Grandes Nomes da Ciência: Harry Harlow

15 de outubro... Ah, você já sabe
Pesquisadores melhoram a vida de cegos com o uso de smartphones

Dois arregalados olhos castanhos circulam pelo ambiente, aterrorizados. O medo chega até a garganta, mas nenhum som sai dela. Uma cabeça gira e vasculha todos os pontos do ambiente, até que uma porta desliza suavemente para cima. Silêncio. O ser monstruoso do outro lado da porta começa a se agitar; o movimento de suas garras e ruído horrível aterroriza o dono dos doces olhos castanhos, e este correrá em busca da única coisa que sua mente acha que garantirá a segurança: sua mãe. O macaquinho corre e se agarra a uma boneca feita de arame e com "pele" felpuda e é tudo isso que o coitado precisa para se sentir seguro.

Esta é a história do dr. Harry Harlow, que com dois bonecos de arame e alguns macacos rhesus estudou os mecanismos psicológicos do amor e do afeto.

Os sentimentos mais enigmáticos são o amor e o afeto, ainda mais por estarem entrelaçados, a ponto de considerarmos como sendo (quase) a mesma coisa. Por séculos, especulou-se a que ele era devido, se por causa de almas gêmeas, círculos cármicos, reencarnação ou outras manifestações pseudocientíficas.

O amor é algo tão sublime e belo que os cientistas tinham uma certa reserva em estudá-lo do ponto de vista científico. Como resumir tal sentimento em linhas de um artigo científico? Como estudá-lo? A resposta é muito simples: sem paixão alguma (o trocadilho é inevitável). Basta focar o que se quer estudar e executar experimentos, mas até meados da década de 1940, ninguém estudou o amor de forma experimental.

Harry Frederick Israel nasceu em 31 de outubro de 1905 em Fairfield, Iowa, o segundo mais novo de quatro irmãos. Ele se graduou em Psicologia pela Universidade de Stanford, doutorando-se em 1930. Após conseguir seu doutorado, ele muda seu nome para Harlow e aceita cátedra na Universidade de Wisconsin-Madison. Ele era bom com as palavras e conseguiu convencer a reitoria a construir um laboratório para estudar o comportamento de primatas. Foi um dos primeiros laboratórios do tipo no mundo todo.

Harlow era um sujeito… digamos, peculiar. Ele se casou com uma de suas alunas: Clara Mears em 1932 – com quem teve 2 filhos –, divorciou-se, casou-se meio que logo em seguida com Margaret Kuenne, em cujo enlace teve mais dois filhos (um menino e uma menina). Depois de um tempo, Harlow divorciou-se de Kuenne e casou de novo com Clara Mears e eu fico pensando qual era o problema dele com relação a decisões.

Bem, não foi em termos de relacionamento entre humanos que Harlow ficaria famoso. O foco do estudo dele era laços afetivos entre macacos, mais especificamente os da espécie rhesus (sim, aqueles mesmos que deram origem ao termo "Fator Rh").

Harlow estudava como se dava os laços afetivos e o que acontecia com os voluntários forçados (aka, cobaias) quando eram deixados em total isolamento. Para isso, Harlow pegou filhotes de rhesus recém-desmamados e os deixou em total isolamento por cerca de 2 anos. O que ele obteve foram animais perturbados e à beira da psicose. Em um artigo, Harlow escreveu:

No monkey has died during isolation. When initially removed from total social isolation, however, they usually go into a state of emotional shock, characterized by the autistic self-clutching and rocking illustrated in Figure 4 [abaixo]. One of six monkeys isolated for 3 months refused to eat after release and died 5 days later. The autopsy report attributed death to emotional anorexia. A second animal in the same group also refused to eat and would probably have died had we not been prepared to resort to forced feeding. This phenomenon of extreme emotional anorexia has not appeared in the 6- or 12- month groups.

Our data indicate that the debilitating effects of 3 months of social isolation are dramatic but reversible. If there is long-term social or intellectual damage, it eludes our measurements. Given the opportunity soon after release to associate with controls of the same age, these short-term isolates start slowly during the first week and then adapt and show the normal sequence of social behaviors. In human terms they are the children salvaged from the orphanage.

The performance of both the 3-month isolate group and their controls is indistinguishable from that of equal-aged monkeys tested in other experiments utilizing learning-set problems.

Harlow HF, Dodsworth RO, Harlow MK. Total social isolation in monkeys. Proc Natl Acad Sci U S A. 1965 disponível em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC285801/pdf/pnas00159-0105.pdf. Acesso em out. 2011


TRADUÇÃO LIVRE

Nenhum macaco morreu durante o isolamento. Quando inicialmente removido do isolamento total, entretanto, eles usualmente indicaram um estado de choque emocional, caracterizado pelo autismo e catatonia [nessa época, não se sabia que a causa do autismo tem base genética], ilustrado na figura ao lado. Um dos macacos isolados por três meses se recusou a comer depois de liberto e morreu em 5 dias. A autópsia atribuiu o óbito a anorexia emocional. Os efeitos do isolamento total foram tão devastadores e debilitantes que concluímos que um isolamento completo de 12 meses não produziria nenhum prejuízo complementar. Essa conclusão mostrou-se falsa. 12 meses de isolamento quase obliteraram os animais socialmente

Nossos dados indicam que os efeitos debilitantes de 3 meses de isolamento social são dramáticos, mas reversíveis. Se houver danos a longo prazo, social ou intelectual, ele escapa às nossas medições. Dada a oportunidade logo após o lançamento para associar com controles da mesma idade, esses grupos isolados de curto prazo começa, lentamente  — durante a primeira semana e depois — a se adaptar e mostrar a sequência normal de comportamentos sociais. Em termos humanos, eles são os filhos recuperados de um orfanato.

O desempenho de ambos os grupos isolados por 3 meses e seus controles é indistinguível dos macacos de mesma idade testados em outros experimentos utilizando situações de problematização para aprendizagem.

Coloquei de acordo com a ABNT só para ficar mais chique, mas acho uma frescura desnecessária em se tratando de blogs. Vejam se não fica melhor assim: Fonte: Total social isolation in monkeys – PNAS.

Um monte de gente acha que isso é puro terrorismo psicológico, que Harlow não passava de um maníaco torturador. Só que isso não impede que a pesquisa continue, pois chegamos ao ponto que realmente interessa: o que é o amor?

John Bowlby desenvolveu uma teoria denominada Vinculação, a qual é definida pela necessidade de criar e manter relações de proximidade e afetividade com os outros. É a chamada Teoria do Apego, que descreve a dinâmica de relacionamentos de longo prazo entre os seres humanos. Seu princípio mais importante é que uma criança precisa desenvolver uma relação com pelo menos um cuidador primário para o desenvolvimento social e emocional a ocorrer normalmente. O problema é: como estudar isso em seres humanos de forma a realizar experimentos. Por isso os macacos rhesus de Harlow são tão importantes e se você tem melindres com certas coisas, sugiro que saia agora e vá ver desenhos do Meu Querido Pônei.

Harlow se perguntava se a natureza do amor estava no sentimento de proteção ou na fonte de comida. Em sua época, cientistas debatiam se a criança criava laços afetivos com a mãe porque ela servia de McDonald’s ou porque servia de leoa de chácara. Sendo assim, Harlow construiu duas "mães alternativas". Uma era apenas um boneco feito de arame e pedaço de madeira, com um bico de mamadeira que servia leite quando se precisava. A outra "mãe" era um boneco de arame também, só que revestida de uma manta felpuda e fofinha. Isso foi posto numa caixa, onde era solto um filhote de rhesus. Let the experiment begins!

O macaquinho reconheceu bem sua fonte de alimento e, sempre que estava com fome, ia em direção à sua "ama de leite" para se alimentar. Quando estava alimentado, ele se dirigia para a "mãe felpuda"; mesmo porque, ela era macia, quentinha e aconchegante. Mas, e se o filhote estivesse em situação de perigo? Harlow criou um monstrengo feio que doía, que tinha dentes pontudos, se sacudia e fazia um barulho horrível. Em suma: o pesadelo de qualquer criança materializado. No vídeo abaixo, vemos o próprio Harlow demonstrando o experimento:

Em todos os experimentos, o macaquinho corre para a mãe felpuda. Quando ele está sozinho, abandonado, ele fica encolhido num canto. Basta ter sua mãe fofinha que ele se sente seguro o bastante para explorar o ambiente, sem medo ou terror. Sua confiança é aumentada e ele passa a se sentir mais "dono da situação". A ama de leite é apenas um supermercado e ninguém dá muito valor ao mercadinho da esquina. É a própria Teoria do Apego ilustrada.

Ei, espere um instante! Este porco especista usou pobres macaquinhos indefesos! Este torturador sádico deixou-os com traumas severos e ganhou muita notoriedade com isso. Você acha que isso é certo?

Deixe-me pensar… Sim, acho! A visão restrita dos tolos que têm mania de defender animais — mas que não hesitam em pisar na primeira barata que encontrarem ou usam inseticidas para aniquilar com mosquitos — se baseia apenas nos macacos, mas não conseguem ver o quadro mais amplo: como nossas crianças são cuidadas.

Com a pesquisa de Harlow, muito sobre os cuidados com nossos filhos mudou. Vemos que eles dependem profundamente de contato físico, da presença de outros de sua espécie (adultos, é claro). Sendo a pele o maior órgão de nosso corpo, repleto de corpúsculos que traduzem as informações sensoriais do tato e as levam pro cérebro, ela é o principal órgão do corpo e peça de fundamental importância do desenvolvimento cognitivo. A isso alia-se a estabilidade emocional da criança. Deixá-las sozinhas deixou de ser uma opção. pais que fazem isso são, no mínimo, criminosos. O cuidado em creches, orfanatos, berçários etc. mudou graças às pesquisas de Harry Harlow.

Se eu acho que uma criança humana vale mais que todos os macaquinhos rhesus que serviram de cobaias para Harlow? A resposta é um sonoro SIM! Nenhum de vocês abandonaria seu filho numa casa em chamas para salvar o cachorrinho fofinho. A Seleção Natural nos programou para cuidarmos dos de nossa espécie e isso é visto em TODAS as espécies, mais ainda nas espécies que estabelecem vínculos sociais. Não reclame comigo, reclame com o mundo natural. Nem eu nem Darwin temos algo a ver com isso.

Quando um pai ou mãe brinca com seus filhos, rola com eles no tapete, abraça, afaga e beija seus filhos, é produzida neles muita serotonina, substância que ativa as zonas de prazer no cérebro. Sei que é triste saber que nossos sentimentos são puramente reações químicas e descargas elétricas no cérebro, mas ninguém precisa se focar que somos apenas uma imensa indústria química para nos sentirmos bem, sem precisar de injetarmos, inalarmos, fumarmos ou inserir em algum orifício substâncias que nos deem satisfação por algumas horas. Enquanto isso, aquela bobajada freudiana em que queremos transar com nossas mães é, tão somente, reflexo de uma mente perturbada. Reconhecemos em nossas mães uma aura protetora, mais do que self-service de leite (sem, os biscoitos).

Fico contente em haver cientistas como Harry Harlow, um dos Grandes Nomes da Ciência. Hoje, grupos idiotas de defesa animal jamais permitiria que ele fizesse experimentos assim, acarretando num atraso científico sobre como devemos cuidar de nossa própria prole. Deve ser por isso que eu vejo muita "madame" andando com um poodle no colo (um cachorro imprestável, ao meu ver) enquanto a criança é deixada a cargo da babá, pessoa que a criança reconhece como verdadeira mãe (canso de ver isso. Muitas vezes, despejam as crianças no colégio bem cedinho, antes da coitada acordar e só vão buscar já de noite, quando ela já dormiu).

Os olhos do dr. Harry Harlow se fecharam para o mundo em 6 de dezembro de 1981. Talvez um gênio perverso, talvez um maníaco. Possuinte do mesmo senso maníaco que fez de Andreas Vesalivs roubar cadáveres para poder estudar anatomia humana, desmistificando séculos de conhecimento errôneo, porque roubar defuntos não era ético. Descanse em paz, dr. Harlow, e obrigado por sua pesquisa, pois sabemos que o terror causado aos pobres animais não foi em vão.


PS. Você já brincou com seus filhos hoje?

15 de outubro... Ah, você já sabe
Pesquisadores melhoram a vida de cegos com o uso de smartphones

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • Deimos

    “O ser monstruoso do outro lado da porta…”
    Só depois de ler mais um pouco foi que eu percebi que o trecho do texto acima não estava se referindo ao cientista, mas uma pobre macaquinho assutado procurando proteção pois n~.

    Deimos respondeu:

    @Deimos,
    … não entendia bulhufas do que estava acontecendo.

  • Mari.

    Um experimento audacioso e até complicado para o próprio cientista, pois imagino o quanto ele empenhou-se em continuar a observação, mesmo com os efeitos devastadores. Parabéns a Harry Harlow.

    André, achei diferenças entre o texto em inglês e a tradução livre. Apenas nas últimas linhas do primeiro parágrafo. Eu que vi errado (não li o link do artigo completo, apenas a citação) ou não?

    Administrador André respondeu:

    André, achei diferenças entre o texto em inglês e a tradução livre. Apenas nas últimas linhas do primeiro parágrafo. Eu que vi errado (não li o link do artigo completo, apenas a citação) ou não?

    Por isso é uma tradução livre. Não por acaso eu disponibilizei o texto original e o link para baixar a publicação inteira.

  • Deimos

    O comentário anterior saiu faltando uma parte onde termina em “n~.”. Não consegui recuperar o resto do texto.

    Vamos a outro.

    É interessante que a mãe macaca já sabe como cuidar de sua prole por instinto, mas, por alguma razão evolutiva, o ser humano não consegue fazer isso ou perdeu esta capacidade com o passar do tempo. O instinto dos outros seres vivos permite até mesmo que eles encontrem seus filhos perdidos mas, misture uma criança recém nasido com outros que nem o pai e nem a mãe desta criança vão saber identifica-lo.

    Seria interessante a ciência fazer experiências com próprio ser humano para descobrir porque alguem prefere um poodle do que seus proprios filhos.

    Eu já fui dono de creche e sempre observava o comportamento de alguns pais e dos respectivos filhos. De fato, alguns pais sempre criavam problemas quando a creche não estava aberta por conta de algum feriado. Alguns filhos choravam quando os pais iam embora e outros, nem ligavam para a presença ou ausencia dos pais. E alguns pais eram mais “neuróticos” que seus próprios filhos. E quanto ao berçario ? Pais que deixavam seus filhos, praticamente, recém nascidos o dia inteiro na creche e a mãe nem aparecia para lhes dar o peito: era na base da mamadeira mesmo!

    Mas, falando sério, o atual estilo de vida do ser humano permite que TODO mundo possa ficar a disposição das necessidades dos seus filhos?
    Alguns mais afortunados talvez sim, podem deixar suas esposas em casa o dia inteiro para cuidar da prole, tal qual a macaca. Mas a maioria não pode.
    E uma boa parte dela, quando estão com seus filhos pequenos, estão nas esquinas a pedir esmolas.

    Eu só quero viver o suficiente pra ver o inferno que será isso daqui há algum tempo: um bando de adultos mais pirados do que temos hoje!!!

    PS – não tenho filhos e nem me arrisco :mrgreen:

    Administrador André respondeu:

    É interessante que a mãe macaca já sabe como cuidar de sua prole por instinto, mas, por alguma razão evolutiva, o ser humano não consegue fazer isso ou perdeu esta capacidade com o passar do tempo.

    Vc tá se referindo a ALGUMAS humanas, né? E há, sim, um fator evolutivo aí: sociedade.

    O instinto dos outros seres vivos permite até mesmo que eles encontrem seus filhos perdidos mas, misture uma criança recém nasido com outros que nem o pai e nem a mãe desta criança vão saber identifica-lo.

    Isso é o que vc pensa.

    Deimos respondeu:

    @André, Não é o que eu penso, eu assisti um documentário que trata deste assunto, comparando esta capacidade entre várias espécies de animais e o ser humano perdeu feio. Porque será que numa maternidade, precisamos identificar os recem nascidos com uma pulseira? Se os humanos precisam disso é porque lhes faltam alguma coisa.

    Administrador André respondeu:

    Tb já vi documentário falando sobre origens extra-terrestres das pirâmides. Alguma bibliografia específica?

    Deimos respondeu:

    @André, Eu sabia que você iria pender para este ponto, mas antes de você solicitar artigos indexados sobre o assunto é melhor lhe dar razão e não insistir na história do documentário. :mrgreen:

    Deimos respondeu:

    @André, Algumas humanas? Hum, num sei não. Não estamos nos restringindo somente àquelas que abandonam seus filhos em creches ou dentro de um saco plástico no lixão, mas tambem àquelas que ACHAM que estão cuidando bem dos seus filhos, mas na realidade, os estão deixando loucos. Estas últimas, são as mais perigosas, pois estão criando bombas relógio prontas para explodirem e não fazem a menor idéia disso. Será que adianta uma escola aplicar os mais avançados meios cientificamente comprovados de orientação infantil, enquanto que em casa, a história é outra? Eu vi isso várias vezes na minha creche.

    Administrador André respondeu:

    Ok, mas vc esquece que o universo de dados que vc está trabalhando é restrito. Se as mães colocam os filhos numa creche é poque não querem (ou não podem) ficar com eles. Tomando por base o número de crianças matriculadas na referida creche versus o número total de crianças, vemos que em termos estatísticos isso significa muito pouco por causa do tipo de amostragem obtida.

    Deimos respondeu:

    @André, Concordo, foi uma creche apenas e só algumas familias “estranhas”, mas quando os filhos crescem desmiolados, será que eles vão ponderar as condições em que seus pais viviam quando os deixavam nas creches e vão superar seus “traumas” resultantes do afastamento precoce de seus pais? Este era um ponto que eu discutia com minha sócia e ela, com toda experiência em educação que tinha, não sabia como responder. Veja bem o caso do terrorista norueguês: mesmo num pais dito de primeiro mundo, com um nível educacional melhor que o nosso, uma pessoa foi responsável pela desgraça na vida de várias famílias. Podemos argumentar que, estatisticamente, isso foi um caso isolado? Em termos matemáticos, até que sim, mas em termos humanos?

  • “Hoje, grupos idiotas de defesa animal jamais permitiria que ele fizesse experimentos assim..”

    Tá feia a coisa mesmo. Hoje o pessoal tá levando a sério até piada de humoristas, e acabei de matar uma barata. \o/

    Administrador André respondeu:

    O PETA criticou o Obama quando ele matou um mosquito em rede nacional.

  • Paranóia deve ter um limite. Imagino que até o sr. Miyagi seria alvo de protestos se aquele filme fosse feito hoje. 😯

    Uma breve digressão: Parabéns a você e a todos os mestres pelo dia de hoje. 😉

  • mike.9010

    As vezes é necessário fazer certos sacrifícios por um bem maior, e esse foi o caso do ilustre Dr. Harlow.

    O problema é que os defensores fanáticos de animais têm uma visão de mundo tão restrita, tadinhos…

  • Pingback: Como o comportamento materno e influenciado por alteracoes no cerebro » Ceticismo.net()

  • Pingback: Carinho materno controla ansiedade dos filhotes, mas ja se sabia disso » Ceticismo.net()