou o que seja, pra evitar veneração de nomes e pessoas, que não se pode provar terem existido, o resto, queima.

    Abbadon respondeu:

    @fabio,

    Seu deus nao existe.

    FabioK respondeu:

    @Abbadon,
    OK. Sem problemas. Que tal Ishtar? Ela me parece bem mais divertida.
    Que Ishtar nos dê pleno gozo em vida :mrgreen:

    XaparraL respondeu:

    @FabioK,

    “Interessante. Vamos supor que essa aluna tivesse lido sobre Jonas, na bíblia, (nesse tópico vemos como estória merece umas risadas) então o professor pergunta se ela leu todo o livro e ganha a discussão só porque a aluna não leu todo o livro?”
    Na verdade a questão não girou em torno de “quem” exatamente ganhou a discussão, e sim dos motivos que me levaram a ver o que aquele livro tinha de mais (e de menos).

    A pergunta do professor foi apenas um meio usado pelo professor para encerrar as provocações, nada mais. Nem ao menos fiz uma suposição do que aquilo poderia virar caso ela tivesse respondido “sim, por quê?”.

    Andre
    Desculpe se fugi do assunto, mas isso se deu pela praga jogada do 1º comentário.

    Administrador André respondeu:

    Do alto de minha grandiosidade e benevolênvia, eu vos perdôo. Mas, passe no caixa antes. 😉

    Fabio K respondeu:

    @XaparraL,
    Entendi.
    Você tem seus motivos para ter levado esse projeto adiante, eu tenho os meus para fazer de outro modo, métodos diferentes mas, acredito, com finalidades parecidas.
    Acho que já nos entendemos.

    “Desculpe se fugi do assunto, mas isso se deu pela praga jogada do 1º comentário.”
    Hahaha, nossa, tinha me esquecido desse comentário :mrgreen:

  • Gima

    Eu já ouvi, acho que duas vezes se não me engano, uma pregação sobre essa passagem de Jonas. Mas como os pastores apenas pregam um trecho de toda a história fica fácil de convencer as pessoas que isso realmente aconteceu. No caso qdo Jonas ora ao Senhor das profundezas do inferno(interior da baleia) é para as pessoas qdo se sentirem assim tb se humilharem e orarem ao Senhor, por exemplo. A questão lógica é que é apenas uma história que cada pastor tira seu discurso como melhor lhe convém. Assim como toda a bíblia. Mas que nada estão procurando o monstro do lago Ness 😕

    Administrador André respondeu:

    O melhor é questionar o livre-arbítrio de Jonas. Pq o Omni Tripla Ação não respeitou?

  • Gima

    E outro detalhe, Jonas avisou q a cidade seria destruída e as pessoas se converteram e a cidade não foi mais destruída, já Nóe tb avisou do dilúvio, provavelmente ninguém se arrependeu, e será que ele avisou o mundo inteiro do dilúvio???? e os que não foram avisados acabaram pagando o pato do mesmo jeito. não tem jeito….

    Administrador André respondeu:

    Ele não teve tempo de avisar aos egípcios. Logo, Javé resolveu dar uma chance a eles, inundando todo o mundo, mas preservando as grandes pirâmides. 😛

  • sergio henrique

    Ei sabichão…da uma olhada nessa narrativa pra quebrar todas as suas teses…
    tem provas ate no museu..>aprente ai http://pastorsergiocunha.blogspot.com/2008/07/jonas-foi-de-fato-engolido-por-um-peixe.html

    Administrador André respondeu:

    Sinto-me iluminado por tamanha sapiência. Ainda mais com o primeiro comentário que postaram lá. Mas, espere! cada versão bíblica fala de baleia, peixe e monstro marinho. Qual dos 3 é?

    Joseph K respondeu:

    @sergio henrique,
    não é prova de que seja apenas uma lenda ou uma espécie de parábola, pois Cristo mesmo az menção do fato
    Não é uma lenda, pois uma outra lenda fala da lorota. OK. Os Orcs existem, pois são mencionados no Senhor dos Anéis, tá bom pra você?

    não como uma história invertida mas como fato consumado.
    Ah, tá, não inventado, assim como as “profecias” da volta do messias?

    Provado isto, quero mostrar que é um acontecimento cientificamente possível.
    Passar 3 dias imerso em uma solução ácida, usada para digerir comida? Estou curioso…

    Tem-se conhecimento de casos como o de Jonas, na história das marinhas do mundo todo.
    Mesmo? Quais? Com que documentação?

    O “Cleveland Plain Dealer” publicou um artigo que citava a narração do Dr. Rasone Harwey a respeito do desaparecimento do cão de uma baleeira em pleno mar.
    Seis dias depois, encontraram-no vivo dentro da cabeça de uma baleia,

    Link para a notícia?
    Procurei no site do Cleveland Plain Dealer e não encontrei tal artigo.
    Mesmo que existisse tal artigo, sem provas concretas seria mais uma história de pescador.

    Seis dias depois, encontraram-no vivo dentro da cabeça de uma baleia,
    Na c-a-b-e-ç-a? U-a-u! Quero, mesmo, ver esse artigo!
    Com certeza deve ter tido repercussão mundial! Milhares de sites devem ter esse evento completamente documentado!

    A citação do “Cleveland Plain Dealer” Foi, novamente reproduzida pelo “Sunday School Times”, por volta dos anos 50.
    Ops. “Sunday School Times”? Sem querer ofender, mas o que é isso? Jornal do catecismo? Alguém tem a referência científica disso?

    Sabe-se através da história, que tubarões engoliram animais como, o cavalo, homens que foram engolidos inteiros.
    Sem querer chamar o pastor de mentiroso mas… quais as fontes disso?
    “Através da história”? Fontes, por favor. (que não sejam histórias de pescador ou pastor)

    No livro: “The Harmony of Science and Scripture” de Harry Rimmer traduzido por Américo J. Ribeiro em 1950, existe uma reportagem que tem como título.
    HARRY RIMMER? O Zé mané que não sabia coisa alguma de ciência, e queira usar… ciência, para provar que a bíbla estava certa, e que a Evolução era uma furada? Esse mesmo?
    Vejamos… então a “prova” do pastor é que um cascateiro cita uma obscura (por não referenciada) reportagem… e temos que aceitar isso como verdade? Será que é muito difícil ver a falha desse “argumento”?

    Por sinal, é o mesmo sujeito que diz, no mesmo livro (sobre Josué e o Sol que parou) que:
    “O testemunho final da ciência é que tal dia está faltando no registro do tempo. Por mais que o tempo se prolongue, o registro deste dia deve permanecer. O fato é atestado por eminentes homens de ciência, dois dos quais eu cito aqui”. (1936, p. 280)
    Nem mesmo os crentes criacionistas acham que ele é uma boa referência.

    “Histórias verídicas”,”testemunhos”, como sempre, e nada mais: o padrão de “provas” que podemos esperar dos crentes. Antecipando a resposta, cabe lembrar que apenas sites crentes citam essas “provas” relatadas por Rimmer, não é curioso que em nenhum outro lugar -onde se verifiquem as fontes, por exemplo- sejam citadas?

    Eu creio nisto pois é a Palavra de Deus e Cristo mesmo a confirmou
    Hum… então é isso. Se a outra lenda diz, então é verdade.
    Isso é “Prova irrefutável”… só na cabeça de crente, mesmo; nem jornalistas lusitanos aceitariam essas “provas”.

    Isso é o melhor que você conseguiu, sabichão?

    Renato Kistner respondeu:

    @Joseph K, Cara, se não fosse o nome e o avatar, eu teria certeza que era o André o autor do comentário!

    Renato Kistner respondeu:

    @Joseph K, Quanto a sua frase “Nem mesmo os crentes criacionistas acham que ele é uma boa referência”, eu me lembro que uma vez, ou melhor, a primeira vez que postei no CET, eu usei “o dia perdido de Josué” como argumento… Que vergonha. Tomei uma lavada. Depois disso, resolvi estudar antes de entrar em qualquer debate.

    Joseph K respondeu:

    @Renato Kistner,
    usei “o dia perdido de Josué” como argumento… Que vergonha.
    Yeap. 5 de agosto de 2008: você postou o mesmo texto em dois artigos, trollagem básica. 😉

    Depois disso, resolvi estudar antes de entrar em qualquer debate.
    Parabéns, por isso.
    Não é todo dia que algum crente religioso “meio” fanático (como você era, sem ofensa) passa a se criticar e procurar informações para o debate: isso só contribui para melhorar a discussão.

    Quanto a minha resposta poder se confundida com as do André, garanto que é apenas coincidência, movida pela vontade de dar uma sapatada em quem não tem pudor em postar sem pensar. :mrgreen:

  • Abbadon

    Texto ruim, de má qualidade, sem fundamento, nenhuma evidencia, sem citacao de fontes, sem explicações cientificas, sem nomes, sem datas, sem referencias, pessimos conhecimentos de zoologia e fisiologia animal, tentativa forçada de dar legitimidade usando o mito cristao como “autoridade”, apelo sentimental no final.

    Em resumo, é uma porcaria.

    Tente de novo com algo melhor, sabichao.

  • Caca

    – Deus viu o que eles fizeram e como abandonaram os seus maus caminhos. Então mudou de idéia e não castigou a cidade como tinha dito que faria.

    Caralho, mas a própria Bíblia não diz que Deus não se arrepende??

  • Pendragon

    O rapaz foi exibido, depois, no museu de Londres, ao preço de um shilling por cabeça? Que absurdo!

    Administrador André respondeu:

    Do que vc tá falando?

  • Pendragon

    Do site do pastor Sergio Cunha, apontado pelo Sergio Henrique, que foi dado como “contraprova” de que seria possível um Sujeito, no século 20 ter sido engolido por um peixe e sobrevivido para depois ser mostrado no Museu – qual museu? – de Londres.http://pastorsergiocunha.blogspot.com/2008/07/jonas-foi-de-fato-engolido-por-um-peixe.html

    Administrador André respondeu:

    Use o botão “responder”.

    Pendragon respondeu:

    @André, OK. (botão)
    Quanto ao Jonas, Já que mais de 120 mil pessoas o tomaram como mentiroso por ter dito que a cidade seria destruída, e fora a estória de ter sido engolido por um peixe… Já viu aquele tipo de piada de mentiroso onde um cara pesca um lampião aceso? Será que isso não era uma piada da época? Aquele cara que se dá mau… Já pensou que isso podia ser algum tipo de estória engraçada e que alguem anotou e com o passar dos anos os outros começaram a acreditar?
    Eu penso nisso como uma época em que as pessoas sentavam em volta de uma fogueira e contavam histórias antes de irem durmir.

  • Rubens Mesquita

    Jonas 4:11 – Então eu, com muito mais razão, devo ter pena da grande cidade de Nínive, onde há mais de cento e vinte mil crianças inocentes e também muitos animais!

    Mas Sodoma e Gomorra também não tinha crianças e animais? ❓ 😕 E no Dilúvio? :mrgreen:

    Klaus Bergson respondeu:

    @Rubens Mesquita, Verdade!!!

  • rodriguinho

    eu andei lendo os artigos deste bogg .
    neste vc disse:

    Ah, agora sim! A parte que todos nós conhecemos: Deus mandou um peixão engolir Jonas (apesar de Jesus ter dito que era uma baleia… às vezes a onisciência divina falha, normal. )

    nessa época existia nomenclaturas biológicas
    Se jesus errou então um livro escrito em 1955 q disse q plutão é um planeta também errou só porque plutao foi rebaixado.

    Administrador André respondeu:

    Ou seja: seu Jesus não é onisciente. Como somente Deus é onisciente, seu Jesus é uma pessoa comum, que nasceu, morreu e não voltará nunca mais, muito menos fez milagres. Tão-somente um pobre coitado.

    :mrgreen:

    rodriguinho respondeu:

    Consultei duas bíblias
    a do João Ferreira de Almeida
    e http://www.rldsa.org/ e nelas não constam a palavra baleia.

    vou aproveitar pra te fazer umas perguntas:
    quanto tempo levou pra vc aprender o grego bíblico?esse grego é muito diferente do grego atual?quais escolas vc recomenda pra um interessado?Grato!

    Administrador André respondeu:

    http://www.bibliaonline.com.br/acf/mt/12/40+

    quanto tempo levou pra vc aprender o grego bíblico?esse grego é muito diferente do grego atual?quais escolas vc recomenda pra um interessado?Grato!

    Não existe grego bíblico. Existe grego clássico, grego koiné e o lixo que falam na Grécia atualmente. Nenhum cursinho de 3 meses vai te ensinar nada, como regras de sintaxe, construções frasais, análise sintática etc.

    Sério, vcs estão muito aquém de conversar com alguém que estuda isso HÁ ANOS!

  • rodriguinho

    desculpe-me eu errei :
    não era isto:
    nessa época existia nomenclaturas biológicas
    era isto
    naquela época não existia nomenclaturas biológicas.

    o q eu quis dizer foi q naquele contexto a classificação moderna não tinha validade . ela só foi elaborada muito depois

    releia o comentário ,por gentileza , levando em conta a correçao

    GusC respondeu:

    @rodriguinho, Teu erro não altera nada, jesus era um pobre coitado.

    Guilherme H respondeu:

    @rodriguinho, Levando em conta que, segundo a taxonomia bíblica, morcegos são aves, esse erro é dos pequenos.

    homemcinza respondeu:

    @rodriguinho, “A classificação moderna não tinha validade”
    Mas não dizem por aí que a bíblia é inequivoca. É a palavra de Deus tal e qual? E Deus não é onisciente? Desta forma como deus não saberia o nome do “grande bicho”? Se Deus já sabe tudo, ele saberia que é uma baleia e passaria a seus informantes o nome correto.
    Todos estes erros mostram que ela (a Biblia) não é a palavra de Deus ou Deus não é onisciente. Ou ainda, tem muita gente incompetente trabalhando pra ele.
    Eu acho incrivel como pessoas em pleno século XXI ainda acham que um homem ficou dentro de uma baleia e sobreviveu. E mais incrivel desconhecerem totalmente o livro que defendem.

  • Cara [email protected] • 201.67.89.73

    Se trocarmos “Mistérios de Deus” por “diarreia”, não muda muito.

    Seu deus é vagabundo e seus seguidores não sabem nem versículos tipo :

    Mateus 5:22 – Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e qualquer que disser a seu irmão: Raca, será réu do sinédrio; e qualquer que lhe disser: Louco, será réu do fogo do inferno

    Mateus 5:25 – Concilia-te depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao oficial, e te encerrem na prisão.

    Eu estou me lixando pro seu deus, mas você tem que segui-lo. E ao se encolerizar comigo, me xingando, você se candidatou a ir pro Inferno. Leve bronzeador fator 5 milhões, sim? 😀

  • cloverfield

    -Ataque ao autor e não à idéia: OK
    -Falta de argumentos: OK
    -Português sofrível: Ok
    -Alegação sentimental: OK
    -Desconhecimento dos textos da própria religião: Ok
    -Arrogância total: OK
    -Ausência (ou preguiça) de sequer levar em consideração uma opinião contrária a sua: OK

    parabéns, você tem todos os atributos necessários para ser uma fanática religiosa no mesmo nível dos integrantes do Estado Islâmico.

    Só faltou mesmo a ameaça batida de ir pro inferno, mas com o tempo acho que você pode melhorar nesse ponto.

  • Jonas Viotto

    Interessantes seus argumentos, mas a maneira que você os desenvolve, usando ideias primárias para defender um conceito que já está formado na sua mente antes de você redigir a primeira linha, é de alguém que está quase em desespero para provar que está certo, como se fosse um adolescente escrevendo, o qual busca afirmação na sociedade.
    Talvez você o seja. Se for, então tá tudo certo!

    Mas eu espero mais.

    Pryderi respondeu:

    Mimimimimimi

    Joseph K respondeu:

    Nada interessantes seus “argumentos”, mas a maneira que você não os desenvolve, nem usando idéias primárias para defender um conceito que já está formado na sua mente, antes de você redigir a primeira linha, é de alguém que já está em desespero para “provar” que está certo, como se fosse um adolescente escrevendo, buscando auto afirmação.
    “Talvez você o seja. Se for, então tá tudo certo!”(sic)

    Mas eu nem espero mais.

    Viu?
    Palavreado vazio dá, e toma de volta.
    No aguardo por uma argumentação de gente.
    Que Buda te dê amor.

  • Lucas Pereira de Deus

    Não é por que algo é raro que é impossível. Acho que antes de ridicularizar uma narrativa, as pessoas devem estudar o que o assunto está propondo. Algumas pessoas que se dizem da ciência
    são ignorantes e pateticas, e se pagam de intelectuais, quando na verdade ignoram tudo que não esteja dentro de um tudo de ensaio.

    Pra algumas pessoas que acham que o relato de Jonas é impossível de ocorrer e é só uma estoria e não uma historio, recomendo a leitura de um relato do que ocorreu com James Bartley

    http://acienciasuprema.blogspot.com.br/2012/03/historia-de-jonas-verdade-ou-mito.html

    Se qualquer chazam ai tivesse comprovado que os fatos relatados da bíblia fossem falsos, já não existiria religião. Outra coisa a arqueologia tem cadas dia mais comprovado que estes fatos ocorridos são reais. (Vamos fazer um dever de casa antes de falar baboseiras);