fev 23

Olha o passo do elefantinho e veja como ele é antiguinho

4 Comentários
Escrito por .
Arqueologia, Bibliografias, Biologia, Ciência, Comportamento, Cultura, Engenharia, Evolução, Geologia, Mídia
Tags: , , , , ,

Um dos conceitos mais difundido de forma errada é o de fósseis. As pessoas pensam em fósseis como um bando de ossos encontrados em algum buraco numa terra inóspita, esquecido por todos os seres vivos que pisam lá todos os dias. Se isso fosse verdade, teríamos perdido bilhões (sim, bilhões) de anos de evidências. Não teríamos nem mesmo registros de insetos (grande revelação: insetos não possuem ossos. OHHHHH). Registros fósseis de ossos são minoria, e se você quiser "fazer" seu próprio fóssil junto com crianças, pegue massinha de modelar, e "imprima" nelas algumas conchas, pés de galinha ou peixes de plástico. Ao tirar as peças, teremos uma evidência que ali tinha um ser "vivo"; pois fósseis são evidências que um ser vivo deixou para trás.

Até mesmo pegadas são consideradas como registros fósseis, e várias delas foram achadas no deserto árabe, registrando uma trilha de antigos elefantes que viviam na região.

Elefantes são animais bem peculiares. Seu tamanho impõe respeito, mas o que mais fascina neste bicho é sua estrutura social complexa. Ele não se preocupa em postar suas mazelas em redes sociais e nem têm o hábito de dizer o que comeu no Twitter. A relação social de cada membro de uma manada está na interação direta com os demais. Os grupos são estratificados e machos e fêmeas possuem papéis distintos.  As manadas normalmente são chefiadas por uma linhagem matriarcal (macho não manda nada, o que não é diferente da maioria das famílias).

Elefantes são especiais por serem os únicos espécimes da ordem dos Proboscidea, a mesma ordem de mamutes e mastodontes (que eu não preciso dizer que estão extintos, né?).

O dr. Faisal Bibi trabalha no Instituto Internacional de Paleoprimatologia, Paleontologia, Evolução Humana e Paleoambiente (Institut International de Paléoprimatologie, Paléontologie, Humaine Evolution et Paléoenvironnements — IPHEP). Ele pesquisa antigos rastros de elefantes do Mioceno Tardio, que datam de 7 milhões de anos atrás. Ao examinar um sítio arqueológico nos Emirados Árabes Unidos, o dr. Fom Fom, digo, dr. Bibi percebeu que em terra era muito difícil de discernir qualquer coisa. Sendo assim, ele teve a ideia de acoplar uma câmera a uma pipa e o resultado foi este aqui:

Tá muito pequeno ainda. Sou guloso e quero mais!

Então veja o Gigapan abaixo, filho, e divirta-se.

Buááááá, eu não tenho Flash aqui.

Então se mata, seu celenterado, e me deixa continuar com a notícia!

Aqui vemos uma trilha de, pelo menos, 13 indivíduos de tamanho variável, sugerindo que havia machos, fêmeas e filhotes, numa espécie de migração. Apenas um único indivíduo de grande porte foi identificado, sugerindo ser um cidadão solitário, o que está de acordo com o que se sabe da vida social dos queridos paquidermes. As pegadas do sítio Mleisa 1 fornecem a evidência direta para a antiguidade da característica e complexa estrutura social dos Proboscidea. O estudo foi publicado no periódico Royal Society Biology Letters.

O dr. Fom Fom Bibi descreveu o local como "absolutamente único". Segundo ele, é uma oportunidade muito rara no registro fóssil em que podemos ver o comportamento animal em uma maneira que nenhum de nós poderia perceber com simples ossos e dentes. Mediante a simples observação das marcas, como elas foram feitas, tamanho e disposição, pode-se saber muito sobre aquelas criaturas que estiveram ali, placidamente caminhando onde seres humanos ainda nem existiam ainda.

Pela data, é muito pouco provável que sejam pegadas de elefantes modernos, onde os paleontólogos apostam terem sido feitas por um Stegotetrabelodon, um pouco longe de nossos amigos orelhudos, mas mais longe ainda de um olifante.

Artigos relacionados:

  1. Governo dos EUA quer refrear pesquisas tidas como idiotas
  2. Pegadas de milhões de anos questionam atual processo evolutivo dos tetrápodes
  3. Quando e como o oxigênio apareceu
  4. Como a TV pode fazer a diferença no Ensino
  5. E se futebol fosse noticiado como fazem com descobertas científicas


4 respostas para "Olha o passo do elefantinho e veja como ele é antiguinho"

  1. 1. ANUBIS1313 disse:

    :x Daí chega um maldito crente e diz que a terra têm apenas 6 mil anos !!! Isso mesmo, perguntei a um conhecido que é evangélico se ele saberia me informar quantos anos tinha o nosso planeta… e ele disse… “conforme escrituras têm cerca de 6 mil anos”!!! Se essas pegadas têm cerca de 7 milhões de anos… essa matemática não está batendo !!!

    Administrador André respondeu:

    Vocês perdem oportunidade. Pede pra ele mostrar IPSIS LITERIS onde é dito que a Terra tem 60000 anos. Tem que estar bem escritinho na Bíblia.

    Nihil Lemos respondeu:

    @André, tem cristão irlandês se não me engano já calculou até a data e o horário que a Terra surgiu e com base bíblicas. Mas não me recordo o nome e nem encontrei sobre isso no Google.

  2. 2. Nihil Lemos disse:

    Falando em elefantes, já ouvi gente erroneamente citando mamutes e mastodontes como ancestrais dos elefantes atuais. Eles podem ser parentes mas são espécies diferentes com ancestrais em comum da mesma ordem. Correto?

    Eu sabia que os elefantes são tão antigos :D Lembro que depois da extinção dos dinossauros o planeta Terra mais tarde não tardou em ser dominada por mamíferos gigantescos. Preguiças maiores que elefantes-africanos, por exemplo. E hoje tudo o que sobrou deles estão hoje na África. O elefante é um deles (sim. Eu sei que há elefantes na Ásia, mas nada que se compare ao majestoso africano…).

Deixe um comentário

Mas, antes, leia a nossa Política de Comentários. Obrigado por sua participação.

Você precisa estar logado para deixar um comentário.