Grandes Nomes da CIência

Biografias de cientistas conhecidos ou não tão conhecidos assim. Curiosidades e fatos sobre suas pesquisas, inclusive gente anônima que fez ciência e não recebeu os devidos créditos. Mais »

Livro dos Porquês

A sabedoria e o conhecimento. Isso é Poder! Abra sua mente, aprenda mais sobre questões básicas (e complexas) e tire suas dúvidas, de forma mais didática possível, sem ser aquelas aulas chatas de colégio. Mais »

Grandes Mentiras Religiosas

O mundo não é tão bizarro quanto fazem parecer. Mentiras e enganações para ludibriar as pessoas, lindamente desmontados, de forma a trazer à luz a desonestidade para tentar lhe fazer parar de pensar e simplesmente aceitar o que querem que você pense. Mais »

Caderno dos Professores

Para quem quer ensinar e muitas vezes se pergunta como abordar um tema. Como deixar a aula interessante, como levar conhecimento aos seus alunos por meios que pedagogos lhe odiarão, mas serão amados pelos estudantes. Mais »

 

As contradições evangélicas

saopaulo.jpgMateus e Marcos afirmam enfaticamente que os discípulos de Jesus abandonaram tudo para seguí-lo, sem sequer perguntar antes quem ele era. Em Mateus, lê-se que Jesus teria afirmado que não viera para abolir as leis de Moisés. Contudo, esta seria uma afirmativa sem sentido algum, visto que hoje sabemos que os livros atribuídos a Moisés são apócrifos. Segundo João, quando Jesus falou ao povo, foi por este acatado e proclamado rei de Israel aos gritos de “Hosanna”. Mas, um pouco adiante, ele se contradiz, afirmando que o povo não acreditou em Jesus, e praguejando contra ele, o ameaçava a ponto de ele ter procurado se esconder.

Mateus diz que Jesus entrou em Jerusalém vitoriosamente quando a multidão o teria recebido de modo festivo, e marchando com ele, cobria o chão com folhas, flores e com os próprios mantos, gritando: “Hosanna ao Filho de David! Bendito seja o que vem em nome do Senhor!” Aos que perguntavam quem era, respondiam “Este é Jesus, o profeta de Nazaré da Galiléia”. No entanto, outros evangelistas afirmam que ele era um desconhecido em Jerusalém. Disseram que Pilatos estava convencido da inocência de Jesus, razão pela qual teria tentado salvá-lo, o abandonando logo em seguida, indefeso e moralmente arrasado.

João faz supor que Pilatos teria deixado que matassem Jesus, temendo que denunciassem sua parcialidade ao imperador. Se ele não castigasse a um insurreto que se intitulava rei dos judeus, estaria traindo a César. No entanto, tal atitude por parte de Pilatos não combina com o seu retrato moral, pintado por Filon. Era um homem duro e tão desumano quanto Tibério.

A vida de mais um ou menos um judeu, para ambos, era coisa da pouca importância. Filon faz de Pilatos um carrasco e mostra que ele, em Jerusalém, agia com carta branca. Além disso, as reações de Pilatos com Tibério eram quase fraternais e ele era um delegado de absoluta confiança do imperador. Mas como os Evangelhos foram compostos dentro dos muros de Roma, teriam de ser de modo a não desagradar às autoridades Imperiais. Pilatos foi posto nisso apenas porque os bens e a vida dos judeus estavam sob sua custódia. Entretanto, como a ocupação romana foi feita em defesa dos judeus ricos, contra os judeus pobres e os renegados do deserto, as autoridades romanas temiam muito mais ao povo do que a Roma.

Além disso, muitas eram as razões para não gostarem de Pilatos nem de Herodes Antipas. Eles eram antipáticos aos judeus pobres, por isso teriam temido a ira popular. Esta é a razão apresentada pelos historiadores que levam a sério os Evangelhos, justificando assim o perdão do criminoso Bar Abbas e a condenação do inocente Jesus. Entretanto, se as legiões romanas realmente ali estivessem naquela época, nem Pilatos nem Herodes tomariam em consideração a opinião do povo, porque se sentiriam garantidos nos seus postos. Além disso, a opinião popular é fator ainda bem novo na técnica de formação dos governos. Tudo o que sabemos é o que está nos Evangelhos. Jesus era um homem do povo e um dos que temiam o governo.

Por isso é que em Marcos 16:7 encontraremos Jesus aconselhando os discípulos a fugirem. Em Lucas 10:4 Jesus está aconselhando aos discípulos a não falarem com ninguém em suas viagens. Em Mateus 35:23 encontraremos Jesus reprovando os judeus que haviam assassinado Zacarias, filho de Baraquias, entre o adro do templo e o altar. A história, no entanto, afirma ser esse episódio imaginário.

Flávio Josefo relata um acontecimento semelhante, registrado no ano 67, 34 anos após a pretensa morte de Jesus, referindo-se no caso a um homem chamado Baruch. Isto evidencia o descuido dos compiladores dos Evangelhos, que os compuseram sem levar em conta que, no futuro, as contradições neles encontradas seriam a prova da inautenticidade dos fatos relatados. Nicodemos, que teria sido um fariseu rico, membro de Senedrin, homem de costumes moderados e de boa fé, não se fez cristão, apesar de ter agido em defesa de Jesus contra os próprios judeus. Por certo ele, como João Batista, não se convenceram da pretensa divindade de Jesus Cristo, nem mesmo se entusiasmaram com suas pregações.

Outra ficção evangélica é debitada a Paulo, o qual inventou um Apolo, que não figura entre os apóstolos e em nenhum outro relato. Em Atos dos Apóstolos 18, lê-se: “Veio de Éfeso um judeu de nome Apolo, de Alexandria, homem eloqüente e muito instruido nas Escrituras. Este era instruído no caminho do Senhor, falando com fervor de espírito, ensinando com diligência o que era de Jesus, e somente conhecia João Batista. Com grande veemência convencia publicamente os judeus, mostrando-lhes pelas Escrituras que Jesus era o Cristo”. Seria um judeu fiel ao judaísmo que, segundo Paulo, procurava levar seus próprios patrícios para o Cristo? Na epístola I aos Coríntios, diz que: “Apolo era igual a Jesus”.

Paulo, já no fim do seu apostolado, afirma que o imperador Agripa era um fariseu convicto, e que sua religião era a melhor que então existia. Era, assim, um divulgador do cristianismo afirmando a excelência do farisaísmo. Falando de Jesus, Paulo descreve apenas um personagem teológico e não histórico. Não se refere ao pai nem à mãe de Jesus, sendo um ser fantástico, uma encarnação da divindade que viera cumprir um sacrifício expiatório, mas não fala do modo como teria sido possível a encarnação. Não diz sequer a data em que Jesus teria nascido. Não relata como nem quando foi crucificado. No entanto, estes dados têm muita importância para definir Jesus como homem ou como um ser sobrenatural. Está patente, desse modo, que Paulo é uma figura tão mitológica quanto o próprio Jesus.

Em Atos dos Apóstolos 28:15 e 45 Paulo diz que quando chegou a Pozzuoli, ele e os seus companheiros foram ali bem recebidos, havendo muita gente à beira da estrada os esperando. Entretanto, chegando a Roma, teve de defender-se das acusações de haver ofendido em Jerusalém ao povo e aos ritos romanos. Na Epístola aos Romanos 1:8, Paulo diz que a fé dos cristãos de Roma alcançara todo o mundo, razão pela qual encerraria sua missão tão logo regressasse da Espanha, onde saudaria um grande número de fiéis.

Mas, se fosse assim, por que Paulo teve de se defender perante os cristãos de Roma contra o seu próprio judaísmo? Com pouco tempo Paulo já pensava encerrar sua missão porque o cristianismo já havia se universalizado. Entretanto, ele continuava considerando como melhor religião o farisaísmo. O cristianismo a que Paulo se referia deveria ser anterior a Jesus Cristo, que era o seguido pelos cristãos de Roma, e não pelos cristãos dos lugares por onde Paulo havia passado pregando. Eusébio disse que o cristianismo de Paulo era o terapeuta do Egito, e Tácito disse que os hebreus e os egípcios formavam uma só superstição.

Próximo capítulo: Algumas fontes do cristianismo

Veja os outros capítulos da série A maior farsa de todos os tempos clicando aqui.

  • suede

    sua inteligencia é granade porem um dia via morrer ai sim conheceras e verdade que julga hoge conhecer …. pobre menino inteligente ….
    1 bilhao de pessoas creem em Jesus a uma grande possbilidade de vc ta errado não ?

    Abbadon respondeu:

    @suede,

    1,3 bilhoes de hindus acreditam em milhares de deuses

    2 bilhoes de islamicos acreditam em Allah e no profeta Maome

    400 milhoes acreditam em deuses animistas

    E assim por diante, totalizando uns 4 bilhoes de pessoas que NAO ACREDITAM em Jesus.

    É uma gigantesca possibilidade de vc estar errada, nao é ?

    E vc ainda fala de inteligencia, quando mal sabe escrever direito…

    Wilhelm respondeu:

    @suede,

    HOGE????????????????? PQP ho GE

    Pobre menino ignorante, esse ai foi muito difícil de ser erro de digitação.

    Ná idade média toda a população da terra acreditava em monstros marinhos, que a terra era plana e outras merdas. HOJE muitas pessoas como o Abbadon apontou acreditam em Allah, Buda, Thetans e o caralho. O numero de pessoas que acredita em um dado fato não pode ser usado como critério para considerar o fato verdade ou não. Ainda mais nos dias de HOJE

    Caca respondeu:

    @suede, O número de idiotas não faz a verdade

  • Abbadon

    @suede,

    Consulte qualquer site de estatistica e demografia. É claro, se vc souber o que é isso.

    E vc nao vai se dar o trabalho de prestar atencao no que escreve ? Isso mostra o seu nivel cultural e intelectual.

    Boa sorte na vida. Vai precisar muito, ja que as empresas de nivel nao contratam ignorantes e semi-analfabetos.

    E argumentos, cade ? É claro, vc nao tem nenhum. Ate agora vc nao disse nada que prestasse.

  • kkeymons

    Cara enquanto a inexistencia de Deus nao for comprovada eu continuarei crendo nele,as pessoas apontam para experiencias cientifias bem sucedidas porem nenhuma dessa experiencias comprovam a inexistencia de Deus.

    Administrador André respondeu:

    Como coisa que a Ciência está se importando com seu deusinho mequetrefe. Uma pergunta, você é cristão? Segue a Bíblia?

    kkeymons respondeu:

    @André,
    KKKKKKKKKKKKK nao se immporta???? quantas e quantas teorias foram criadas pela ciencia para explicar a “inexistencia” de Deus apenas com teorias pq eh impossivel deles comprovarem isso. Sim sou cristao pq creio em Deus, tento seguir sim a biblia.

    kkeymons respondeu:

    @kkeymons,
    No dia em que a ciencia conseguir criar vida, por ela mesma, seim usar a clonagem ou tirar da natureza eu grito pro mundo todo que Deus nao existe!!!!!
    Soh lembrando que o SER HUMANO EH AUTO DESTRUTIVO.

    Administrador André respondeu:

    O que prova que seu deus fez merda. Claro que o fato da Ciência ainda não fazer vida sintética não significa que o seu deus exista. Não significa nem (sem I, ANIMAL!) que outro deus qq exista.

    mesmo pq, antes achava-se que epilepsia era por causa de “ispritus malígrinos”, que nem o Bento Carneiro.

    Enquanto isso, as contradições nos evangelhos ainda estão lá. :mrgreen:

    Administrador André respondeu:

    Quantas e quantas teorias foram criadas pela ciencia para explicar a “inexistencia” de Deus apenas com teorias pq eh impossivel deles comprovarem isso.

    Pode me mostrar algum periódico indexado onde essas teorias foram publicadas?

    Sim sou cristao pq creio em Deus, tento seguir sim a biblia.

    Por favor, me empreste 100.000 reais. Seu livro diz que vc não pode me negar nada.

  • CetiCiro

    Por que os cristãos e cia. acham que somos nós que devemos provar que “deus” não existe? 🙄
    Isso é ridiculo, mas temos que aprender a conviver com esses iracionais. Infelizmente…

  • Renato Cesar

    “Mateus e Marcos afirmam enfaticamente que os discípulos de Jesus abandonaram tudo para seguí-lo, sem sequer perguntar antes quem ele era.”
    Evangelho é um gênero diferente de conto narrativo ou biografia. Visa mostrar que Jesus é o Messias.

    “Em Mateus, lê-se que Jesus teria afirmado que não viera para abolir as leis de Moisés. Contudo, esta seria uma afirmativa sem sentido algum, visto que hoje sabemos que os livros atribuídos a Moisés são apócrifos.”
    Que livro atribuídos a Moisés? Apócrifos? A Lei a que Jesus faz referência está no AT (Pentateuco) , e se fosse apócrifa não estaria lá.

    “Segundo João, quando Jesus falou ao povo, foi por este acatado e proclamado rei de Israel aos gritos de “Hosanna”. Mas, um pouco adiante, ele se contradiz, afirmando que o povo não acreditou em Jesus, e praguejando contra ele, o ameaçava a ponto de ele ter procurado se esconder.”
    Jesus foi proclamado rei, ao chegar à Jerusalém, porque o povo esperava dele algo que não era. Contudo, ao perceberem isso, incitados e manipulados pelos líderes Judeus que o perseguiam, mudaram de idéia. Muito resumidamente é isso.

    “No entanto, tal atitude por parte de Pilatos não combina com o seu retrato moral, pintado por Filon. Era um homem duro e tão desumano quanto Tibério.”
    Pura suposição. Embora vc mesmo reconheça, mais adiante, que Pilatos poderia ter agido da forma que consta no evangelho.

    “Pilatos foi posto nisso apenas porque os bens e a vida dos judeus estavam sob sua custódia. Entretanto, como a ocupação romana foi feita em defesa dos judeus ricos, contra os judeus pobres e os renegados do deserto, as autoridades romanas temiam muito mais ao povo do que a Roma.”

    Data aproximada do primeiro evangelho escrito (Marcos): ano 70 d.C. Pilatos morreu muito antes disso. Não, então, nenhum sentido em tal afirmação.
    “Jesus era um homem do povo e um dos que temiam o governo.”
    Com base em que vc afirma isso?

    “Por isso é que em Marcos 16:7 encontraremos Jesus aconselhando os discípulos a fugirem”
    O texto diz: “Mas ide, dizei a seus discípulos, e a Pedro, que ele vai adiante de vós para a Galiléia; ali o vereis, como ele vos disse.” ???
    “Em Lucas 10:4 Jesus está aconselhando aos discípulos a não falarem com ninguém em suas viagens.” Sim…???

    “Em Mateus 35:23 encontraremos Jesus reprovando os judeus que haviam assassinado Zacarias, filho de Baraquias, entre o adro do templo e o altar. A história, no entanto, afirma ser esse episódio imaginário”

    Não existe tal passagenm na Bíblia. Ou vc fez um ctrl c ctrl v irresponsável ou está agindo de má fé. Tudo de que acusa os cristãos. Uso as palavras de Jesus: E por que atentas tu no argueiro que está no olho de teu irmão, e não reparas na trave que está no teu próprio olho?

    “Na epístola I aos Coríntios, diz que: “Apolo era igual a Jesus”.”

    Onde exatamente está tal afirmação?

    “Paulo, já no fim do seu apostolado, afirma que o imperador Agripa era um fariseu convicto, e que sua religião era a melhor que então existia. Era, assim, um divulgador do cristianismo afirmando a excelência do farisaísmo… Está patente, desse modo, que Paulo é uma figura tão mitológica quanto o próprio Jesus.”

    De onde vc tirou tais conclusões. Cadê os textos? Apenas suposições, nada mais.

    “Em Atos dos Apóstolos 28:15 e 45 Paulo diz que quando chegou a Pozzuol…”

    Novamente, uma cópia irresponsável de algum texto ou muita ma fé em publicar mentiras. Tamanho é o absurdo de suas afirmações, que a suposta referência de At 28.45 nem mesmo existe.

    Embora o artigo publicado seja de péssima qualidade, não tenho a pretensão de batizá-lo dos tantos nomes ofensivos com os quais vc batiza aqueles que discordam de suas teorias e afirmações. Vc, que tanto julga com rigor seus opositores, use o mesmo consigo agora.

    Administrador André respondeu:

    Evangelho é um gênero diferente de conto narrativo ou biografia. Visa mostrar que Jesus é o Messias.

    Em suma: mentira. Porque Jesus NUNCA poderia ser o messias.

    Que livro atribuídos a Moisés? Apócrifos? A Lei a que Jesus faz referência está no AT (Pentateuco) , e se fosse apócrifa não estaria lá.

    São apócrigfos, posto que Moisés nunca existiu. Israel Finkelstein demonstra que há diversas fontes que formaram o pentateuco, pois os estilos mudam entre eles. Leia A Bíblia Não tinha razão.

    Jesus foi proclamado rei, ao chegar à Jerusalém, porque o povo esperava dele algo que não era. Contudo, ao perceberem isso, incitados e manipulados pelos líderes Judeus que o perseguiam, mudaram de idéia. Muito resumidamente é isso.

    Nenhuma fonte histórica independente confirma isso. Jesus não cumpriu nenhuma profecia messiânica, caso tivesse existido.

    Data aproximada do primeiro evangelho escrito (Marcos): ano 70 d.C. Pilatos morreu muito antes disso. Não, então, nenhum sentido em tal afirmação.

    Então, vc confirma que a narrativa do evangelho é de fontes secundárias ou terciárias?

    Com base em que vc afirma isso?

    Não é o que diz a Bíblia? Tanto que temia que soltou aquela de devolver a moeda a César. Isso, claro, se tivesse existido, mas estamos levando em conta a narrativa da mitologia cristã.

    “Na epístola I aos Coríntios, diz que: “Apolo era igual a Jesus”.”

    Onde exatamente está tal afirmação?

    I Coríntios 1:12-13 — Quero dizer com isto, que cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu de Apolo, e eu de Cefas, e eu de Cristo. Está Cristo dividido? foi Paulo crucificado por vós? ou fostes vós batizados em nome de Paulo?

    I Coríntios 2:4-5 — Porque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu de Apolo; porventura não sois carnais? Pois, quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um?

    Interpretação de texto não é pra qualquer um. Compre uma Bíblia e leia.

    De onde vc tirou tais conclusões. Cadê os textos? Apenas suposições, nada mais.

    Por favor, trace um panorama que inviabilize a referida argumentação. No aguardo.

    “Em Atos dos Apóstolos 28:15 e 45 Paulo diz que quando chegou a Pozzuol…”

    Novamente, uma cópia irresponsável de algum texto ou muita ma fé em publicar mentiras. Tamanho é o absurdo de suas afirmações, que a suposta referência de At 28.45 nem mesmo existe.

    Em Atos 28:13 é dito: De onde, indo costeando, viemos a Régio; e soprando, um dia depois, um vento do sul, chegamos no segundo dia a Potéoli. (versão Almeida Corrigida, Revisada e Fiel)

    Na versão Ave Maria, temos: aTOS 28:13 — De lá, seguindo a costa, atingimos Régio. No dia seguinte, soprava o vento sul e chegamos em dois dias a Pozzuoli.

    De fato, a numeração Atos 28:15-45 está errada. Mas o texto, tá lá. É Atos 28:13 em diante. Mal aí. Tenta se esforçar mais. 🙂 Tome, leia um pouco mais.

    Embora o artigo publicado seja de péssima qualidade, não tenho a pretensão de batizá-lo dos tantos nomes ofensivos com os quais vc batiza aqueles que discordam de suas teorias e afirmações. Vc, que tanto julga com rigor seus opositores, use o mesmo consigo agora.

    Pq eu faria isso? Lhe humilhei mais uma vez.

    Renato Cesar respondeu:

    1. Evangelho é um gênero diferente de conto narrativo ou biografia. Visa mostrar que Jesus é o Messias.
    Em suma: mentira. Porque Jesus NUNCA poderia ser o messias.
    Que livro atribuídos a Moisés? Apócrifos? A Lei a que Jesus faz referência está no AT (Pentateuco) , e se fosse apócrifa não estaria lá.
    “São apócrigfos, posto que Moisés nunca existiu. Israel Finkelstein demonstra que há diversas fontes que formaram o pentateuco, pois os estilos mudam entre eles. Leia A Bíblia Não tinha razão.”

    Vc fala das fontes javista, eloísta, deutoronomista e sacerdotal. E o que tem elas com Moisés existir ou não? Os estilos diferentes são sinal de autores diferenstes, o que é mais uma dica pra vc não ler a Bíblia literalmente. Desde quando pra Moisés ter existido tem q ter sido o autor?

    Jesus foi proclamado rei, ao chegar à Jerusalém, porque o povo esperava dele algo que não era. Contudo, ao perceberem isso, incitados e manipulados pelos líderes Judeus que o perseguiam, mudaram de idéia. Muito resumidamente é isso.
    Nenhuma fonte histórica independente confirma isso. Jesus não cumpriu nenhuma profecia messiânica, caso tivesse existido.

    O fundamento para minhas afirmações parte da Bíblia, que vc usou para suas próprias afirmativas de contradição. Então se decida. Vc quer mostrar contradições bíblicas, que, neste caso aí, não existem.
    Data aproximada do primeiro evangelho escrito (Marcos): ano 70 d.C. Pilatos morreu muito antes disso. Não, então, nenhum sentido em tal afirmação.
    “Então, vc confirma que a narrativa do evangelho é de fontes secundárias ou terciárias?”

    Administrador André respondeu:

    Vc fala das fontes javista, eloísta, deutoronomista e sacerdotal. E o que tem elas com Moisés existir ou não? Os estilos diferentes são sinal de autores diferenstes, o que é mais uma dica pra vc não ler a Bíblia literalmente.

    Resumindo: Deus não criou o mundo, nunca houve dilúvio, nunca houve escravos no Egito, nunca houve êxodo, nunca houve “Juízes”, nunca houve reis, nunca houve um reino de Israel, nunca houve promessa messiânica e nunca houve Jesus nenhum. Afinal, aquilo não são histórias literais e sim ficção.

    BANG!!!

    AI, MEU PÉÉÉÉÉÉÉÉ!!!!!!!!!

    O bom de crente é que eles mesmos se refutam. :mrgreen:

    Desde quando pra Moisés ter existido tem q ter sido o autor?

    Vc disse que o relato não é literal, então…

    O fundamento para minhas afirmações parte da Bíblia, que vc usou para suas próprias afirmativas de contradição.

    Ok, então me diga quais as profecias messiânicas Jesus cumpriu. Era um general? Não. Trouxe paz ao mundo? Não. Casou-se? Não. Levou todos os judeus para Israel? Não. Quais as profecias ele cumpriu, então?

    Então se decida. Vc quer mostrar contradições bíblicas, que, neste caso aí, não existem.

    Não é contradição, é mentira mesmo. A não ser que vc mostre as profecias que Jesus cumpriu. Pode contradizer cada linha do outro artigo?

    Data aproximada do primeiro evangelho escrito (Marcos): ano 70 d.C. Pilatos morreu muito antes disso. Não, então, nenhum sentido em tal afirmação.

    Decuida-se: ou a Bíblia retrata acontecimentos ou não. Se o artigo peca ao dizer isso, vc afirma indiretamente que o relato não é válido cronologicamente. Bela armadilha, hein?

    Renato Cesar respondeu:

    “Resumindo: Deus não criou o mundo, nunca houve dilúvio, nunca houve escravos no Egito, nunca houve êxodo, nunca houve “Juízes”, nunca houve reis, nunca houve um reino de Israel, nunca houve promessa messiânica e nunca houve Jesus nenhum. Afinal, aquilo não são histórias literais e sim ficção.”

    Isso é suposição sua. A minha é de houve. Pode não ter ocorrido exatamente do jeito que está na Bíblia, da mesma forma que se eu disser que vc eh desonesto estou apresetando apenas meu ponto de vista, não querendo dizer que vc não exista.

    “Ok, então me diga quais as profecias messiânicas Jesus cumpriu. Era um general? Não. Trouxe paz ao mundo? Não. Casou-se? Não. Levou todos os judeus para Israel? Não. Quais as profecias ele cumpriu, então?”

    Isso é bem básico. dá uma pesquisada no Google.

    “Decuida-se: ou a Bíblia retrata acontecimentos ou não. Se o artigo peca ao dizer isso, vc afirma indiretamente que o relato não é válido cronologicamente. Bela armadilha, hein?”

    Vc tá meio perdido, ehn? Minha afirmação significa, em outras palavras, que os escritores não tinham pq querer agradar Pilatos, pq ele já não existia. Tendeu?

    Administrador André respondeu:

    Isso é suposição sua. A minha é de houve. Pode não ter ocorrido exatamente do jeito que está na Bíblia, da mesma forma que se eu disser que vc eh desonesto estou apresetando apenas meu ponto de vista, não querendo dizer que vc não exista.

    Ué. Se a bíblia não é literal, então nada lá deve ser tomada como verdade. Simples assim. Pode sapatear, mona.

    Isso é bem básico. dá uma pesquisada no Google.

    Que tal em sites judaicos? Afinal, eles criaram o blábláblá do Messias. Quer tentar? 😉

    Vc tá meio perdido, ehn? Minha afirmação significa, em outras palavras, que os escritores não tinham pq querer agradar Pilatos, pq ele já não existia. Tendeu?

    Entendi, o que demonstrei o fato que os relatos são de boca em boca. Bye, bye, troll. Volta lá pro seu centro de “estudos” bíblicos. Ou, sei lá, manda um e-mail pro Craig e outros apologéticos. Como não mostrou as provas que demonstram a existência de Jesus , nada mais lhe resta fazer aqui. Tchauzinho e que Osíris o acompanhe.

    Joseph K respondeu:

    @Renato Cesar,
    Isso é suposição sua. A minha é de houve.
    Uau! E você diz que houve toda essa chuvarada a partir de um livro que você mesmo afirma não ser histórico, e que só serve para dizer que o zumbi palestino é o messias?
    Não é ir um pouco longe demais na credulidade?

    Pode não ter ocorrido exatamente do jeito que está na Bíblia,
    Isso é verdade. É impossível que tenha havido um dilúvio como o narrado no harry Potter, digo bíblia.

    Joseph K respondeu:

    @Renato Cesar,

    Vc fala das fontes javista, eloísta, deutoronomista e sacerdotal. E o que tem elas com Moisés existir ou não? Os estilos diferentes são sinal de autores diferenstes, o que é mais uma dica pra vc não ler a Bíblia literalmente. Desde quando pra Moisés ter existido tem q ter sido o autor?
    Mais um motivo para se achar que “deus” é uma metáfora, e que nada do que é dito sobre ele é real, uma vez que a bíblia é só mais um “Harry Potter”.

    O fundamento para minhas afirmações parte da Bíblia,
    peraí! Para tudo. Uma hora você diz que a bíblia é ficção, depois quer usá-la para referendar fatos históricos? Decida-se.

    que vc usou para suas próprias afirmativas de contradição. Então se decida.
    Seu caso nem é uma trave, mas hipocrisia mesmo.
    Não é relevante o autor do artigo aceitar o texto bíblico como sendo verdade ou não, para se apontar as contradições que ela tenha, da mesma forma que se pode apontar os erros nos livros de Machado de Assis.
    O problema reside nos crentes que acreditam que ela seja verdade.

    Vc quer mostrar contradições bíblicas, que, neste caso aí, não existem.
    Ah, tal como as duas genealogias DIFERENTES e paternas de G-zuys e a crucificação, não é mesmo?

    Nihil respondeu:

    Embora o artigo publicado seja de péssima qualidade,

    Meu filho, se você se acha capaz de escrever um melhor e ainda o refute estou anciosamente esperando.

    Joseph K respondeu:

    @Renato Cesar,
    Evangelho é um gênero diferente de conto narrativo ou biografia. Visa mostrar que Jesus é o Messias.
    Ah, é mesmo? Então porque motivo dois dos evangelistas acharam tão necessário criar duas genalogias para JC? Por farra?
    Não, foi com o intuito de criar uma farsa, para autenticar o nazareno como tendo pedigree para ser o messias.

    Que livro atribuídos a Moisés? Apócrifos? A Lei a que Jesus faz referência está no AT (Pentateuco) , e se fosse apócrifa não estaria lá.
    Os textos são atribuídos pois, como você mesmo disse, a bíblia não é um livro histórico, mas ficcional, com o objetivo de disseminar uma idéia: se é ficcional, não há razão para se achar que houve um Moisés.

    Jesus foi proclamado rei, ao chegar à Jerusalém, porque o povo esperava dele algo que não era. Contudo, ao perceberem isso, incitados e manipulados pelos líderes Judeus que o perseguiam, mudaram de idéia. Muito resumidamente é isso.
    “Algo que não era”… então, é isso mesmo. Ele não era o messias, posto que não cumpriu as profecias.

    Data aproximada do primeiro evangelho escrito (Marcos): ano 70 d.C. Pilatos morreu muito antes disso. Não, então, nenhum sentido em tal afirmação.
    Os primeiros evangelhos são de décadas depois dos supostos fatos e Paulo nunca viu gezuys, mesmo assim, ainda nas décadas por vir, depois de se começar a escrever esses textos, os vários autores, se utilizando dos nomes dos apóstolos, escreviam como se fossem fatos recentes ou presentes.

    Não existe tal passagenm na Bíblia.
    Como não? Mateus 23,35.

    Ou vc fez um ctrl c ctrl v irresponsável ou está agindo de má fé.
    35,25; 25,35. Erro de digitação, já ouviu falar?

    Tudo de que acusa os cristãos. Uso as palavras de Jesus: E por que atentas tu no argueiro que está no olho de teu irmão, e não reparas na trave que está no teu próprio olho?
    Tsc, tsc, para alguém que quer defender o livro mágico, você mostra que nem conhece o que está nele, isso dá um gostinho irônico, ao ler essas suas frases.

  • Renato Cesar

    Mas é óbvio que é de fontes secundárias, terciárias, quaternárias. E o kiko? Que diferença faz? Vc deve estar se opondo a um tipo específico de cristãos, mas desconsidera outros tantos que não são alvos de suas piadas.

    Não é o que diz a Bíblia? Tanto que temia que soltou aquela de devolver a moeda a César. Isso, claro, se tivesse existido, mas estamos levando em conta a narrativa da mitologia cristã.
    =/. Meu caro, vc que tanto critica as interpretações alheias comete um erro bobo de interpretação. Jesus esta fazendo distinção entre o que se deve dar a Deus. Moeda é que não é.

    “Na epístola I aos Coríntios, diz que: “Apolo era igual a Jesus”.”
    Onde exatamente está tal afirmação?
    I Coríntios 1:12-13 — Quero dizer com isto, que cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu de Apolo, e eu de Cefas, e eu de Cristo. Está Cristo dividido? foi Paulo crucificado por vós? ou fostes vós batizados em nome de Paulo?
    I Coríntios 2:4-5 — Porque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu de Apolo; porventura não sois carnais? Pois, quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um?
    Interpretação de texto não é pra qualquer um. Compre uma Bíblia e leia.
    Básica exegese do texto.
    Destinatário da epístola: cristãos de coríntios. M
    otivo da passagem em questão: discussão sobre a quem seguir, Paulo ou Apolo. Por isso a pergunta retórica: “Está Cristo dividido? foi Paulo crucificado por vós? ou fostes vós batizados em nome de Paulo?”… Porque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu de Apolo; porventura não sois carnais?
    Paulo está exatamente falando-lhes que devem seguir a Cristo, não a Paulo ou Apolo.

    “Pois, quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um?”

    Deu deu a cada um uma capacidade, dom etc… Onde vc viu alguma sugestão de que Apolo é igual a Jesus?

    Devolvo: Interpretação de texto não é pra qualquer um.

    “Em Atos dos Apóstolos 28:15 e 45 Paulo diz que quando chegou a Pozzuol…”
    Novamente, uma cópia irresponsável de algum texto ou muita ma fé em publicar mentiras. Tamanho é o absurdo de suas afirmações, que a suposta referência de At 28.45 nem mesmo existe.
    Em Atos 28:13 é dito: De onde, indo costeando, viemos a Régio; e soprando, um dia depois, um vento do sul, chegamos no segundo dia a Potéoli. (versão Almeida Corrigida, Revisada e Fiel)
    Na versão Ave Maria, temos: aTOS 28:13 — De lá, seguindo a costa, atingimos Régio. No dia seguinte, soprava o vento sul e chegamos em dois dias a Pozzuoli.
    De fato, a numeração Atos 28:15-45 está errada. Mas o texto, tá lá. É Atos 28:13 em diante. Mal aí. Tenta se esforçar mais. Tome, leia um pouco mais.

    Tá lá onde? Cadê? Vc não mostrou. Posta aí.

    De tempos em tempos passo por seu site, que tem muitas informações interessantes. Mas, este artigo, é um atentado ao bom senso. Depois vejo os outros da sua saga contra Jesus. Dá ibope né?

    Administrador André respondeu:

    Mas é óbvio que é de fontes secundárias, terciárias, quaternárias. E o kiko? Que diferença faz?

    Telefone sem-fio. O texto critica exatamente a historicidade do mendigo palestino. Se vc confirma que são fontes terciárias, fica demonstrado que não possuem acurácia, coisa que podemos ver bem em Lucas e seus absurdos erros geográficos.

    Vc deve estar se opondo a um tipo específico de cristãos, mas desconsidera outros tantos que não são alvos de suas piadas.

    Não, não me oponho a cristãos e sim às besteiras que vcs defendem. Se vc não tem capacidade cognitiva para entender isso, a culpa não é minha.

    Meu caro, vc que tanto critica as interpretações alheias comete um erro bobo de interpretação. Jesus esta fazendo distinção entre o que se deve dar a Deus. Moeda é que não é.

    Simples assijm: ele determinou que as decisõesw de Deus são díspares das decisões humanas, coisa que não vemos no VT.

    Mas Jesus tinha dito que não veio abolir as leis. Curioso.

    Básica exegese do texto.
    Destinatário da epístola: cristãos de coríntios. Motivo da passagem em questão: discussão sobre a quem seguir, Paulo ou Apolo. Por isso a pergunta retórica: “Está Cristo dividido? foi Paulo crucificado por vós? ou fostes vós batizados em nome de Paulo?”… Porque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu de Apolo; porventura não sois carnais?
    Paulo está exatamente falando-lhes que devem seguir a Cristo, não a Paulo ou Apolo.

    Ao ponto que ele diz que os seguidores de Apolo não diferem dos seguidores de Jesus, coloca ambos pseudodeuses em patamares similares. Exegese? Não, interpretação de texto.

    Deu deu a cada um uma capacidade, dom etc… Onde vc viu alguma sugestão de que Apolo é igual a Jesus?

    Previamente demonstrado. Fingir que não viu não o fará escapar.

    Devolvo: Interpretação de texto não é pra qualquer um.

    Para vc, menos ainda.

    Tá lá onde? Cadê? Vc não mostrou. Posta aí.

    Cet.net não é site oftalmológico. Procure um.

    De tempos em tempos passo por seu site, que tem muitas informações interessantes. Mas, este artigo, é um atentado ao bom senso. Depois vejo os outros da sua saga contra Jesus. Dá ibope né?

    Pior que não. O único ibope que vem é de pobres coitados como vc que sapateiam, mas veja que ninguém refutou uma linha ou mostrou alguma evidência que o mendigo palestino existiu. E é disso que se trata a série de textos. A propósito, cadê sua explanação sobre G-zuis ser ou não ser o messias, hein? Ah, claro que vc ia ignorar. Fica só se apegando em teses onde vc pode sapatear, para depois fingir que não viu as respostas. Nunca esperei honestidade de tipos como vc, filhota. Fica tranquilo. Agora, me prova que seu Jesus existiu, prova?

    Lhe dou a chance de me aniquilar de vez postando as provas. caso contrário será proibido de comentar. A vida é triste, eu sei. Mas para contradizer o cerne do artigo, vc tem que PROVAR que o mendigo palestino existiu, pois é disso que estamos falando. Se pegar em linhas isoladas é desonestidade, mas como eu disse, isso é mais que o normal por parte de proselitistas como vc.

    Joseph K respondeu:

    @Renato Cesar,

    Mas é óbvio que é de fontes secundárias, terciárias, quaternárias. E o kiko? Que diferença faz?
    Confiabilidade, coisa que os relatos dos evangelhos não têm: os autores pegaram o que queriam de diversas narrativas e criaram uma que fosse conveniente para eles.

    Jesus esta fazendo distinção entre o que se deve dar a Deus. Moeda é que não é.
    Não era uma pegadinha para que ele dissesse que o mundo era de deus, e ele se safou pela tangente, dizendo que o governo tinah direitos aqui, e deus não?

    Paulo está exatamente falando-lhes que devem seguir a Cristo, não a Paulo ou Apolo.
    Irrelevante. O fato é que ele trata Apolo como real, não como superstição mas… não era para só haver um deus?

    Tá lá onde? Cadê? Vc não mostrou. Posta aí.
    Além de não entender a resposta pronta que recebeu, no outro tópico, ainda é cego.

    De tempos em tempos passo por seu site, que tem muitas informações interessantes. Mas, este artigo, é um atentado ao bom senso.
    Atentado ao bom senso é acreditar em chuvaradas mágicas, Sol sambista e cobras falantes.

    Depois vejo os outros da sua saga contra Jesus.
    Saga contra gezuys? Onde? Quero um ingresso!

    Dá ibope né?
    Menos que ficar em igrejas ou TVs, contando lorotas a crentes crédulos.

  • Renato Cesar

    Sua objeções dentro da bíblia são infantis, inocentes. Nada de novidade. Não basta ler a bíblia para entendê-la.

    Quanto à historicidade de Jesus, vc bem que poderia aproveitar mais este tema e limitar-se a ele, excluindo esses pseudo-artigos e outros nos quais vc resolve dar uma de exegeta.

    Chega a ser engraçado pedir para provar que Jesus é o messias pela Bíblia. Posso mostrar. Textos não faltam. Mas vc pode reduzir meu trabalho observando as citações que os próprios evangelistas fazem do AT, assim como Paulo. Afinal, os evangelhos estão aí para mostrar que Jesus é o Messias.

    Em tempo.
    Vc questiona minha honestidade e de todos que se opõe a vc, mas não reconhece que fez uma pesquisa pobre ao escrever esse “artigo” (se é que pesquisou), que faz afirmações mentirosas, ao dizer que a Bíblia diz o que não está lá, sem se quer ter, em um dos casos, a referência por vc apontada e que enganou-se ao afirmar que Apolo era igual a Jesus, sendo que até mesmo Atos mostra que Apolo, assim como Paulo, era apenas pregador do evangelho (vc sabia disso?): At 18.24-25.

    Administrador André respondeu:

    Sua objeções dentro da bíblia são infantis, inocentes. Nada de novidade. Não basta ler a bíblia para entendê-la.

    A desculpa dos analfabetos.

    Quanto à historicidade de Jesus, vc bem que poderia aproveitar mais este tema e limitar-se a ele, excluindo esses pseudo-artigos e outros nos quais vc resolve dar uma de exegeta.

    Ok. Há provas sobre a existência dele? Não? Beleza, Jesus é fábula como Boitatá. Simples, não? 😉

    Chega a ser engraçado pedir para provar que Jesus é o messias pela Bíblia. Posso mostrar. Textos não faltam.

    O outro artigo refutou. Vai apelar pra quem? Josh McDowell?

    Mas vc pode reduzir meu trabalho observando as citações que os próprios evangelistas fazem do AT, assim como Paulo. Afinal, os evangelhos estão aí para mostrar que Jesus é o Messias.

    Ele não foi rei, não levou os judeus pra Israel e não trouxe nenhuma época de paz (muito pelo contrário, segundo ele mesmo).

    Vc questiona minha honestidade e de todos que se opõe a vc, mas não reconhece que fez uma pesquisa pobre ao escrever esse “artigo” (se é que pesquisou), que faz afirmações mentirosas, ao dizer que a Bíblia diz o que não está lá, sem se quer ter, em um dos casos, a referência por vc apontada e que enganou-se ao afirmar que Apolo era igual a Jesus, sendo que até mesmo Atos mostra que Apolo, assim como Paulo, era apenas pregador do evangelho (vc sabia disso?): At 18.24-25.

    Mimimimi.

    Thiago respondeu:

    @Renato Cesar,

    Olá Renato. Já que vc está disposto a provar que Jesus era o messias, vc pode me indicar no livro de Jeremias, onde se encontra a seguinte profecia messiânica citada por Mateus ?

    ”Então se realizou o que vaticinara o profeta Jeremias: Tomaram as trinta moedas de prata, preço do que foi avaliado, que certos filhos de Israel avaliaram,
    E deram-nas pelo campo do oleiro, segundo o que o Senhor determinou.” –
    / Mateus 27:9,10

    No aguardo. 😀

    Joseph K respondeu:

    @Thiago,
    Fica mais engraçado ainda quando o sujeito diz que a bíblia é ficção para, em seguida, ficar falando que fulano era o messias. É o mesmo que dizer que Harry Potter é ficção, mas que o Zé da Padaria é o verdadeiro bruxo do raio que o parta.
    Muito conveniente dizer que umas partes são lorotas, e escolher outras como sendo “verdadeiras”, sem qualquer critério além de ser o que querem.
    Ridículo.

    Thiago respondeu:

    @Joseph K,

    Pois é…A velha desculpa esfarrapada do ” apelo a metáforas, quando for
    conveniente”.
    Alguém precisa avisar ao gurí que ele não é o primeiro a usar esse tipo de bobagem por aqui. 🙄

    Joseph K respondeu:

    @Renato Cesar,
    Sua objeções dentro da bíblia são infantis, inocentes.
    O que não é inocente, de forma alguma, é o mal que esse monte de lendas mal contadas já causou: foi justificativa para a escravidão, para a segregação racial, para a intolerância e perseguição aos judeus e mortes inúmeras.
    Hoje, para não perder o hábito, é instrumento de cultura de preconceito.

    Nada de novidade. Não basta ler a bíblia para entendê-la.
    Isso é sua desculpa, para acreditar no que assume ser ficção?

    Quanto à historicidade de Jesus, vc bem que poderia aproveitar mais este tema e limitar-se a ele,
    Que historicidade, cara-pálida?
    Você mesmo afirma que era ficção, não biografia.

    excluindo esses pseudo-artigos e outros nos quais vc resolve dar uma de exegeta.
    Tá querendo que todos fechemos os olhos para o monte de merda sanguinolenta -e contradições narrativas- que existem nela? Bem que os crentes gostariam que todos acreditassem nisso.

    Chega a ser engraçado pedir para provar que Jesus é o messias pela Bíblia. Posso mostrar. Textos não faltam.
    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!
    Lá vem mais um crente digo, peixe, morrer pela boca.
    Vai lá, demonstre isso.
    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!
    Mais um.

    Mas vc pode reduzir meu trabalho observando as citações que os próprios evangelistas fazem do AT, assim como Paulo. Afinal, os evangelhos estão aí para mostrar que Jesus é o Messias.
    Ô filhote, você quer que os outros façam o serviço por você? Não seja preguiçoso, faça o trabalho completo.
    Poste aí as provas que o zumbi palestino é o messias.

    Em tempo.
    Vc questiona minha honestidade e de todos que se opõe a vc, mas não reconhece que fez uma pesquisa pobre ao escrever esse “artigo” (se é que pesquisou), que faz afirmações mentirosas, ao dizer que a Bíblia diz o que não está lá,

    E você finge que não viu as respostas, até deu uma de cego.

    sem se quer ter, em um dos casos, a referência por vc apontada e que enganou-se ao afirmar que Apolo era igual a Jesus, sendo que até mesmo Atos mostra que Apolo, assim como Paulo, era apenas pregador do evangelho (vc sabia disso?): At 18.24-25.
    Vai continuar fingindo que não viu a resposta?

    Nihil respondeu:

    @Joseph K, Aff!

    Jesus “histórico” está tanto para história quanto Design Inteligente está para biologia.

  • José Humberto

    Lealcy leia o livro Conversa Franca – Diálogos e contradições dos discípulos de Jesus. Editora Isis. Em muito reforçará seus entendimentos sobre a grande quantidade de contradições.

  • Os trabalhos de Israel Finkelstein