Eulogia a uma vítima de assassinato

Curto e grosso: Educação continua uma bosta, mostra IDEB 2017
Astronauta deixa todo mundo feliz ao enfiar o dedo no buraco

Eis-nos aqui. Era para ser um momento de celebrarmos, ainda com tristeza. Mas não há como. Não é uma morte que veio de causas naturais, a não ser que por “natural” você entenda o descaso patente de uma tribo burra, selvagem e ignorante. Um bando de incultos que não têm apreço pela Cultura. Ninguém pareceu se importar no estado até que as chamas irromperam. Séculos de escritos, documentos e pesquisas estão perdidos. Não adianta sequer imaginar a reconstrução física, pois o valor que lá tinha poderia ser alocado numa choupana que ainda assim seria inestimável. Talvez, numa choupana estivessem mais seguros.

Da minha janela eu vi arderem as estruturas, e vi também as chamas consumirem tudo lá. A sabedoria e cultura de vários povos virou cinza e se perdeu na suave brisa da noite, quando o Inferno parecia consumir tudo, tendo o próprio senhor do submundo decidido pela destruição irrestrita, mas eu bem sei que não foi ele. Foram homens. Simples homens mortais que pouco se importam com cultura e conhecimento, numa irresponsabilidade absurda.

Meus joelhos tremem, minhas pernas fraquejam, meus olhos marejam perante a perda incalculável que jamais poderá ser reposta.

Esta seria bem a reação de Cleópatra, quando numa brutal incompetência romana, foi ateado fogo em barcos egípcios e por causa do vento forte, as chamas chegaram até casas e armazéns, acabando por chegar até a Biblioteca de Alexandria. Isso segundo Lucano, mas há quem divirja disso, embora retrate a mesma selvageria incompetente dos governos do Brasil, culminando na destruição do Museu Nacional, no Rio de Janeiro. O lugar simplesmente foi a residência oficial da família real. O palácio imperial em Petrópolis é a residência de verão.

Desde sempre (e quando falo sempre, eu quero dizer exatamente isso, SEMPRE), o Museu Nacional sempre foi uma instituição deixada de lado. Nunca mereceu atenção nem de Dom Pedro II, que preferia ficar bundeando pela Europa. Depois da Proclamação da República, o Palácio da Quinta da Boa Vista também não era lá muito bem visto. Por isso que o Museu foi transferido para lá.

Nesses duzentos anos de abandono e desleixo, a catástrofe era mais que anunciada. O descaso era tão grande que o Museu chegou a ficar muito tempo fechado. Motio? Não pagaram os faxineiros. As instalações tinham muitos problemas. A fiação ainda é da década de 1940. Algumas alas sequer passaram fiação elétrica. Eu sei, eu trabalhei lá nos idos de 1990-1991. Olhando para as fiações tudo expostas e pedindo pelo amor de Amon-Rá para ter um curto e lamber tudo, eu só pensava numa possível rota de fuga.

Não era uma questão de SE, mas sim QUANDO. O “QUANDO” foi ontem. A perda, é eterna. Nisso, políticos oportunistas (desculpem o pleonasmo) estão bradando. Esquerda culpando Direita. Direita culpando Esquerda. Centro… bem, no Maniqueísmo Brasil isso não existe.

Culparam o PEC da responsabilidade fiscal, porque só no Brasil se acha uma boa ideia não controlar gastos, ou, como Manuela D’Ávila disse, quanto mais o governo gastar, mais ele arrecada, mostrando que pessoal de Humanas realmente tem problemas com Matemática Básica. Crivella se posicionou que fará de tudo para reconstruir o prédio, o mesmo disse Rodrigo Maia.

As duas MULAS não conseguem entender que o valor de um museu não é o prédio. O prédio é apenas UMA peça do museu, qualquer museu. O importante é o acervo, mas quando o único presidente a visitar o Museu Nacional foi Juscelino Kubischek, vemos o grande problema que existe na classe política: o entendimento que ciência e cultura não dão votos. Exemplo?


O voto dele vale tanto quanto o seu!

O brasileiro odeia Ciência. A própria UFRJ odeia Ciência, já que toda verba destinada ao Museu Nacional passa pelo crivo deles, que não se sentem na obrigação de repassar toda a grana. Quando eu trabalhei lá, foi aprovado verba para melhoria do Laboratório de Química. A grana foi liberada. Eu não vi dez centavos. Pagava a passagem do meu bolso ida e volta. Nada apareceu por lá. Cadê a grana. E quando vemos que a verba necessária seria de R$100 milhões para cuidar do espaço, mas a verba anual aprovada que o museu deveria receber da UFRJ era de R$550 mil, tendo recebido cerca de pouco mais de R$300 mil (TREZENTOS MIL REAIS!), entendemos quis os problemas. Só o Tedson ganhou 30 mil apenas para se deliciar com avantajados órgãos sexuais masculinos em banheiros públicos.

E não podemos esquecer da homeopatia pra vaca, gente ganhando verba para ver série entre outras loucuras. Para isso, dinheiro jorra!

Você queria doar dinheiro pro Museu Nacional? Não podia. Você pode fazer isso pro Smithsonian, pro Louvre, pra Harvard. No caso do Museu Nacional, você tinha que dar para a UFRJ, que deixava claro que não tinha obrigação de reverter o dinheiro. E cá pra nós, muitas instalações da própria UFRJ estão tão próximas de uma catástofre quanto o Museu Nacional estava.

A incompetência e desleixo no Museu eram tão absurdos que um dia eu cheguei lá e tinham roubado dois fardos de papel higiênico (cada fardo com 80 rolos) e até a privada. E eu com cara de “ué?”. Aliás, já no primeiro dia quando cheguei junto ao segurança e me apresentei dizendo que era o novo estagiário do laboratório.

– Pois não. Pode entrar.

Não pediu identificação nem nada. Apenas “pode entrar”. Fui, entrei e vi que a porta estava fechada. Voltei e expliquei.

– Ela está só encostada. Não tem fechadura. Basta empurrar!

O laboratório de Química era dentro do Departamento de Geologia e Paleontologia. Tudo o que não estava exposto estava ali, para ser estudado e catalogado. Posso garantir a vocês: o que estava exposto era dez por cento do acervo total.

– Pois não, pode entrar!

Certa vez, uma chuvarada desabou parte do telhado do Museu, alagando o setor das múmias. Tinha múmia boiando na água (juro!). O Louvre mandou especialistas para ajudar, por meio de uma empresa especializada a custo zero. Não aceitaram. Secaram as múmias com paninho e compraram Sterilair no Ponto Frio para colocar lá e secar as múmias.

Há 4 mil anos, você era um rei foda pra cacete ou um nobre com poder e influência. No século XX você é enxugado por dona Maria com um paninho comprado na mão de um camelô. Que decadência!

E, claro, não poderia esquecer da politicagem interna. Setores disputando entre si. Um dia eu estava trabalhando catalogando todos os reagentes. Chegou um cara se dizendo da Petrologia (petróleo). Conversa vai, conversa vem, ele me pergunta se eu não tinha interesse em mudar de departamento, mudando meu estágio para a Petrologia. Eu achei esquisito e desconversei. Quando (finalmente) chegou meu orientador do estágio, eu falei pra ele. A reação foi:

– FILHO DA PUTA! QUERENDO MEU ESTAGIÁRIO!

Amor a mim? Não. Estagiário implica em motivo pra pedir verba.

Ah, eu falei que larga maioria dos PhDeuses de lá não ia trabalhar, só os estagiários? PhDeuses só apareciam lá no dia 30 para assinar o ponto do mês. No fim, eu mesmo acabei o meu estágio. Não ganhava nada, não aprendia nada. Ficava muito mal fazendo umas soluções para de vez em nunca. Só foi legal pelos livros que eu lia lá no escritório. Teve até a vez que a faxineira colocou a cabeça para dentro da sala (do chefe do departamento de Geologia) e perguntou se aquela sala era usada. E respondi que sim.

– Ah, eu nunca vi aberta. Passarei a recolher o lixo, então.

Há muito mais a ser dito, mas não teria como fazê-lo sem apontar nomes e isso daria muitos problemas. O Museu encontrou seu óbito, vários foram seus algozes. A população? Também tem sua parte ao eleger políticos que estão pouco se lixando para cultura, já que a própria população ignorante e inculta acha que é desperdício de dinheiro.

Descanse em paz, Museu. Você não mereceu o fim que teve, pois você não morreu. Foi assassinado! Ardeu numa pira grega, mas sem verba suficiente para dar as duas moedas ao barqueiro Caronte, não podendo cruzar para o mundo dos mortos, tendo que vagar pelo Infinito da Desesperança. Os murais de Pompeia que sobreviveram a explosão violenta do Vesúvio não resistiram ao ódio patológico que o Brasil nutre por Ciência.

Descanse em paz, amigo. Eu também deveria ter feito algo. Pelo menos, deixe-me terminar com a homenagem de quem lhe achou especial:

Curto e grosso: Educação continua uma bosta, mostra IDEB 2017
Astronauta deixa todo mundo feliz ao enfiar o dedo no buraco

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!