Grandes Nomes da Ciência: Iberê Thenório

Dia do ENEM: Mais um Dia da Vergonha Alheia
Quando, onde e como os insetos dominaram o mundo?

Hoje, eu vou trazer pra vocês uma amostra como YouTube não é apenas gente idiota barbuda berrando feito alucinado que nem o Eneias, aborrecente revoltz que se acha intelectual de óculos escuros, ateu de fim-de-semana, cristão pregador pentelho, vídeos conspiracionistas e gatinhos brincando. Se bem que gatinhos brincando sempre serão a essência da Internet.

Em meio a tantas coisas chatas, toscas e gameplays (tão divertidos quanto ir na casa do coleguinha pra ver O COLEGUINHA jogando) temos algumas ilhas. Uma delas é um canal meio desconhecido: O Manual do Mundo!

Ao invés de eu escrever um artigo sobre o Iberê, o episódio do Scicast abaixo traz mais sobre a vida e obra do Iberê, que gentilmente nos cedeu uma entrevista.


DOWNLOAD

Ciência pode muito bem ser divertida, e pode se fazer com qualquer vinagre e bicarbonato. Iberê nos mostra como é a maravilha que pode ser a ciência, mostrando para as crianças que elas podem ser cientistas sem sair de casa. Você pode saber mais sobre a vida dele com o Draw My Life que ele mesmo fez.

Atualmente, o Iberê tem um livro publicado com uma série de experimentos, que você pode levar pro colégio e fazer com os alunos, ou com seus filhos ou pros seus pais, mesmo. O livro pode ser adquirido nos links abaixo (ajudem aí o SciCast comprando nesses links):


Dia do ENEM: Mais um Dia da Vergonha Alheia
Quando, onde e como os insetos dominaram o mundo?

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • AtMyInnuendo

    André, vc poderia escrever sobre Douglas Noël Adams?
    Quando eu era só um projeto de gente, meus pais se divorciaram e fui morar com meu avô. Ele era muito inteligente e interessado em ciência e novas tecnologias e sempre gostou muito de animais.
    Era fissurado em me explicar como o mundo funcionava, nos dias chuvosos ele contava comigo os segundos entre a luz e o barulho dos trovões, pra que eu dissesse qual era a distância e sempre me explicou como gente burra é perigosa.
    Tinha uma enorme estante, com enciclopédias de todos os assuntos, séries de Star Trek e Star Wars (ele me explicava o que era “velocidade de dobra” e “buracos de minhoca”) e livros como O Universo Elegante, que eu achava fascinante, mas não entendia muita coisa… u.u Cresci e, com o dinheiro das aulas de reforço que eu dava, comprei um computador pra ele, já estava bem velhinho mas aprendeu tudo em dobra 9, assinou a Scientific American pela net e me apresentou a alguns canais no YouTube, incluindo esse aí, O Manual o Mundo.
    Ele era muito parecido com o Douglas Adams, em vários aspectos, e, com esse seu post, não pude evitar a lembrança, ele ficava mostrando os vídeos desse canal para a minha filha.
    Enfim, será que você não poderia fazer um artigo sobre Douglas Adams?

    Administrador André respondeu:

    Provavelmente, não. Nunca achei os livros dele grande coisa.

  • AtMyInnuendo

    Malz pelo tamanho do texto

  • Legal a homenagem que foi feita ao Iberê, tanto aqui como no SciCast. Ele merece. No meio de tanto joio temos que saber aproveitar bem os poucos e reluzentes trigos que existem.

    Mas é uma pena que, para cada Iberê, existam 20 Cauê Moura. Para cada Nerdologia, existam 15 Felipe Neto. Para cada Pirulla, existam 9 condessas e 12 Daniel Fraga.

  • João Franco

    Iberê, o Beakman brasileiro

  • Senhor Iberê Francisco Thenório é o máximo.Como disseram aí, é o Beakman brasileiro.

    Só é uma pena que, para cada Iberê haja 10 felixo neto. Para cada Nerdologia haja 15 cauê moura. Para cada Pirulla haja 18 condessa de loppeux. Para cada Lito haja 12 daniel fragay. E para cada Doutor André Carvalho haja 11 cagando moura e 9 otário asnonymous. Fazer o que, né? Povão gosta é de lixo.

    Temos, pois, nós, que usamos 100% do cérebro, que aproveitar os poucos diamantes lapidados que há por ai.