Grandes Nomes da CIência

Biografias de cientistas conhecidos ou não tão conhecidos assim. Curiosidades e fatos sobre suas pesquisas, inclusive gente anônima que fez ciência e não recebeu os devidos créditos. Mais »

Livro dos Porquês

A sabedoria e o conhecimento. Isso é Poder! Abra sua mente, aprenda mais sobre questões básicas (e complexas) e tire suas dúvidas, de forma mais didática possível, sem ser aquelas aulas chatas de colégio. Mais »

Grandes Mentiras Religiosas

O mundo não é tão bizarro quanto fazem parecer. Mentiras e enganações para ludibriar as pessoas, lindamente desmontados, de forma a trazer à luz a desonestidade para tentar lhe fazer parar de pensar e simplesmente aceitar o que querem que você pense. Mais »

Caderno dos Professores

Para quem quer ensinar e muitas vezes se pergunta como abordar um tema. Como deixar a aula interessante, como levar conhecimento aos seus alunos por meios que pedagogos lhe odiarão, mas serão amados pelos estudantes. Mais »

 

Porque Darwin rejeitou o Design Inteligente

Um dos sinais de uma teoria científica verdadeiramente revolucionária é o fato de demorar muito para ser aceita pela maioria das pessoas. Foi apenas recentemente que o Vaticano admitiu ter errado na infame condenação a Galileu, em 1633, por sua defesa da teoria de que a Terra gira em torno do Sol. Do mesmo modo, hoje, 150 anos após primeiro serem publicadas, as teorias de Charles Darwin continuam a suscitar hostilidade em muitos países, devido à rejeição por Darwin da idéia de que a vida manifesta um propósito inteligente.

É irônico o fato de que o próprio Darwin, em certa época, esteve fascinado pela teoria de que todas as espécies surgem em função de um design inteligente -a mesma teoria que, mais tarde, ele procurou eliminar da ciência em seu livro “A Origem das Espécies” (1859).

Popularizada no século 17, essa doutrina buscava unir uma celebração da obra de Deus com o estudo da ciência. Esses argumentos alcançaram seu ápice nos escritos do reverendo William Paley, que expôs suas idéias em “Teologia Natural” (1802). As muitas provas que ele apresentou em favor do design inteligente fascinaram e convenceram o jovem Darwin.

O que desencadeou a dramática mudança de opinião de Darwin em relação à origem das espécies foi a viagem de cinco anos que ele fez em volta ao mundo no navio “HMS Beagle”, e, especialmente, sua visita de cinco semanas às ilhas Galápagos em setembro e outubro de 1835. Reza a lenda que Darwin converteu-se à teoria da evolução durante essa visita breve, vivendo algo como um momento “eureca!”. A história real da conversão de Darwin, que só se deu um ano e meio mais tarde, após seu retorno à Inglaterra, nos diz muito mais sobre como a ciência é feita de fato, especialmente sobre como a teoria guia a observação e prepara a mente e como é necessária persistência obstinada para transformar teorias controversas em fatos aceitos.

Durante a permanência de Darwin nas Galápagos, a teoria criacionista o preparou para aquilo que ele observou e compreendeu nas ilhas. Essa teoria também ditou o que ele deixou de observar e compreender. Num primeiro momento, ele esforçou-se com diligência para conciliar com o paradigma criacionista as criaturas novas e estranhas que encontrou naquele arquipélago isolado. Segundo essa teoria, diferentes “centros de criação” explicavam por que a flora e a fauna da Terra diferiam de uma região a outra -ou de um continente a outro. Darwin ainda não se dera conta de que uma parcela do planeta tão minúscula quanto o arquipélago de Galápagos poderia ser, ela própria, um “centro de criação”.

Certos fatos inesperados relativos a Galápagos solaparam a credibilidade de qualquer explicação criacionista daquilo que Darwin, mais tarde, descreveria como “o mistério dos mistérios -o primeiro surgimento de novos seres nesta terra”. Em particular, várias espécies distintas evoluíram ao longo do tempo em cada uma das ilhas do grupo das Galápagos, de acordo com o povoamento dessas ilhas por colonos ocasionais que ali conseguiram chegar desde a América Central ou do Sul. Darwin foi alertado para essa possibilidade pelo vice-governador das ilhas, Nicholas Lawson, que insistiu que “as tartarugas das diferentes ilhas diferem entre elas, e que ele poderá perceber com certeza de que ilha qualquer uma for trazida”.

Num primeiro momento, Darwin não deu atenção às observações de Lawson, ainda tendo a mente dominada pela teoria criacionista. Ela dizia que as espécies podem modificar-se, e se modificam, reagindo aos ambientes locais. Como um elástico que resiste ao ser esticado, qualquer modificação do tipo específico e supostamente imutável que fosse verificada entre as variedades era vista como desvio temporário.

Devido à sua visão criacionista, durante sua estadia nas Galápagos, Darwin não coletou um espécime sequer de tartaruga-gigante para finalidades científicas. Em vez disso, as 48 tartarugas capturadas pelo Beagle na ilha de San Cristóbal foram mais tarde comidas por Darwin e seus companheiros de navio, sendo suas carapaças atiradas ao mar.

Essa mesma mentalidade criacionista ajuda a explicar porque, num primeiro momento, Darwin deixou de compreender o mais célebre exemplo das Galápagos da evolução em ação: os famosos tentilhões de Darwin.

Quatorze espécies de tentilhões se desenvolveram nas Galápagos a partir da forma ancestral encontrada nas Américas Central e do Sul. Nos últimos 2 milhões de anos, esse processo de evolução resultou numa radiação adaptativa tão impressionante em nichos ecológicos diversos que algumas dessas espécies não se parecem com tentilhões típicos. Num primeiro momento, Darwin pensou que algumas delas nem sequer fossem tentilhões.

O caso dos tentilhões-das-galápagos confundiu Darwin a tal ponto que, no momento em que capturou os pássaros, ele não se deu conta de que todas as espécies eram estreitamente aparentadas ou que o número de espécies em um grupo de aves poderia resultar do fato de elas terem evoluído em ilhas diferentes. Por isso, ele não fez qualquer esforço para classificar suas coleções ornitológicas por ilha -um erro que lamentou sinceramente mais tarde.

Darwin tampouco teve a oportunidade de observar esses tentilhões de maneira suficientemente detalhada para aperceber-se de que os tamanhos e formatos de seus bicos guardavam relação estreita com suas dietas -um “insight” importante que a lenda equivocadamente lhe atribui.

Apesar de ter estado armado de uma teoria inadequada durante sua estadia em Galápagos, Darwin era um naturalista bom demais para não observar que os quatro espécimes de “mockingbirds” que coletou, cada uma de uma ilha diferente, ou eram variedades ou espécies distintas. Não sendo ornitólogo, Darwin não sabia ao certo como interpretar essa anomalia. Em julho de 1836, nove meses após sua visita às Galápagos, ele refletiu sobre o caso dos “mockingbirds” e recordou o que lhe tinha sido dito sobre as tartarugas:
“Quando vejo essas ilhas visíveis umas desde as outras e possuindo apenas uma quantidade escassa de animais, habitadas por essas aves mas ligeiramente distintas em sua estrutura e ocupando o mesmo lugar na natureza, devo suspeitar de que são apenas variedades … Se existe fundamento para essas observações, então a zoologia dos arquipélagos valerá a pena ser examinada, pois tais fatos enfraqueceriam a estabilidade das espécies.”

A chave para interpretar esse trecho célebre -que aventa a revolução darwinista mas em seguida afasta-se dela- está na frase “devo suspeitar de que são apenas variedades”, premissa que Darwin compreendia ser plenamente coerente com a teoria criacionista.

O que o impedia de dar o passo crucial da ortodoxia científica para a heterodoxia era a ausência de informações sobre a classificação ornitológica correta, algo que só lhe estaria disponível após seu retorno à Inglaterra.

Darwin retornou à Inglaterra em 2 de outubro de 1836. Três meses depois, deixou suas coleções de aves com John Gould, ornitólogo da Sociedade Zoológica de Londres. Gould imediatamente se deu conta da natureza extraordinária dos espécimes colhidos por Darwin nas Galápagos. Em março de 1837, Gould informou Darwin de que três de seus quatro espécimes de “mockingbird” eram espécies distintas, até então desconhecidas da ciência. Gould também informou a Darwin que sua coleção incluía 13 ou possivelmente 14 espécies de tentilhões muito incomuns. De repente, após as análises taxonômicas de Gould, as Galápagos se haviam convertido num “centro de criação” distinto.

As conclusões de Gould parecem ter deixado Darwin estarrecido. Ele rapidamente se deu conta de que, se Gould estivesse certo, a barreira entre as espécies distintas tinha sido de alguma maneira rompida por esses pássaros, isolados nas diferentes ilhas. A evolução gradual graças ao isolamento geográfico era a única explicação plausível, a não ser que se pensasse que Deus, como um jardineiro obsessivo-compulsivo, tivesse ido de uma ilha a outra no arquipélago, caprichosamente criando espécies separadas mas estreitamente aliadas, com a intenção de ocupar os mesmos nichos ecológicos.

Reforçado por uma perspectiva evolutiva da natureza, Darwin foi capaz de enxergar os tentilhões sob uma ótica radicalmente nova. Apenas agora ele passou a compreender a extensão de seu descuido anterior, quando deixou de rotular por ilha a maior parte das aves que trouxera das Galápagos.

Felizmente, Darwin sabia que três outros colecionadores que tinham viajado no Beagle (o capitão FitzRoy entre eles) também tinham coletado espécimes. E todos esses espécimes tinham sido rotulados segundo a ilha de sua procedência. É sintomático que tenham sido os não-cientistas do Beagle, que não eram movidos por uma teoria, como Darwin, que registraram as evidências científicas que Darwin, partindo de uma abordagem criacionista, havia visto como sendo supérfluas.

Darwin passou a entender que o isolamento geográfico era uma parte crucial da resposta quanto a como as espécies se transformam no decorrer o tempo. Mas o isolamento, por si só, não bastava para explicar as adaptações das espécies a seus ambientes locais.

Malthus explica

Depois de estudar e rejeitar uma série de hipóteses, Darwin, em setembro de 1838, leu por acaso a edição de 1826 de “Ensaio sobre o Princípio da População”, de Thomas Malthus. Este argumentava que as populações têm a tendência inata a crescer geometricamente. Na natureza, porém, a oferta de alimentos é limitada, de modo que a maioria da prole não sobrevive, sendo morta por predadores, fome e doenças.

Ao ler o livro de Malthus, Darwin se deu conta imediatamente de que, na eterna luta pela sobrevivência, variações ligeiras benéficas tenderiam a ser naturalmente selecionadas, levando à sobrevivência maior e, com isso, a um aumento nas características adaptativas, do mesmo modo em que o criador de animais domesticados obtém características desejadas selecionando as qualidades valorizadas nos animais. “Aqui, então, finalmente encontrei uma teoria com a qual trabalhar”, observou Darwin em sua “Autobiografia”. Ali, também, estava uma resposta digna de crédito a William Paley. Darwin percebeu que a seleção natural não era outra coisa senão o “projetista” de Paley.

Olhando através da lente poderosa da evolução pela seleção natural, Darwin então começou a reexaminar as premissas básicas do criacionismo e a comparar as previsões que se fariam com base nessas duas teorias radicalmente distintas.

Quanto mais extenso se tornava seu reestudo, mais ele foi compreendendo que o design inteligente era contradito de maneira avassaladora pelas evidências disponíveis. A reavaliação feita por Darwin atingiu seu ápice 22 anos mais tarde com “Sobre a Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural”, livro que o próprio Darwin descreveu, corretamente, perto de seu final, como “um só longo argumento”. Era igualmente um argumento contra o criacionismo e, especialmente, contra o design inteligente.

As evidências relativas à distribuição geográfica, especialmente das ilhas oceânicas e suas relações biológicas com os continentes mais próximos, desempenham papel substancial no argumento de Darwin.

As ilhas Galápagos, por exemplo, abrigam várias espécies de animais e plantas estreitamente aparentadas com as do vizinho continente americano; no entanto, as características ambientais dessas ilhas não se assemelham em nada às das partes mais próximas do continente, que são tropicais.

Contrastando com isso, o árido ambiente vulcânico das Galápagos se assemelha estreitamente ao das ilhas de Cabo Verde, a 650 km da África. No entanto, a flora e a fauna de Cabo Verde guardam mais semelhança com espécies que vivem no continente africano, não com as das Galápagos. Por que um possível projetista inteligente, indagou Darwin, colocaria dois carimbos criativos completamente diferentes -um africano e outro americano- sobre espécies que vivem em ambientes quase idênticos e ocupam nichos ecológicos semelhantes? Não fazia sentido.

Como Darwin trabalhou durante 20 anos sobre rascunhos da obra que acabaria virando “A Origem das Espécies”, ele conseguiu explicar o mundo natural de uma maneira como ninguém nunca fizera antes. Em última análise, o que sua transformação de criacionista em evolucionista revela sobre ela -e sobre a ciência, de modo mais geral- é que a melhor ciência é feita a serviço de uma teoria realmente boa.


FRANK J. SULLOWAY é historiador da ciência, estudioso de Darwin e professor visitante do Departamento de Psicologia da Universidade da Califórnia em Berkeley. Em 1968, refez a viagem do Beagle para produzir um documentário. Este texto foi primeiro publicado, em formato diferente, pela Vintage Books em “Intelligent Thought”, editado por John Brockman

  • Fatima

    Olá, boa-tarde!

    Há tempos foi lançado um documentário ‘Galápagos, além de Darwin’ muito interessante, Vale a pena dar uma olhada.

    Abraços!

    Eu respondeu:

    Esse livro é muito bom (e bem recente):

    http://press.princeton.edu/titles/10282.html

  • gabi-pinguim

    Excelente texto!

  • O design inteligente, se fosse a explicação mais correta, só deixaria claro que a inteligência criadora é sádica, estúpida, insensível e com um péssimo senso de humor. Toda a suposta criação não passa de um disperdício enorme de energia, fadada ao esgotamento… sinceramente, a suposta ordem e planejamento perfeitos não resistem à observação cuidadosa:???:

    malditos mamilos masculinos 👿

    Ludwig Helenus respondeu:

    Correção, caro Amadeus XIII

    “malditos mamilos masculinos ”

    Não deveriam os mamilos serem retirados, mas sim aproveitados.
    Pense : Há uma gama de pessoas (do sexo feminino) que sofrem de algumas disfunções para a amamentação. Se não só as fêmeas pudessem amamentar, poderíamos resolver este problema. Sem falar que tornaria muitos machos (idiotas nojentos…ops) da nossa espécie mais sensíveis e compassivos (não pensando besteira), normalmente tornaria o sexo masculino mais dignamente humano e fraternal, possivelmente menos preconceituoso e misógino.

    Daria-se através destes aspectos motivos suficientes baseados nestas provas para a (finalmente) democratização da sociedade humana, a eliminação de tabus (como “homem não chora”, “homem é duro”) e consequentemente fortaleceria uma sociedade sem preconceitos para com mulheres e homoafetivos.

    Aliás, a evolução não estaria cometendo nenhuma coisa errada.
    Afinal, existem seres andróginos, assexuados e até convívios homoafetivos em demais espécies vivas no planeta.
    Sem falar que também há cruzamentos entre espécies que geram híbridos estéreis.

    Vamos abrir a mente (sem preconceitos) e finalmente pensar.

    É pensando que se constrói um mundo mais justo e melhor.
    Um mundo mais fraterno e pacífico.

    Abraços.

  • gil ravena

    Muito bom o texto sobre Darwin,sem sombra de dúvida um dos maiores gênios, que felizmente, só fui ler a respeito dele muito tarde,mas agora eu estou lendo a sua biografia; escrita por (desmond e moore), fascinante, e´sem duvida um livro “obrigatório”, para quem quer entender um pouco sobre a vida desse ciêntista!

  • jorio eduardo

    Eu procuro entender a natureza para além do que consideramos bem ou mal. Acho que a natureza produz tudo que tiver em sua potência e não apenas as coisas que poderão agradar ou nos desagradar.
    Aparentemente, para cada coisa que a natureza produz, ela parece poder produzir outra mais forte, ou mais estável…
    parece ser algo intrínseco à natureza produzir numerosíssimas formas de numerosas maneiras. A seleção natural é uma consequência inevitável da incessante produção natural e das relações complexas entre seres vivos,geologia,fauna e flora. abrs.

  • Lauro Neto

    Darwin eliminou a ideia de DI no livro A Origem das Espécies? Como assim? Vocês ao menos leram o livro? Ele claramente dá toda autoridade dos processos da evolução ao “Criador”. Nesse termo exatamente. Agora imaginem Darwin analisando hoje em dia os processos moleculares, o sistema informacional contido no DNA e por ai vai. Sabemos que a ideia de célula naquela época era simplista, infinitamente menos complexa do que sabemos que é. Inclusive Darwin cita em AODE que processos dessas proporções colocariam sua teoria em cheque (Não a teoria da evolução, mas sim a da ORIGEM das Espécies).

    Pryderi respondeu:

    Foi isso que vc aprendeu na sua igreja?

    Lauro Neto respondeu:

    kkkkk Que graça..
    Não amigão. Foi através do livro dele mesmo.

    Pryderi respondeu:

    Crentinho analfabetinho deveria LER antes de postar scans (que não foi você quem tirou) ao invés de passar vergonha

    Lauro Neto respondeu:

    PAgina 201 e 202

    Lauro Neto respondeu:

    Corrigindo: Inclusive Darwin cita em AODE que processos dessas proporções colocariam
    sua teoria em cheque (Não a teoria da evolução, mas sim a da ORIGEM ALEATÓRIA, SEM PROPÓSITO E SEM INTENÇÃO OU INTELIGÊNCIA das
    Espécies).
    Mas mesmo assim isso só serviria para os Darwinistas modernos, pois como eu disse, Darwin creditava tudo ao “Criador” independente das comprovações de sua teoria.

    Pryderi respondeu:

    Estas leis, no sentido mais lato são a lei do crescimento e reprodução; a lei da hereditariedade que implica quase a lei da reprodução; lei da variabilidade, resultante da ação direta e indireta das CONDIÇÕES DE EXISTÊNCIA, do uso e não uso; a lei da multiplicação das espécies em razão bastante elevada para trazer a LUTA PELA SOBREVIVÊNCIA, que tem como CONSEQUÊNCIA A SELEÇÃO NATURAL, que determina a divergência de caracteres, a extinção de formas menos aperfeiçoadas

    Crentinho analfabetinho.

    Leandro Bueno respondeu:

    Todo religioso é alienado

    Leandro, o Almeida respondeu:

    Mas meu filho, ao usar a expressão seleção natural, Darwin já tencionava excluir a idéia de um desenho ou de uma causa final. Du’h!
    Leia os outros livros dele e vc irá ver que ele realça essa oposição ‘aleatoriedade vs propósito’