Wszystkiego Najlepszego, Maria!

Para um corpo que cai, uma câmera filmando
Science Hack: Vídeos sobre Ciência

A mulher cujo destino foi traçado pela sua pesquisa enfrenta seus últimos momentos de vida. Ela foi e ainda é um dos maiores ícones da Química e da Física. Seu nome é conhecido em todos os países e não foi por ser atleta, pois o tecido que ela mais utilizou não foi o tecido muscular, mas o nervoso. Seu rosto está estampado mesmo no mais ridículo livro de ciências e sua efígie adorna o papel moeda de um país. Num mundo onde até mesmo o meio científico era dominado pelo machismo, seu andar ereto fez-lhe ser uma das mulheres mais respeitadas no mundo acadêmico de sua época.

Os olhos dessa mulher abriram-se para o mundo no dia de hoje e a maior de todas as representantes femininas no mundo da Ciência soltou seu primeiro choro no dia 7 de novembro de 1867 e recebeu o nome de Maria Salomea Sklodowska.

Só um completo e rematado idiota não reconhece em Mme. Sklodowska o valor da força, tenacidade, ímpeto, coragem e perseverança. Só um estúpido não a vê com olhos apaixonados, como apaixonados eram seus olhos pela Ciência. Só um torpe insensível não sente o coração embargado ao conhecer toda a dor desta mulher, cuja pesquisa foi um raiar de um novo dia na pesquisa científica, abrindo novas fronteiras.

O lindo bebê polonês que nasceu hoje, há 144 anos, em Varsóvia brilhou como nunca, e jamais fora ofuscada pelo brilho baço dos materiais radioativos que ela pesquisou. Décadas antes disso, ela lutou para estudar e entender melhor o que era a Ciência. Por causa do seu ativismo, ela teve que fugir da Polônia, pois esta era domínio da Rússia Czarista, indo se refugiar em Cracóvia, que pertencia ao Império Austro-Húngaro (sim, Geografia sempre foi uma coisa complicada). De lá, ela ralou peito para a França, já que ela tinha a capacidade de criar mais problemas do que eu. Na Sobborne, ela se gradua em Física e em Matemática, e conhece o grande amor de sua vida: Pierre Curie.

Belle Marie passa a ser conhecida como Marie Curie e o resto é História. Junto com outros luminares da época, ela passa a investigar as estranhas propriedades das substâncias radioativas. Juntamente com Pierre e Henri Becquerel, Mme. Curie mostra a todas as mulheres que cientistas do mundo todo tiveram que engolir uma mulher fêmea do sexo feminino ir pra Estocolmo e colocar seu Nobelzinho no bolso do vestido. Ela foi a única mulher a fazer parte da Conferência Solvay e não foi para limpar o chão ou guardar os chapéus dos doutos senhores que lá estavam: a nata dos cientistas da época, como Einstein, Heisenberg, Bohr, Lorentz etc.

Livros já foram escritos sobre ela e até mesmo um filme foi feito. Seu nome é mais do que famoso, ela é uma lenda! Um ícone. Um exemplo a ser seguido. Mesmo quando Pierre Curie teve a desastrosa e ignominiosa morte por atropelamento (por uma carruagem), ela engoliu sua dor e foi lecionar, onde seus alunos ficaram comovidos com tamanha força e determinação de uma mulher que estava com o coração destroçado.

Enquanto pobres diabos acham que tecnologia é usar computador, as principais ferramentas de Mme. Curie podiam ser encontradas em qualquer cozinha ou celeiro. Ela e Pierre separaram, catalogaram, mediram, identificaram e isolaram dois novos elementos químicos. O tempo e a longa exposição a minérios altamente radioativos lhe deu de presente ingrato, pois o câncer instalou-se no corpo daquela mulher fenomenal.

Eu me sinto orgulhoso do legado deixado por ela, em que a continuação do trabalho foi conduzido por sua filha, Irène, a qual também ganhou um prêmio Nobel juntamente com seu marido: Frederic Joliot; mas tal era o impacto da grande dama que eles adotaram o sobrenome Joliot-Curie.

Num mundo onde um bando de retardados veneram mulheres idiotas só por causa de um par de mamas ou de uma bunda quilométrica (acompanhados de uma quilométrica burrice), eu rendo meus respeitos a uma das maiores cientistas da Era Contemporânea; pois a fama é passageira e efêmera, mas quando seu nome está representado num elemento da Tabela Periódica dos Elementos, você galgou a imortalidade.

Olho agora para a tabela periódica que está repousada na parede do meu quarto. Em especial, eu presto atenção no elemento de número atômico 96, um metal transurânico da série dos actinídeos. Eu não vejo o metal ou uma descrição de suas propriedades. Vejo o rosto suave e tímido de uma ilustre senhora, talvez estando eu pecando em dizer que é a mais ilustre de todo os Grandes Nomes da Ciência e agradeço à Maria Sklodowska Curie por todo o mundo que ajudou a desvendar.

Maria, Maria
É um dom, uma certa magia
Uma força que nos alerta
Uma mulher que merece
Viver e amar
Como outra qualquer
Do planeta

Maria, Maria
É o som, é a cor, é o suor
É a dose mais forte e lenta
De uma gente que rí
Quando deve chorar
E não vive, apenas aguenta

Mas é preciso ter força
É preciso ter raça
É preciso ter gana sempre
Quem traz no corpo a marca
Maria, Maria
Mistura a dor e a alegria

Mas é preciso ter manha
É preciso ter graça
É preciso ter sonho sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania
De ter fé na vida….

Mas é preciso ter força
É preciso ter raça
É preciso ter gana sempre
Quem traz no corpo a marca
Maria, Maria
Mistura a dor e a alegria…

Mas é preciso ter manha
É preciso ter graça
É preciso ter sonho sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania
De ter fé na vida….

Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!!
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê
Hei! Hei! Hei! Hei!
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê!
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê!…

Mas é preciso ter força
É preciso ter raça
É preciso ter gana sempre
Quem traz no corpo a marca
Maria, Maria
Mistura a dor e a alegria…

Mas é preciso ter manha
É preciso ter graça
É preciso ter sonho, sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania
De ter fé na vida

Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!!
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê
Hei! Hei! Hei! Hei!
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê!
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê!…

Para um corpo que cai, uma câmera filmando
Science Hack: Vídeos sobre Ciência

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • Este artigo é uma bela homenagem à Madame Curie, que com toda certeza é um dos Grandes Nomes da Ciência. Esse ano que tá findando é o ano internacional da Química, uma ciência que a senhora Maria Curie muito contribuiu para avançar. Se me recordo direito, o polônio da tabela periódica também é em homenagem ao seu país natal.

    É isso, que possamos sempre celebrar sua memória. 😉

  • Tem um 3 sobrando na linha: “Décadas ante3s disso, ela lutou para estudar e entender melhor o que era a Ciência.”
    Mais uma célebre desconhecida da ciência.
    [Off-topic] Há alguma previsão de uma Google+ Page do Ceticismo?

    Administrador André respondeu:

    Mais uma célebre desconhecida da ciência.

    Are you fucking kidding me???

    Há alguma previsão de uma Google+ Page do Ceticismo?

    Se depender de mim, não. Não tenho tempo de me dedicar e administrar isso. Muito raramente eu fico no Twitter e assim mesmo qdo espero minha mulher passar no meu serviço pra me apanhar, já que o carro fica com ela.

    hiltongil respondeu:

    @André,

    Certo. De fato em razão do aumento dos serviços, redes sociais, e similares fica meio complicado. Mas resolvi tirar a dúvida já que utilizo o serviço e talvez em razão de um lobby da Google um quantidade considerável de empresas estão criando as fãnpage do Google.

    Quando a “célebre desconhecida” não leve a mal sou péssimo em piadas! 🙁

  • Nossa, esperei MUITO sair um artigo sobre madame Curie. Eu já admirava ela e seu grande trabalho em que acreditou do início ao fim e acabou descobrindo o Rádio.
    Aliás, o filme é MUITO bom, quem puder, ASSISTA, pois vale muito a pena!
    Só pelo filme se pode aprender muitas coisas, é muito interessante.
    Aliás, seu marido Pierre foi um herói ao ficar do lado dela e apoiá-la o tempo inteiro, mesmo quando o problema com câncer começou a dar vestígios.
    Isso sim é uma mulher pra se admirar!

  • A Madame Curie, ao lado da Hipátia de Alexandria, é a mulher que mais admiro na ciência. Seu nome deve ser lembrado mesmo. Além dos seus feitos digamos que não é qualquer um que ganha dois prêmios Nobel.

  • Pingback: Grandes Nomes da Ciencia: Dorothy Hodgkin » Ceticismo.net()

  • Pingback: A foto da primeira dama da Ciência não é a primeira dama » Ceticismo.net()