Tag Archives: mundo antigo

Cientistas investigam as pistas de antigos assassinatos

O dia amanheceu nublado, escuro. A vítima estava se dirigindo a esmo, no máximo, procurando um lugar para fazer uma refeição ou, simplesmente, vagando, como seria seu direito, segundo pensava. Mas ela estava errada. O assassino frio e sanguinário estava à espreita. Começou a chover, mas a vítima pareceu não se dar conta disso. O que passava pela sua mente, não se sabe, jamais saberemos. Seu algoz estava pronto para atacar. Ele era mais rápido, mais forte, mais voraz. Foi tudo muito rápido; a vítima sequer teve conhecimento do que estava acontecendo, até o golpe final. A morte lhe veio rápido, como se a ira de algum deus caísse como uma tormenta, cujo assassino era um monstro impiedoso.

Hoje, nós conseguimos estudar o que houve. Evidências geológicas nos dão pistas fósseis de coo os queridinhos trilobitas eram maníacos psicopatas. Ou então é a Natureza, mesmo, que os vegans insistem em dizer que é perfeitinha e que os bichinhos são que nem os desenhos da Disney.

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Desvendando os segredos da Praga de Justiniano

O sinistro poder está à espreita. O poder que não tem paixão alguma, amor ou simples complacência. Durante o reinado do imperador Justiniano, (entre 541 e 542 da Era Comum), uma verdadeira praga assolou todo o império romano oriental. O número de mortes, de acordo com o relato de Procópio de Cesareia, chegou a 10 mil pessoas e 10 mil pessoas já é muita gente hoje, ainda mais no século VI. Ela teria começado em Pelusium, perto de Suez, no Egito.

Hoje, cientistas tentam entender o que aconteceu, por que aconteceu e se pode acontecer de novo.

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

O mais longo aqueduto subterrâneo do mundo antigo

Os engenheiros romanos escavaram um aqueduto através de mais de cem quilômetros de pedra para levar água a cidades da antiga província da Síria. O esforço monumental levou mais de um século, diz o pesquisador alemão que descobriu o aqueduto. Clique na imagem para ampliar (o círculo vermelho mostra alguns ridículos exemplares de animais mamíferos da ordem dos Primatae).

Quando os romanos não estavam ocupados conquistando território de seus inimigos, adoravam gastar imensas quantidades de água, que gorgolejava e borbulhava por todas as suas cidades. Os engenheiros do império inventaram encanamentos padronizados, aquedutos tão altos quanto fortalezas, e canos com 15 bares (153 toneladas por metro quadrado) de pressão.