fev 24

Qual a distância da Terra à Lua?

17 Comentários
Escrito por .
Astronomia, Bibliografias, Ciência, Cultura, Engenharia, Exploração espacial, Fí­sica, História, Livro dos Por quês, Mídia, Tecnologia
Tags: , ,

Quando somos apresentados às maravilhas do Sistema Solar, a primeira coisa sobre a qual nos falam é a Lua. Claro, não poderia ser diferente. Ela é o corpo celeste mais próximo a nós, orbitando de sua distância fria e indiferente se estamos vivos ou mortos. Nós a Vemos todo0s os dias (salvo noites nubladas e de Lua Nova, obviamente), e mesmo assim ela pouco se dá aos pobres primatas largados por aqui. Somos apenas meros (quase) 7 bilhões de indivíduos, ridículos em comparação aos insetos. A Lua realmente deve dar mais importância aos insetos, mas o amor não é correspondido, pois os insetos também não se importam com a Lua. Mas ela está lá, girando por milhões de anos e ainda continuará girando ao nosso redor por outros (longos) pares de anos. Vemos a calma luz branca refletida pela sua superfície, iluminando nosso caminho, nossos pensamentos. Erguemos a mão tentando alcançá-la, mas Jaci é caprichosa e não se deixa pegar tão facilmente, em sua posição muito longe de nossos dedos. Como poderíamos saber a qual distância ela está? E o seu tamanho? Talvez possamos encontrar no Livro dos Por quês.

Em artigos científicos indexados ou apenas para fins de divulgação, ou ainda aquele lixo editorial chamado “jornalismo científico brasileiro”, é comum representarmos a Lua praticamente do ladinho da Terra. Até mesmo eu usei este expediente (ver A Terra não é plana. A Lua é).  Representar a Lua e a Terra como duas “bolinhas” próximas uma das outras atende nosso tolo senso comum, mas esbarra logo de cara pelo tempo que os astronautas  do Projeto Apollo demoraram para sair da Terra e chegar até lá. O modo tacanho como brincamos com a escala tem sua justificativa pelo fato de termos pouco espaço para desenhos esquemáticos (o que não justifica as atrocidades cometidas por algumas revistas “de informação” do Brasil).

Phil Plait, astrônomo, conferencista e mantenedor do magnífico blog Bad Astronomy (se você gosta de Astronomia, leia-o. Se não gosta, bom sujeito não é. É ruim da cabeça e deveria ser surrado. Dane-se a rima!), nos traz um vídeo onde é feita uma comparação dos tamanhos e distâncias relativos. Vídeo esse que insiro abaixo (você não achou que eu escreveria “embedalizo”, não é mesmo?)

A comparação entre a bola de basquete e a bola de tênis é bem adequada. A bola de basquete utilizada possui diâmetro de 24 cm, ao passo que o diâmetro da bola de tênis é de cerca de 6,7 cm. Como você é um visitante inteligente, sacará de sua calculadora científica (ou usará o Excel, mesmo) e conseguirá calcular o raio das duas esferas (sim, EU SEI que a Terra não é uma esfera perfeita). Depois que os vários candidatos tentaram adivinhar a distância relativa da Terra à Lua, mantendo a mesma escala, Derek Muller, do site Veritasium,(um site que promete e se eu fosse você passaria a acompanhá-lo de perto e/ou ao seu Twitter)  nos mostra que a distância correta seria quase 7 metros, se mantivermos a escala. Como assim?

A distância média da Terra à Lua é de 380 mil km. Sabe o que isso significa? Significa que você deve pesquisar os diâmetros médios da Terra (a Terra NÃO É uma esfera perfeita, já disse) e da Lua. Depois, pegue uma calculadora e faça uma regra-de-três. Qualquer criança do Ensino Fundamental é capaz de fazer esta conta, larga de preguiça!

Trezentos e oitenta mil quilômetros! É algo tão grande e assim mesmo tão pequeno. A Luz devora essa distância em apenas 1 segundo e uns quebrados. É tão longe que não somos atraídos por ela… ou somos. Na verdade, a massa da Lua, mesmo a essa distância, exerce força gravitacional sobre a Terra e atrai a imensa quantidade de água de nossos oceanos. Nossa água não sai voando – IUUUUUPIIIIIIII –, mas assim acontece os fenômenos das marés. Entretanto, esta força tão poderosa não age em objetos de muito pouca massa, como o seu cabelo, então esqueça aquele negócio de cortar cabelo em dia (??) de Lua Cheia, para que eles cresçam grandes e volumosos. Caso a Lua exploda, ninguém ficará careca (no máximo mortos, mas isso é outra história).

Uma distância tão grande, aliada uma força muito, muito fraca pode ser responsável pelo que vemos em nosso planeta, mas tudo isso é irrisório em comparação às distâncias astronômicas (em todos os sentidos) que permeiam o vazio* interestelar.Para nós, cientistas, a Lua ainda é bela, mesmo sabendo quem ela é. Não é por demais usá-la em nossas cartas de amor, quando escrevemos às nossas amadas:

Por toda a evolução biológica, até que meus telômeros desvaneçam em replicações muito falhas. Quando a estrela de 5ª magnitude funde trilhões de toneladas de hidrogênio, explodindo numa miríade de compostos mais pesados, liberando tamanha carga de energia, ainda assim a Entalpia de meu amor será irradiado de meu órgão bombeador de sangue para enrubecer-me a face e ampliar a pressão durante a sístole e a diástole, fazendo necessário maior fluxo de oxigênio em minhas hemoglobinas… cada uma dessas hemoglobinas saturadas de oxigênio são um tributo à serotonina que você me faz produzir.

E lá no alto, quieto, mas atacado por forças gravitacionais e energias radiantes — torturada por indiferentes neutrinos –, nosso satélite espelha e reflete raios solares que chegam até aqui e por refração óptica são absorvidas pelos cromóforos contidos na melanina de sua pele. E eu saberei que tens as mesmas reações bioquímicas quando uma flexão do músculo do seu órgão de fala faz vibrar o ar de maneira harmoniosa, cujos sons são captados pela minha orelha interna e levada ao meu cérebro as palavras que em qualquer idioma seria traduzido como “Eu te amo”. Pois o dia que um espermatozoide e um óvulo se encontraram, ali o satélite sabia que nossas DNA estaria destinados a serem mesclados em forma de descendentes que vemos hoje crescendo saudáveis, previamente selecionados naturalmente, embora nada disso seja necessário saber que a luz prateada da Lua ilumina e enaltece o amor que tenho por você.


17 respostas para "Qual a distância da Terra à Lua?"

  1. 1. marcelusmedius disse:

    Muito legal. Eu já sabia que os modelos do sistema solar que a gente vê por aí são totalmente desproporcionais. Mas nunca parei pra pensar do mesmo modo sobre a Terra-Lua. Talvez porque a gente a veja muito grande no céu.

  2. 2. Rodrigo Souza a.k.a. Sargento disse:

    Até olhando assim realmente parece bem perto.
    http://trickofmind.com/wp-content/uploads/2010/11/earth_and_moon1.gif

  3. 3. Abbadon disse:

    Se nao me engano, a Lua ja esteve mais proxima da Terra ha milhoes de anos. ela devia ser gigantesca no horizonte. Uma especie de “Olho de Sauron” palido e dourado.

    E tambem, os dias eram mais curtos, por causa de uma rotacao mais rapida de nosso planeta, cuja velocidade descresceu com o tempo, ate chegarmos ao periodo atual de 24 horas.

    Imagine so como era viver em uma epoca dessas.

    cesarcesc respondeu:

    @Abbadon, Mas milhões de anos atrás a Lua não seria só um ” esfera” , podemos dizer, incandescente? Ao passo que se resfriava também se afastava, portanto acho que não seria pálido e dourado, tenho comigo que se pareceria mais com uma brasa de carvão, ou não?

    Administrador André respondeu:

    Não, não era uma esfera incandescente.

    cesarcesc respondeu:

    @André, Com respaldo de algumas análises isotópicas de rochas lunares, o que seria mais aceito, como o surgimento e formação da Lua? Big Splash? O que você dissertaria com seu entendimento sobre as possibilidades? Se tiver links a repassar ficaria grato.

  4. 4. voix69 disse:

    Correndo o risco de me desviar um pouco do tópico, mas nem tanto pois se trata de escalas. ;-)

    Vi algo semelhante quanto as distâncias entre as órbitas do elétron e seu tamanho em relação ao próton.

    Se consideramos o elétron do tamanho de uma bola de gude e o núcleo de prótons do tamanho de uma bola de beisebol, e considerarmos o diâmetro de uma bola de gude 1 cm, e o diâmetro de uma bola de beisebol 7,6 cm, aproximadamente, então a nuvem de elétrons está distanre do núcleo de prótons num raio de cerca de 19,3 km. :shock:

    Fonte:http://wiki.answers.com/Q/What_is_the_distance_from_the_proton_to_an_electron_if_the_proton_was_the_size_of_a_baseball&isLookUp=1

    Eu não sei se a proporção de tamanho entre o elétron e o núcleo de prótons está correta, mas quando fazia engenharia elétrica tivemos uma aula onde um professor (não lembro de qual disciplina… :oops: ) fez essa explanação.

    Dito isso, podemos dizer que somos feitos de vazios? :roll:

    Os físicos ou químicos de plantão podem confirmar isso (ou não).

    leandrosansilva respondeu:

    @voix69,
    não sou físico, mas o problema destas distância entre partículas suabtômicas é que elas não são necessariamente partículas. Não são bolinhas girando como planetas em volta do sol. Então fazer cálculos de tamanhos e distãncias quase sempre esbarra nesta questão.

    Sobre sermos feitos de vazio, sim, ao que parece sim. A ideia de sólido só existe em nível macroscópico. Tanto que há vários outros tipos de partículas que quase que ignoram a existência da matéria como a conhecemos e simplesmente a atravessam, passando pelo seu quase infinito espaço vazio, como os neutrinos. Talvez até existam outros tipos de matéria que façam isso, maz como interagem muito pouco com a matéria “comum”, passam despercebidos. Se não me engano os neutrinos são detectados pelas raros choques que têm com a matéria comum.

    Sobre a matéria, uma aplicação para computador que acho muito mais interessante do que livros, pela inexistência da obrigação de colocar todos os astros do sistema solar numa página de papel é o Celestia, que é um simulador do espaço, que ao menos ajuda a ter esta ideia de distância.

    Uma imagem que peguei dele, mostrando na mesma imagem a terra e a lua;
    http://dl.dropbox.com/u/3550969/celestia1.png

  5. 5. slineu disse:

    André,

    A declaração de amor é de sua autoria ? Foi bem recebida ?

    Administrador André respondeu:

    Exercício criativo. Sabe como é…

  6. 6. Nihil disse:

    Ah, a Lua. Quantas paixões e decepções nos faz recordar. Quantos amores e paixões nos faz despertar. Deixando o romantismo de lado. Já tinha sapeado pelo blog Bad Astronomy, mas com o meu decadente inglês do ensino-médio em desuso não ajuda. Mas vi que é muito bom. Ainda estou tentando melhorá-lo lendo mesmo sem entender muito.

    Sempre aprecio a Lua. E é realmente difícil acreditar que está tão longe. Suspensa no vácuo mantida em órbita pela fraca gravidade terrestre.

    André, me perguntaram porque a missão Apolo 11 demorou tanto tempo apesar da velocidade do foguete. Eu disse que é porque não está parada, ela está nos orbitando a milhares de quilômetros por hora, mas não faço a mínima idéia de quanto é. Existe alguma fórmula para calcular a velocidade?

    Administrador André respondeu:

    O foguete não levou a Apollo 11 até a Lua, apenas deu impulso. Saí em diante, foi graças ao santo padroeiro dos viajantes: São Newton.

  7. 7. Mari. disse:

    Sou do grupo de pessoas que se a imaginação não visualiza a informação, então não entendo, não associo, fico no eterno do loop “mas como?”. Não teria entendido a grandeza da distância se não fosse a imagem do Sargento, eu ficaria à deriva do entendimento :/ a distância da Lua para a Terra gera uma gama incrível de discussões, mas já divaguei demais. Fiquei curiosa para um diagrama de Sol e Terra agora ‘-’ mais tarde farei um, certeza. Se fossem reimprimir os livros didáticos com imagens que simulem a distância real, acabariam que inserindo verdadeiros origamis / dobraduras pop-up. Seria mais divertido.

  8. 8. Altair5 disse:

    Realmente a lua já esteve bem próxima da terra,no History disseram que naqueles tempos efeitos de maré geravam ondas de 10 metros de altura,bom para um surf radical… :smile:

  9. 9. bvv disse:

    Para entender melhor a distância e o tamanho abri o Sketchup e criei duas esferas com as dimensões da terra e da lua. Ficou interessante.

    Não existe na internet algum arquivo para Sketchup com todo o sistema solar? Alguém já não fez isso? Seria bem interessante..

    leandrosansilva respondeu:

    @bvv, O Celestia faz isso. E opensource, multiplataforma e não existe muito da máquina. Um ótimo simulador do universo, mesmo que limitado, já que uma versão que simula todo o universo, desde sua criação, deveria ser desenvolvido pela Microsoft, funcionar só Windows e ter uma licença de alguns muitos milhares de dólares :-)

    Ah sim, no celestia todos os planetas são esferas. Isso é intencional, só para facilitar o desenvolvimento da aplicação, não significando que seja assim no mundo real ;-)

Deixe um comentário

Mas, antes, leia a nossa Política de Comentários. Obrigado por sua participação.

Você precisa estar logado para deixar um comentário.