Pepinos no Espaço nos ajudam a entender plantas

O Maléfico YouTube e os mimizentos de plantão
Feliz Natal com Voz dos Alienados 93

Japoneses são muito estranhos, mas é inegável a competência deles em tampar buraco e consertar estradas. Brasileiro, em contrapartida, só é mestre em levar o país pro buraco. De qualquer forma, nossos amiguinhos nipônicos estão bem de olhos abertos para a questão do meio ambiente. Para tanto, eles querem entender mais sobre plantas. Por isso eles estão cultivando pepinos… no espaço.

Só falta o filme Gojira x Cucumber in Space!

Hideyuki Takahashi é músico. Ele é membro do Project.R e fez sua estreia lá cantando o tema de abertura do Engine Sentai Go-Onger e, mais recentemente, os temas do Tokumei Sentai Go-Busters, séries da linha tokusatsu.

Claro, isso não tem nada a ver com pepinos (acho) e muito menos com pesquisas biológicas!

No caso, o Hideyuki Takahashi certo é o pesquisador do Laboratório de Adaptação Biológica e Espaço do Departamento de Ciências da Vida e Meio-Ambiente, pertencente à Divisão de Ecologia Genética da Universidade de Tohoku. Diz-se nos corredores do departamento que ele ainda tem uma cápsula beta.

O dr. Takahashi adora plantas e quer entendê-las. Para isso ele precisa compreender mediante fatores ambientais. Dá pra separar as mudas em diversos ambientes, mas um detalhe físico não é possível aqui na Terra: Microgravidade. Sendo assim, o pessoal da Terra do Sol Nascente mandou umas sementes de pepinos para a Estação Espacial Internacional.

Plantas são foda e se adaptam muito bem em diversos ambientes, nem que sejam selecionadas de forma absurda. Não importa, a vida do reino Plantae sempre dá um jeito.

Existe um fenômeno chamado geotropismo. Se você estudou num colégio decente, você sabe o que é: quando uma planta procura a terra. É por causa da gravidade? Talvez. A terra sempre está pro lado de baixo, certo? Não é bem assim. Isso aliado ao fato de, em caso de necessidade, raízes produzem células especializadas para maximizar a captura de nutrientes e redistribuir hormônios por toda a planta levando em conta a gravidade local.

Mesmo porque, substâncias não pegam metrô para trafegarem por dentro de um ser vivo. É preciso toda uma logística bioquímica, em que a Gravidade é uma força fraca, mas FDP que tenta te sacanear, mas a Rainha Vermelha não quer saber disso.

Tudo muito bom, tudo muito legal, mas como diabos isso acontece? Foi por causa disso que resolveram lançar Pepinos no Espaço (dá um título de filme B muito legal). Mas por que pepinos? Bem, não foram só eles; mandaram também melões, e abóboras. Motivo? Eles apresentam protuberâncias. Japoneses adoram protuberâncias, principalmente botânicos e agrônomos. Deve ser alguma coisa com relação a tentáculos. Sei lá.

Essas protuberâncias buscam o terreno e se postam na terra para manter a planta firme, e de maneira eficaz para distribuir substâncias químicas. Divinamente planejado? Não, filho, 2,5 bilhões de anos de tentativa e erro!

Takahashi e seu pessoal usaram uma técnica de coloração para identificar mudanças no comportamento celular induzida pela gravidade, dando um look para as seções transversais das mudas sob um microscópio e descobriram que a proteína CsPIN1 pode relocalizar sob a influência da gravidade.


Mudas de pepino desenvolvendo uma radícula no lado inferior da zona de transição entre hipocótilo e raiz. O pino mantém o revestimento de sementes enquanto o hipocótilo se alonga para puxar os cotilédones.

Em outras palavras, esta proteína é sensível à Gravidade e trabalha na facilitação do transporte das hormonas de crescimento, tendo sido detectada por marcadores químicos por coloração.

Pessoal do Taka viu que esta alteração na posição da proteína ocorreu na chamada “zona de transição” da plântula de pepino, a área entre o caule e as raízes onde as cavilhas se desenvolvem. Além disso, parece que este comportamento estimula a formação de um canal celular capaz de transportar hormônios de crescimento de um lado desta zona para o outra.

Achou pouca informação? Ótimo, olha a sua sorte! Você poderá ler o artigo completo do dr. Takahasi que foi publicada no Nature Microgravity

Tentáculos não inclusos, mas tem pepino. Divirtam-se!

O Maléfico YouTube e os mimizentos de plantão
Feliz Natal com Voz dos Alienados 93

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!