out 29

7 bilhões em ação. Pra frente, mundo!

25 Comentários
Escrito por .
Bibliografias, Ceticismo, Ciência, Comportamento, Cultura, Engenharia, Geologia, Medicina, Mídia, Saúde, Tecnologia
Tags: , , , ,

Eu me lembro (mais ou menos) de quando o mundo estava na casa dos 5 bilhões e tanto. Depois, chegamos aos 6 bilhões e, agora, estamos no raiar do dia em que o sétimo bilionésimo ser humano nascerá. O mundo está apertado, mal podemos andar na rua, nos sentimos sufocados com tanta gente, praticamente tem um bando de visitantes inesperados querendo morar no meu apartamento. O mundo tem capacidade de segurar este número todo? O que temos, afinal?

Um documento da ONU estipulou o dia 31 de outubro de 2011 para a chegada do ser humano número 7 bi. Obviamente, os analistas não têm poderes adivinhatórios, não conseguiram um palantír e nem consultaram as entranhas de um sapo. Esta é uma data simbólica e não faz muita diferença quando será, mesmo porque, o “Zé” teria que nascer em algum momento, e ele VAI nascer. A questão é saber o que estamos fazendo, o que fizemos e o que iremos fazer com relação a isso (quanto ao nascimento, os pais do “Zé” já cuidaram disso uns nove meses antes).

Ironicamente, a estimativa cai bem no Halloween, e eu só posso creditar isso a algum senso de humor bem macabro, embora aleguem que é apenas uma data simbólica, baseada em dados interpolados por um período de 5 anos (ok, vou fingir que levarei isso em conta). Tais estimativas populacionais são publicados a cada dois anos como parte do World Population Prospects, do Departamento de Economia e Assuntos Sociais. Mas isto diz muito pouco. O que fazemos com 7 bilhões de pessoas que não param de se multiplicar?

Na prática, é praticamente impossível determinar o número total de Homo sapiens no mundo. Mal se sabe quantas pessoas moram na favela da Rocinha, só temos estimativas. Mas, de qualquer forma, não é este o problema. O mundo não tem tanta gente assim se dividirmos o número de pessoas pela área total do planeta, mas as coisas não são simples. Nunca foram. Em primeiro lugar, temos que levar em conta as áreas em terra seca, a não ser que possamos considerar pessoas vivendo em resorts em alto mar. Sabendo que em Dubai cria-se ilhas praticamente do nada, isso não parece ser grande empecilho. O custo é que sim. Temos que levar em conta ambientes, pois não creio que alguém iria querer morar lá no Himalaia, salvo os sherpas, da mesma maneira que só um maluco iria querer ter o Kilauea no seu quintal.

Se eu pegar o Brasil como exemplo, temos êxodo rural, temos pessoas fugindo do miserê lá no interior do Nordeste para encarar as cidades grandes, para se dar conta que não mudaram muita coisa, mas só a “pouca” mudança é muito, então ficamos aqui, mesmo.

O problema é, sobretudo, logística. As cidades estão superlotadas e se você pega metrô, ônibus ou encara a Avenida Brasil (ou qualquer outra via de grande circulação em sua cidade) de manhã sabe do que estou falando. Qualquer tecnologia tem limites até que possamos desenvolver outras tecnologias.  Mas desenvolver novas tecnologias não é coisa simples, ainda mais quando mais e mais pessoas estão com péssimas notas, fraudando ENEM ou se dedicando a “cursos” universitários tão importantes para com a sociedade como Dança, Cinema, Eventos (??), Hotelaria ou outras coisas tão ridiculamente inúteis quanto estas.

Colocar alguém dançando no setor de Emergência de um hospital não ajudará aos que lá estiverem. Cinema é muito bom. Eu adoro cinema, mas entre ver um filme e ter vacinas, remédios, equipamentos cirúrgicos de última geração, tratamentos revolucionários ou mesmo novos materiais de construção mais resistentes e mais baratos, o que se prefere? (bobagem a minha perguntar isso no país que venera o Big Brother ou novelas.)

Alterar áreas para comportar pessoas não só não resolve o problema como amplia outros problemas, como a ação humana no ambiente, o que acarretou numa nova era geológica: o Antropoceno. E mesmo que se arrume lugar para toda esta gente, como ter um sistema decente para sobrevivência quando quase 2 bilhões delas vivem com menos de 2 dólares por dia? Não há acesso suficiente à Educação e a forma como o Brasil pretende resolver isso – com aprovações automáticas – é burra, estúpida e irresponsável, onde temos um país que venera pessoas como o Tiririca por serem analfabetas, como se analfabetismo fosse uma meta na vida Quase 1 bilhão de pessoas sentem fome e dar comida não é suficiente. Qual a saída?

Vemos todos os dias toneladas de comida serem jogadas fora. Atravessadores querem pagar ridículos centavos por tonelada produzida por pequenos e médios agricultores, os quais acabam preferindo jogar sua produção fora, pois terão menos prejuízo. Temos chefes tribais que impedem a chegada da ajuda internacional aos pobres, pois a corrupção impera e é através da fome que subjuga as pessoas, já que se elas estiverem bem nutridas poderão se rebelar e lutar contra seus déspotas. Isso vemos desde a Idade Média e ainda vemos isso me países que vivem na pré-história, já que boa parte da população não é alfabetizada e foi a invenção da Escrita que dividiu o mundo em História e Pré-história.

Parar o desenvolvimento científico, tirar o dinheiro do CERN ou da NASA para dar aos países pobres não resolve o problema. Se ao invés dos EUA gastarem seus trilhões de dólares sustentando guerras contra ninguém investissem em pesquisas científicas, se ao invés do Brasil parar com seu coitadismo e hipocrisia galopante e parar de sustentar famílias de políticos com o bolsa-família (qualé? você não acha que o dinheiro vai pros pobres. Acha?) e investirem em tecnologias ou, melhor ainda, USAR as diversas tecnologias desenvolvidas em várias universidades, muitos problemas seriam resolvidos. Mas sem esses problemas, não teremos políticos prometendo resolver estes problemas. E isso não é só aqui.

Me irrita profundamente ver dinheiro gasto inutilmente com paradas gays celebrando… nada, causando caos no trânsito, enquanto temos vias em péssimo estado de conservação, hospitais sucateados e uma péssima logística de levar alimentos até aos mercados, impedindo o aproveitamento de praticamente tudo o que é produzido, acarretando em preços absurdos. Convenhamos, quando se mora num país que importa feijão da China, sendo que aquela porcaria brota até em algodão molhado, tem algo de errado. MUITO errado.

Mas, pelo menos, temos um desfile celebrando o orgulho (???)  de uma opção sexual (detalhe que se for celebrar outra opção é proibido, pois é discriminação).

Não há vontade política ou religiosa (uma coisa acarreta outra) de reduzir a população do planeta e ela não irá deduzir. Não podemos simplesmente impedir crianças de nascerem; no máximo, impedir que mais sejam geradas. Não apenas apelar para o aborto (que ao meu ver não resolve o problema, pelo contrário). O começo deve ser em ter consciência em não fazer mais filhos, coisa que as religiões não querem, pois necessitam patologicamente de ter mais servos, mais seguidores, mais massa de manobra.

Sendo cínico, portanto, não há como deixar de ver um mundo indo para os 8 bilhões, até que alguma catástrofe de qualçquer espécie contenha isso. Nem que a catástrofe seja propriamente a superpopulação.


Fonte: National Geographic

Para saber mais:


25 respostas para "7 bilhões em ação. Pra frente, mundo!"

  1. 1. Pride disse:

    Sexo é muito bom nê? Mas vai chegar uma hora que não vai dar mais para suportar tantos “Zé” e vai lotar tudo. Brasileiros só pensam em BBB, novela, jogo de futebol (não necessariamente nesta ordem) e esqueçem do povo que ainda vivem na pobreza, enquanto isso no congresso o pessoal rouba na cara dura.

    Ps: André tem uns erros de digitação nas linhas.

    “embora aleguem que é [b]apernas[/b] uma data simbólica”

    “já que [b]swe[/b] elas estiverem bem nutridas poderão se rebelar e lutar contra seus déspotas.”

    Pride respondeu:

    @Pride, lol, pensei que aceitava negrito :|

    Administrador André respondeu:

    http://www.icmc.usp.br/ensino/material/html/

    Administrador André respondeu:

    Corrigido. Valeu

    Jr respondeu:

    @Pride
    “…esqueçem”

    Cedilha? Tá foda, hein.

  2. 2. lili disse:

    Infelizmente provavelmente veremos os 8 bilhões mt antes do que esperamos. E sem mudanças nas condições em que vários vivem, pois cm vc disse é necessário servos …
    Sobre as pessoas optarem por dança e etc, eu realmente acho válido a escolhas deles mas o fato é que a maioria das pessoas não quer mais estudar, eu digo estudar seriamente. Acho válido porque existem pessoas realmente talentosas que não serveriam para ser outra coisa, mas a cultura no nosso país não é de estudo, não damos valor ao ensino básico.
    Com tantas faculdades de esquina que vc passa fácil, prefiro ter um dançarino do que um médico formado num lugar desses (triste ter que dizer isso mas… ). Enfim, sem mais delongas…
    As coisas só vão mudar quando todos se conscientizarem realmente de que algo tem que ser feito.

    Administrador André respondeu:

    Sobre as pessoas optarem por dança e etc, eu realmente acho válido a escolhas deles mas o fato é que a maioria das pessoas não quer mais estudar, eu digo estudar seriamente. Acho válido porque existem pessoas realmente talentosas que não serveriam para ser outra coisa

    Vc só pode estar brincando. Quer saber o que eu penso dessas pessoas “talentosas”? Em qualquer banheiro público pode-se encontrar muitas delas.

    Magno respondeu:

    @lili, falou: “Acho válido porque existem pessoas realmente talentosas que não serveriam para ser outra coisa, mas a cultura no nosso país não é de estudo, não damos valor ao ensino básico.”

    Meu sogro costuma dizer [b]“Fulano, o seu filho não presta pra nada. O garoto falta mais à aula que assiste, não gosta de estudar, fica na rua até tarde, já repetiu uma vez, tem notas ruins. Segundo grau é desperdício pra ele. Coloca ele num curso profissionalizante ou bota uma enxada na mão dele que só trabalho vai fazer ele tomar tendência.”[/b]

    [b]“O garoto(a) já tá velho já, devia ter mostrado a que veio. Comigo é assim, se não quer estudar vai trabalhar, ninguém veio nesse mundo a passeio.”[/b]

    Não deixo de dar alguma razão pra ele. Pena que os filhos(as) dele já estão todos adultos, pois eu adoraria ver ele numa reunião de pais.

  3. 3. lili disse:

    Ora, ora André nem todo mundo dá p/ químico. hahahaha :cool:
    ( ok, foi sem graça… )

    Administrador André respondeu:

    Não, mas todo mundo pode ter um pouco de respeito para com o dono de um site sob pena de banimento.

  4. 4. lili disse:

    Desculpe pela brincadeira, não quis ofender.

  5. 5. Pride disse:

    Até hoje eu não vejo utilidade nas olipiadas e nos jogos panamericanos (acho que esse é o nome). Eles só servem para mostrar qual país é o mais riquinho e tem condições de comprar equipamentos para um bando de desocupados pularem usando uma vara (ui!!!) enquanto isso tem muita gente morrendo de fome. Idem ao futebol. Enfim, o que adianta você ter um ataque cardiaco na rua e no seu lado tem um bailarino que optou seguir este brilhante caminho por que é mais fácil do que se tornar médico. Hades! Send us to hell!!

    Administrador André respondeu:

    Vou fingir que não li isso.

    Zero_Anjo respondeu:

    @Pride,
    Enfim, o que adianta você ter um ataque cardiaco na rua e no seu lado tem um bailarino que optou seguir este brilhante caminho por que é mais fácil do que se tornar médico.
    Em um mundo normal, qualquer bailarino medíocre saberia fazer RCR enquanto o pintor desempregado do lado liga para 192.
    Eu acho que alguns medalistas de Berlim (mais especificamente Jesse Owens) discordariam de você.

    voix69 respondeu:

    @Zero_Anjo,

    Godwin’s Rule… :roll: ;-)

    Zero_Anjo respondeu:

    @voix69, Verdade :)
    Mas eu citei ele mais por ter origem pobre e ter brilhado em várias modalidades nas olimpíadas. O fato da olimpíada citada ser a de Berlim influenciada pelo nazismo é só a cereja do bolo :)

    Magno respondeu:

    @Pride, com tanta gente passando fome no mundo e você aqui falando besteira.

    Para ilustrar: XKCD

  6. 6. Vinicius disse:

    Ótimo artigo como sempre, Dr André. Aliás, mesmo o sabendo que a prioridade é por postagens cientifica, gosto quando você se posiciona em outros assuntos, dá muito sobre o que pensar. Admiro-o ainda mais por ter paciência de escrever e aguentar algumas besteiras que escrevem nos comentários.
    Bem, depois de me dispersar, sobre o assunto principal digo o quão é triste saber que com tantos problemas, a população crescendo entre outras coisas, parece não haver nenhum sinal que algo irá mudar em pelos menos bastante tempo e ainda gera mais sentimento de que não há muito do que fazer se a maioria não quer nada com nada.
    Desculpe-me por tomar seu tempo.

  7. 7. Altair5 disse:

    Quando era adolescente já me preocupava com a questão superpopulação terrestre,aquela lei de Malthus me dava calafrios!hoje me despreocupei mas acredito num desastre mais adiante(espero que a tecnologia evite o pior!). Minha contribuição é simplesmente não ter descendentes… :smile:

    Zero_Anjo respondeu:

    @Altair5, Se você for homem, é fácil. Caso seja mulher, ainda sofre a pressão social, fora alguns psico-bobos que dizem que a mulher só se realiza ao parir…

    Quando o apocalipse zumbi chegar, a população acaba rapidinho :)

  8. 8. SandroCeara disse:

    @André,

    Após 12 anos morando no Nordeste (acho que) descobrí porque as pesoas menos assistídas tem mais filhos: A chance de serem sustentados na velhice por alguns deles é maior. É fato, ouvido e visto em muitas entrevistas.

    Off: Um cálculo básico:

    Uma família de 7 pessoas, sendo 5 menores que freqüentam escola pública.

    O limite do benefíco é de R$ 306,00.

    Imaginemos que a renda total da família seja de R$ 980,00 (O teto da lei).

    Pois bem, como todo consumidor brasileiro paga cerca de 40% de impostos SOBRE O QUE CONSUMIR, é só fazer uma conta básica.

  9. 9. Jr disse:

    “parar de sustentar famílias de políticos com o bolsa-família”

    Mesmo que chegasse devidamente ao seu destino, o dinheiro serve mal para a pessoa sobreviver.

    “e investirem em tecnologias ou, melhor ainda, USAR as diversas tecnologias desenvolvidas em várias universidades, muitos problemas seriam resolvidos…”

    Seria interessante investirem no tal de tório: http://wardsauto.com/ar/thorium_power_car_110811/

    Supostamente não teriamos tantos problemas com a energia.

  10. 10. T E Lawrence disse:

    “Mas, pelo menos, temos um desfile celebrando o orgulho (???) de uma opção sexual (detalhe que se for celebrar outra opção é proibido, pois é discriminação).”

    Nesse caso, a vontade de uma minoria se impôs, apesar de estarmos em um regime dito democrático.

    Cada povo tem os governantes que merece. Sad but true.

    ______
    42

  11. 11. batled disse:

    André, excelente texto. Estou até pensando, seriamente, em não dar um irmãozinho pra minha única herdeira. Já estou preocupado com o futuro dela. Do jeito que as coisas vão, como será que ela estará daqui 50 anos?

  12. 12. novaesrichard disse:

    E o pior é que, vendo a juventude de hoje, muito dificilmente isso vai mudar, estudo numa sala de 40 alunos, uns 5, chutando alto, querem aprender algo. Será que já dá pra chamar de ‘Efeito Idiocracy’? haha

Deixe um comentário

Mas, antes, leia a nossa Política de Comentários. Obrigado por sua participação.

Você precisa estar logado para deixar um comentário.