Grandes Nomes da CIência

Biografias de cientistas conhecidos ou não tão conhecidos assim. Curiosidades e fatos sobre suas pesquisas, inclusive gente anônima que fez ciência e não recebeu os devidos créditos. Mais »

Livro dos Porquês

A sabedoria e o conhecimento. Isso é Poder! Abra sua mente, aprenda mais sobre questões básicas (e complexas) e tire suas dúvidas, de forma mais didática possível, sem ser aquelas aulas chatas de colégio. Mais »

Grandes Mentiras Religiosas

O mundo não é tão bizarro quanto fazem parecer. Mentiras e enganações para ludibriar as pessoas, lindamente desmontados, de forma a trazer à luz a desonestidade para tentar lhe fazer parar de pensar e simplesmente aceitar o que querem que você pense. Mais »

Caderno dos Professores

Para quem quer ensinar e muitas vezes se pergunta como abordar um tema. Como deixar a aula interessante, como levar conhecimento aos seus alunos por meios que pedagogos lhe odiarão, mas serão amados pelos estudantes. Mais »

 

Um Jesus Cristo não histórico

messias.gifA História, conforme mencionado, não tem registro da existência de Jesus Cristo. Os autores considerados confiáveis e que seriam seus contemporâneos omitiram-se completamente. Os documentos históricos que o mencionam, o fazem esporadicamente, e mesmo assim revelam-se rasurados e falsificados, motivo pelo qual de nada adiantam, neste sentido, para a História. É óbvio, portanto, que a História não poderia registrar um evento que não aconteceu.

Tomando conta da História, o cristianismo a deixou na contingência de referir o nome de Jesus Cristo como sendo um deus antropomorfizado, mas nunca uma pessoa de carne e ossos que tenha realmente vivido. Ao fazê-lo, principia por um estudo filológico e etimológico dos termos “Jesus” e “Cristo”, e termina mostrando que os dois nomes foram reunidos em um só, para ser dado posteriormente a um indivíduo. O termo “Jesus” significa salvador, enquanto que “Cristo” é o ungido do Senhor, o “oint” dos judeus, o Messias esperado doe judeus.

Neste estudo, a História mostra que a crença messiânica havia tomado a costa do Mediterrâneo a partir do século II antes de nossa era. O norte da África, o sul da Europa, a Ásia Menor, estavam todos repletos de Messias e Cristos, e de milhares de pessoas que os seguiam e neles criam.

Ao referir-se aos pretensos Messias, o Talmud deu esse nome até mesmo a diversos reis pagãos, como no caso de Ciro, conforme está em Isaias 44:1, ou ao rei de Tiro, como está em Ezequiel 28:14 e nos Salmos, quando se verifica que os nomes de Jesus e de Cristo já vinham sendo atribuídos a diversos líderes religiosos da Antigüidade. As fontes pesquisadas pela História mostraram que Jesus Cristo, ao ser estudado como fato histórico, só pode ser encarado como sendo o “ungido do Senhor”, uma personalidade de existência abstrata apenas, não tendo possuído contextura física pelo que deixou de ser histórico. É apenas uma figura simbólica, através da qual a humanidade tem sido enganada há muitos séculos.

Cumprindo seu dever de informar, a História põe diante dos olhos do crente e do estudioso as provas de que foi a luta dos líderes cristãos a partir do século II para que o mito Jesus Cristo adquirisse a consistência sólida que levou a crença religiosa dos europeus da Idade Média sob o manto do criminoso absolutismo dos reis e dos Papas de então. Este estudo demonstra que Jesus Cristo foi concebido no século II para cumprir um programa messiânico elaborado pelos profetas e pelos compiladores do Velho Testamento e das lendas, sob o seu pretenso nome. Vê-se, então, que os passos de Jesus pela terra aconteceram conforme o Talmud, para que se cumprissem as profecias que o judaísmo havia inventado.

Jesus Cristo pode ser considerado o ator no palco. Representou o drama do Gólgota e retirou-se da cena ao fim da peça. Mateus 1:2 descreve-nos um Jesus Cristo que nasce milagrosamente, apenas para que se cumprissem as escrituras. Em 2:5 diz que nasceu em Belém, porque foi ali que os profetas previram que nasceria. Em 2:14 deixa-o fugir para o Egito, para justificar estas palavras: “Meu filho será chamado do Egito”. Em 2:23 faz José regressar a Nazaré porque Jesus deveria ser nazareno. Em 3:3 promove o encontro de Jesus com João Batista, porque Isaías predissera-o. Em 4:4 Jesus foi tentado pelo diabo, porque as escrituras afirmaram que tal aconteceria e que ele resistiria. Em 4:14 leva Jesus para Carfanaum para conferir outra predição de Isaías. Em 4:12 Jesus diz que não se deve fazer aos outros senão aquilo que gostaríamos que a nós fosse feito, porque isto também estava na lei dos profetas. Em 7:17 Jesus cura os endemoniados, conforme predissera Isaías. Em 11:10-14 Jesus palestra com João Batista porque assim predissera Elias. Em 12:17 Jesus cura as multidões, quando pede que não propalem isso, igualmente dando cumprimento às palavras de Isaías.

Em 12:40 permanece sepultado durante três dias porque os deuses do paganismo, os deuses solares ou redentores, também estiveram; como Jonas, que foi engolido por uma baleia, a qual depois de três dias jogou para fora, intacto como se nada tivesse acontecido. E tudo isto aconteceu em um mar onde não há possibilidade de vida para esse cetáceo, portanto, só poderia acontecer graças aos milagres bíblicos.

Em 13:14 diz que Jesus falava por meio de parábolas, como Buda também o fez. Assim também falavam os antigos taumaturgos, para que apenas os sacerdotes entendessem; assim só eles seriam capazes de interpretar para os incautos e crédulos religiosos, e, afinal, porque Isaías assim o previa.

Em 21:14 Jesus entra em Jerusalém montado em um burrico, conforme as profecias. Em 26:54 Jesus diz que não foi preso pelo povo quando junto dele se assentou no templo para ensinar, porque também estava previsto. Em 27:9 Judas trai a Jesus, vendendo-o por trinta dinheiros e recebendo à vista o preço da traição.

Em 27:15 os soldados repartem entre si as roupas do crucificado. Apenas o cumprimento desta profecia choca-se frontalmente com a História. E, de acordo com ela, nessa época não havia legionários romanos na Palestina. Lucas 23:27 diz que Jesus mandou comprar espadas, para que assim fosse confundido com os malfeitores comuns, porque assim estava previsto. Em seguida, diz que Jesus, ao ensinar aos seus apóstolos, afirmava que tudo o que lhe acontecesse, era para que estivesse de acordo com o que escreveram Moisés e os profetas, e como estava descrito nos salmos. Em 24:44-46 diz que Jesus afirmou “Como era necessário que Cristo padecesse e ressuscitasse ao terceiro dia, dentre os mortos”.

Pages: 1 2 3

  • Tharcio

    Oi pessoal

    Estou sentindo falta de referências bibliográficas que possam ser conferidas. Isso daria mais força as afirmações e possibilitaria o prosseguimento da pesquisa para fontes mais primarias. Se poderem me mandar agradeço.

    Um abraço
    Tharcio

    Administrador André respondeu:

    Sugiro a leitura dos livros de Bart Ehrman, Karen Armstrong, Harold Bloom e John Dominic Crossan

  • webcodigo

    “Foi este o retrato feito de Jesus Cristo pelo cristianismo, e que ainda hoje milhões de pessoas adoram. Entre nós, são bem poucos os que põem em dúvida a veracidade desse romance contado pelos judeus da diáspora e aproveitado por seus seguidores latinos. No entanto, a razão e o conhecimento estão se encarregando de destruir a pretensa veracidade desse conto. Muitas coisas consideradas como milagres são hoje conseguidas naturalmente através da ciência, da tecnologia moderna, da medicina, do conhecimento científico em todas as suas modalidades, e mesmo através de hipnose.”

    Se possivel,poderia ser criado um artigo explciando o que a ciencia explcia sobre esses fatos,acima?

    Administrador André respondeu:

    Quais fatos? Os milagres? Eu nunca vi nenhum. Os que aparecem na TV são puro sensacionalismo.

  • webcodigo

    Concordo…

    Mas disse isto no tópico:
    “Muitas coisas consideradas como milagres são hoje conseguidas naturalmente através da ciência, da tecnologia moderna, da medicina, do conhecimento científico em todas as suas modalidades, e mesmo através de hipnose”

    Eu gostaria de saber o que a ciência diz destas coisas que foram declaradas milagres.Como ditas acima

    Administrador André respondeu:

    Por favor, cite o referido milagre primeiro.

  • webcodigo

    Dos que você mesmo disse no tópico.Por trás das frases…

    “Muitas coisas consideradas como milagres”

    E sobre estas que qeuro saber…

    Administrador André respondeu:

    1) O texto não é meu.
    .
    2) Vc nunca ouviu falar em generalização não?

    Joseph K respondeu:

    @webcodigo,
    Se possivel,poderia ser criado um artigo explciando o que a ciencia explcia sobre esses fatos,acima?
    Acho que está ficando meio confusa, a discussão, mas pelo que entendi, você tem interesse nos “milagres” e como eles podem ser explicados (desmascaradas as fraudes) e gostaria de um artigos específico sobre isso.
    Na minha opinião, isso seria um esforço inútil, uma vez que “milagres” teimam em aparecer a toda hora, em todo lugar (um exemplo).
    De qualquer modo, há uma lista razoável de milagres e outras cascatas, aqui mesmo, é só dar uma pesquisada.

  • Pingback: Crença no “Arrebatamento” é colagem de textos bíblicos » Ceticismo.net()

  • carlos90

    André”Sugiro a leitura dos livros de Bart Ehrman, Karen Armstrong, Harold Bloom e John Dominic Crossan”
    Quais livros expecificamente?Todos os autores citados tem muitos livros escritos e estes falam sobre vários subtemas(veracidade das escrituras,jesus historico,evolucão,paganismo na igreja,etc)
    Quais livros são os melhores de cada autor e quais voce me recomendaria,André?
    na espera,Abraço

    Administrador André respondeu:

    Todos.

  • carlos90

    ola andré
    meu amigo se voce me der cerca de 2000 reais compro todos.não so doido de comprar todos eles.Eu só queria saber aqueles que voce mais gostou e acha mais importante.Se voce ou outra pessoa do site responder agradeço.
    abraços

    homemcinza respondeu:

    @carlos90, Vou em intrometer porque você estendeu seu pedido a outras pessoas…
    Acho que todos os livros são importantes, se você quer apenas um que diga tudo e refute tudo e que explique tudo, você estará agindo como quem lê a bíblia e acha que todo o conhecimento sobre o assunto pode ser sintetizado num livro só.
    Todos os livros citados são importantes pois se completam e cruzam informações. Comece lendo um e quando tiver grana vai comprando aos poucos, (com certeza você deve gastar com alguma bobagem desnecessária) De vez em quando vc acha algum em promoção, a estantevirtual também está ai pra ajudar. De repente até pra download pode se encontrar algum…
    Agora esqueça esse papo de um livro apenas, todos são importantes. Senão daqui a pouco você vai pedir pra indicarem apenas um capitulo e depois um paragrafo apenas pra ficar mais fácil…

    carlos90 respondeu:

    @homemcinza,
    “Acho que todos os livros são importantes, se você quer apenas um que diga tudo e refute tudo e que explique tudo, você estará agindo como quem lê a bíbliae acha que todo o conhecimento sobre o assunto pode ser sintetizado num livro só ”

    Cite onde eu disse que eu queria UM LIVRO QUE DIGA TUDO.Sei que cada livro tem algo a acrescentar(ou Não),mas devido a minha situação financeira queria comprar aqueles que mais acrecentarem informações.(certamente tem livros de Bart Ehrman que são melhores do que o de outros autores em relação a Evidencias,Quantidade de Informação … entre outros quesitos)

    “Todos os livros citados são importantes pois se completam e cruzam informações.”

    Peguemos o tema:Jesus foi um mito.Um livro de Bart Ehrman talvez se centralize mais em dizer a respeito das semelhanças entra religiões pagãs e o cristianismo.Outro dirá mais sobre a necessidade do heroi histórico.Outro atacará as religiões,mostrando todos os males que elas trouxeram.Talvez um outro autor escreva tudo isso.

    Claro há subtemas dentro do tema “Jesus foi um mito”,mas não preciso de 15 livros de autores diferentes falando sobre um mesmo tema.Não acrescentará muita coisa.(Talvez 4 livros de autores diferentes,só para ver o ponto de vista de cada um)

    Por isso não quero perder tempo e dinheiro comprando muitos livro que falam sobre um mesmo assunto e não diga nada que o outro não disse

    “De repente até pra download pode se encontrar algum…”

    gosto da internet,mas para mim é mais uma fonte de conhecimento.Muita coisa pode ser mentira ou alterada.Gosto de livros também.Entretanto os autores só querem dinheiro.Escrevem qualquer coisa(quanto mais polemico melhor) e lucram.
    Por isso qualquer afirmação tem que ser rigorosamente testada,ver diversas fontes(quase sempre se contradizem—-ou não—-) e fazer perguntas se isso é o que é.

    “Agora esqueça esse papo de um livro apenas, todos são importantes. Senão daqui a pouco você vai pedir pra indicarem apenas um capitulo e depois um paragrafo apenas pra ficar mais fácil…”

    .Minha fala “Eu só queria saber aqueleS (…)”.tem um s,indica plural.logo não queria um livro.

    .É obrigação do autor do texto ou documento colocar fontes(confiáveis) para provar a veracidade de suas afirmações(Devia ser lei).Não é pra ser detalhista(capitulo tal paragrafotal),mas também não faz mal.Mostra que de fato ele leu o livro e que se importa que seus leitores fiq
    .

  • carlos90

    Perdão a droga da minha internet caiu Continuação( … )

    ( … )mas também não faz mal.Mostra que de fato ele leu o livro e que se importa que seus leitores fiquem bem informados.

    Nota:Apesar que úm site pode dizer “deus não existe e um própio cristão doutor não sei quem afirmou em seu livro no capitulo num sei o que que deus não existe”.compra o livro ler e ver que o site mentiu a respeito dessa fonte.A Disconfiança Tem que Ser Quase Constante

    até+

  • Então por que veio aqui? Vai trabalhar

  • Almeida

    Evidências. Conheces, tu?

  • Saulo de Tarso existiu e há fontes que corroboram. O que se discute é se ele escreveu as epístolas. Bart Ehrman aponta que há muitas contradições nas epístolas paulinas, então, é bem provável que outros escribas fossem juntando pedaços aos textos originais, que não se têm

    Já os companheiros de Jesus, não se sabe. Não se sabe SE existiu Jesus. O que se sabe é que existiu um pregador apocalipsista a quem chamam de Jesus Histórico (não se sabe o real nome dele. Alguns historiadores dizem que várias passagens são de pessoas diferentes. Os evangelhos podem ter sido montados enfocando pessoas diferentes e com o tempo as passagens foram se misturando.

  • Daniel

    Minha gente tô atolado de assuntos da residência pra estudar, ainda não tive tempo pra ler com calma sobre as obras das referências postadas, irei fazer isso qdo acabar o R1 que ta me sufocando hehehe…

    De qualquer forma quero deixar registrado aqui os parabéns pelo site e pelo texto, mas quero também deixar uma resalva baseado no pouco que vi. Bem, por se tratar de um site cético, acredito que por mais que o autor tenha a total liberdade de expor sua visão sobre determinado assunto, acho pertinente que no decorrer do texto, se exponha a visão do outro lado, que se deixe claro que não são todos os acadêmicos que pensam assim e aí o leitor ficará à vontade de pesquisar trabalhos de acadêmicos que tem visões contrária sobre determinados assuntos e aí, posteriormente, tirar sua própria conclusão.

    Quando comecei a ler o texto e vi esta frase: “…É óbvio, portanto, que a história não poderia registrar um evento que não aconteceu..” Achei de imediato que a maioria dos acadêmicos compartilhavam da opinião expressa no texto, mas não foi o que eu notei pela pesquisa que fiz. Dei uma olhada nas referências que uma outra pessoa postou nos comentários e vi também que mesmo os autores citados não pensam da forma como está expresso no texto. Me parece que a crítica é muito mais relacionada ao cristo, ao messias milagreiro do que ao jesus histórico(parece q mesmo sem provas históricas incontestáveis a maioria acredita que jesus existiu sim). Por exemplo, dei uma copiada da wiki(me corrijam se a wiki estiver desatualizada em relação a este autor) sobre a recepção dos livros do Bart Ehrman e vi que assim como nos livros do Crossan as críticas não são poucas:

    “Daniel Wallace has praised Ehrman as “one of North America’s leading textual critics” and describes him as “one of the most brilliant and creative textual critics I have ever known”. Wallace argues, however, that in Misquoting JesusEhrman sometimes “overstates his case by assuming that his view is certainly correct.” For example, Wallace asserts that Ehrman himself acknowledges the vast majority of textual variants are minor, but his popular writing and speaking sometimes makes the sheer number of them appear to be a major problem for getting to the original New Testament text.

    Ehrman’s The New Testament: A Historical Introduction to the Early Christian Writings is widely used at American colleges and universities. The textbook holds to a traditional interpretation of the Gospel of Thomas in the context of second-century Christian gnosticism, and has been criticized byElaine Pagels for this reason.

    Andreas J. Köstenberger, Darrell L. Bock and Josh D. Chatraw have disputed Ehrman’s depiction of scholarly consensus, saying: “It is only by defining scholarship on his own terms and by excluding scholars who disagree with him that Ehrman is able to imply that he is supported by all other scholarship.”Michael R. Licona, notes, however, that “his thinking is hardly original, as his positions are those largely embraced by mainstream skeptical scholarship”.

    Gary Kamiya states in Salon that “Ehrman’s scholarly standing did not soothe the evangelical Christians who were outraged by “Misquoting Jesus.” Angered by what they took to be the book’s subversive import, they attacked it as exaggerated, unfair and lacking a devotional tone. No less than three books were published in response to Ehrman’s tome”. In 2014, Zondervanpublished How God Became Jesus: The Real Origins of Belief in Jesus’ Divine Nature: A Response to Bart D. Ehrman as a companion volume to Ehrman’sHow Jesus Became God. According to the authors – including Michael F. Bird, and Simon Gathercole – Ehrman is “prone to profound confusion, botched readings and scholarly fictions.”

    Como se não bastasse, também vi na wiki que o próprio Ehrman escreveu um livro em que, pelo menos como o título sugere, ele defende a existência do jesus histórico:

    “In 2012, Ehrman published Did Jesus Exist? The Historical Argument for Jesus of Nazareth, defending the historical existence of Jesus of Nazareth in contrast to the mythicist theory that Jesus is an entirely fictitious being”

    Como eu disse, foi uma busca de wikipedia e de dr.google, não li nenhum livro nem sou entendedor de religiões, minha área de conhecimento é outra. Se eu estiver errado me corrijam. Mas se por acaso o que eu falei tiver algum fundamento, acho interessante que num site cético os dois lados da moeda sejam apresentados para daí o autor tomar partido no decorrer do texto. Fica mais intelectualmente justo com o leitor também. Isso serve pra qualquer assunto onde não haja consenso na academia.

    Fica a dica

    Abraço pessoal e mais uma vez parabéns pelo site!