mar 13

Esqueça a sua casa. Esqueça o seu computador, celular, tablet ou mesmo fogão e geladeira. Pense que você está lá nos confins esquecidos da África, ou num lugar sem saneamento básico, como os 80% dos municípios do Ceará. Pense que o máximo de desenvolvimento tecnológico desses lugares é o uso do fogo. Pene no que é um médico ir nesses lugares, sem poder fazer um diagnóstico mínimo, já que não pode ter um laboratório perto, sem nem um microscópio. Agora pense que ainda temos a Ciência, e a Ciência existe para resolver estes problemas.

Usando inteligência e criatividade, pode-se fazer qualquer coisa. Até mesmo um microscópio de dobradura.

Clique aqui para ler o restante deste artigo »

mar 06

A mulher em pânico é trazida para a enfermaria. Ela lutava, mesmo com sua enorme barriga, prestes a dar a luz. Ela se recusa a entrar e a enfermeira passa trabalho para contê-la. Outra enfermeira chega, mas a mulher escapa e se ajoelha perante o homem que está à sua frente. Ela não quer morrer. O homem se abaixa e pergunta o que houve e a mulher explica que ficar ali era o mesmo que ganhar uma sentença de morte. Ele lhe diz que na outra enfermaria não havia mais espaço, mas que ele faria de tudo para que ela e o bebê não sofressem nenhum mal.

O homem alto e calvo não conseguiu cumprir sua promessa. A mulher morreu de febre puerperal, o homem ficou no canto, consternado por não ter cumprido sua promessa, mas seu legado contaria uma história diferente. Este homem era Ignaz Semmelweis

Clique aqui para ler o restante deste artigo »

ago 10

A mulher no leito do hospital está em seus últimos momentos. Ela chega ao fim, totalmente anônima. É apenas mais uma mulher negra e ninguém dá bola para mais uma mulher negra enferma, pois estamos falando dos Estados Unidos na década de 1950. Mas aquela mulher será especial e todos os cientistas a conhecerão. Ela ajudará a milhões de pesquisas no mundo todo, terá participação ativa na descoberta de remédios, vacinas e até mesmo no programa espacial. Aquela mulher que dentro de poucos minutos encontrará os braços da morte será a responsável por muitos abraçarem a vida, pois suas células viveram por décadas e mais décadas, pois Henrietta Lacks não é nem foi um personagem de quadrinhos, mas suas células são imortais.

Clique aqui para ler o restante deste artigo »

jun 12

Longe de ser uma cor que as mulheres inventaram, o coral é um animal, metazoário, cnidário e ainda por cima da classe Anthozoa (e nem todos os corais são "corais"). O coral é formado um grupo de muitos organismos geneticamente idênticos, multicelulares conhecidos como "pólipos". Estes pólipos constroem um exoesqueleto, tão amado por surfistas que ousam se aventurar em Queensland (só que não). O que não se sabia direito é como os corais produziam aquele exoesqueleto. Pelo menos, até agora.

Clique aqui para ler o restante deste artigo »

mar 19

O preço da liberdade é a eterna vigilância e nem mesmo carrapatos estão livres para fazerem o que quiserem em pleno anonimato. Enquanto paparazzis ficam tomando conta da vida alheia e saber quem atravessa a rua de modo pensativo, cientistas preferem saber o que criaturinhas pequenas (e com QI semelhante ao de algumas subcelebridades) andam fazendo por aí e como elas se comportam mediante a observação num microscópio eletrônico.

Como os animais utilizados não são peludinhos nem fofinhos,  e sim carrapatos fedorentos da espécie Haemaphysalis flava, o pessoal Vegan não está nem aí e o PETA não deu a menor bola, afinal até mesmo eles acham que carrapatos são algo que só existe para sentarmos o sapato em cima.

Clique aqui para ler o restante deste artigo »

fev 27

Se algo ainda coloca moral nesse mundo é ele: o único e verdadeiro deus (Hades). Infelizmente, Hades saiu para desfilar na Unidos do Cabuçu (vai, pergunta) e deixou o carnaval sob o controle de Momo. Passado a festança, Momo embolsou a chave da cidade do Rio (que poderá ser readquirida na rua Uruguaiana, a preços módicos) e picou a mula; nisso, o Universo ficou a cargo de algum estagiário e estamos vendo o resultado agora.

Um grupo de velhinhas resolveu "comer deus" (no bom sentido, se é que há algo de bom nisso). A farinha estava batizada com algo du-bão e as tias surtaram bonito, querendo inclusive passar o rodo no padre. Divertimento maior não se via desde que Torquemada era carnavalesco.

Clique aqui para ler o restante deste artigo »