CSI Pleistoceno: desvendando crimes mais velhos que sua avozinha

Dar choque na cabeça pode melhorar sua esquizofrenia
Castigo vem a cavalo e Megatron vem numa cheetah

O que a História esconde de podre? Criminosos saem impunes, sem que a Justiça saiba? Às vezes, sim, mas sempre pode-se descobrir crimes que ocorreram há muito tempo, mesmo que os criminosos tenham escapado ao longo braço da Lei.

Há 435 mil anos, antes da Terra e o Universo serem formados (se você for fundamentalista), um crime teve lugar no que hoje chamamos "Espanha", mais especificamente em Sima de los Huesos. O que aconteceu? O que a Ciência tem a dizer? Quais os recursos que os detetives do século XXI tem disponíveis? Terá sido aliens?

Sima de los Huesos fica no sítio arqueológico de Atapuerca, na província de Burgos, Espanha. Em 1992 foram encontrados vários crânios, entre eles famoso crânio número 5, batizado com o nome de Miguelón em honra de Miguel Indurain. O local é um dos principais sítios arqueológicos para estudar evolução humana.

Algumas caveiras (que não necessariamente se amavam) foram encontradas lá com vestígios de violência, já que as pessoas não mudaram muito com o passar dos milênios, mesmo sem ser "pessoas" como podemos definir hoje. O que eu quero dizer é que não eram Homo sapiens, mas ainda assim eram hominídeos, e a bagaça andou esquentando lá por aquelas bandas na referida época.

17 crânios foram recuperados, datando do Pleistoceno Médio. Se você viu Bones alguma vez, sabe o que é uma fratura perimortem (ocorrendo simultaneamente com a morte do indivíduo).

O dr. Rolf Quam, professor da Faculdade de Antropologia da Universidade de Binghamton, estudou o caso. As evidentes fraturas sobre o osso frontal foram interpretadas como tendo sido produzidas por dois episódios de trauma contundente localizado. Em outras palavras, o cabra tomou duas porradas na cabeça, bem na testa, um pouquinho pro lado esquerdo.

O tipo de lesão, a sua localização, a forte semelhança das fraturas na forma e tamanho, e as diferentes orientações e trajetórias implícitas das duas fraturas sugerem que eles foram produzidas com o mesmo objeto num conflito interpessoal e ZZZZZZZZZZZZzzzzzzzzzzz.

Saindo do resumo do artigo publicado no Plos One, temos um trabalho que requereu a reconstrução de 50 fragmentos. Imagens tridimensionais desses fragmentos remontados foram criadas para examinar aquele quebra-cabeças (DSCLP), mostrando que nenhuma das fraturas tinha sinais de cicatrização, o que leva a crer que a porrada matou o sujeito.

Assim, vemos como podemos usar modernos conhecimentos pra solucionar crimes. Não que faça alguma diferença para a vítima, é claro, mas isso diz muito sobre nós mesmos, exercita nosso intelecto e descobre-se mais sobre os povos que viviam naquela época, em vários lugares.

Dar choque na cabeça pode melhorar sua esquizofrenia
Castigo vem a cavalo e Megatron vem numa cheetah

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • Filipe Bello

    Ahá! os religiosos estão certos, sem deus as pessoas podem cometer todo tipo de crime e saírem impunes!

    Dih Borba respondeu:

    E disse Datena:
    (…)não é possível, isso é ausência de Deus, porque nada justifica um crime como esse(…)

    Filipe Bello respondeu:

    Considerando que deus ainda não tinha sido inventado quando esse crime aconteceu, o Datena estava certo.

  • Danilo Santos

    Ainda preservamos esse comportamento tão antigo. Será que a evolução será capaz de suprimi-lo? Ou será que continuaremos com ele para sempre, até o dia do arrebatamento?

  • Pingback: O mais velho entre os mais velhos neandertais | Ceticismo.net()