Grandes nomes da Ciência: Jane Goodall

Bactéria fecal de marido salva vida de esposa
Paraplégico volta a andar com ajuda de pernas biônicas

jane-goodall.jpgHá 50 anos, uma jovem de 23 anos e com belos cabelos dourados, presos num rabo de cavalo, estava embrenhada nas selvas da Tanzânia, África. Ela não tinha formação acadêmica ainda, estava apenas acompanhando uma expedição liderada pelo antropólogo Louis Leakey, da Universidade de Cambridge.

Aquela moça de cabelos levemente desgrenhados, cujo rabo de cavalo se tornou como uma marca pessoal, acabou, mais tarde, se tornando par do reino e uma das mais importantes (senão A mais importante) primatologista do mundo. Seu nome é Lady Jane Goodall, DBE.

Valerie Jane Morris Goodall nasceu em Londres, Inglaterra, em 3 de abril de 1934. Ela começou seus estudos com chimpanzés sob a orientação do Dr. Louis Seymour Bazett Leakey, arqueólogo e naturalista queniano, especializado na evolução humana, reforçando a nossa origem africana. Leakey afirmava que a Teoria da Evolução era inabalável, e começou a coletar provas que a hipótese de Darwin sugerindo que o homem surgiu na África; e antes que toscos começcem falando besteira, Leakey era cristão, mas de certo dirão que ele não era cristão nem escocês de verdade. Bem, se propusessem isso estariam 50% certos.

Goodall se tornou a primeira das “Angels Leakey” (os Anjos de Leakey), quando ela começou a estudar primeiro campo da cultura chimpanzé no Parque Nacional Gombe Stream, na Tanzânia. Lady Jane sempre foi apaixonada por animais, o quais sempre trazia para a fazenda de um amigo nas terras altas do Quênia, em 1957. De lá, ela encontrou trabalho como secretária, mas a conselho de seu amigo, ela telefonou para Leakey sem outro pensamento que para fazer uma reunião para discutir os animais. O convite foi o maior passo que Goodall deu em sua carreira. Leakey, acreditando que o estudo dos grandes símios existentes poderia fornecer indicações sobre o comportamento dos primeiros hominídeos, procurava por um pesquisador de chimpanzés. Entretanto, ele propôs a Goodall o trabalho de secretária, para só mais tarde oferecer o cargo de pesquisador de chimpanzés.

Assim, a moça que saiu da Inglaterra para a Tanzânia encontrou um mundo diferente, misterioso; e ela se empenhou em conhecer os mistérios do mundo dos chimps, somente com um bloco de notas e um binóculo. Mais nada. Goodall conseguiu a confiança dos animais e passou muito tempo estudando seus hábitos, tomando notas meticulosas.

Por seu trabalho e relevância de suas pesquisas Lady Valerie Jane Morris Goodall recebeu uma das mais altas honrarias do Império Britânico, sendo conhecida como Dame Commander of the Order of the British Empire (DBE). Do então secretário-geral da ONU, Kofi Annan entregou à Drª Jane Goodall a comenda de Mensageiro da Paz das Nações Unidas.

Hoje, o trabalho da Drª Goodall se direciona para a mobilização de esforços para a preservação da floresta dos chimpanzés. O Jane Goodall Institute trabalha para proteger os chimpanzés famoso do Parque Nacional Gombe, dedicando esforços para a conservação, os quais incluem programas de desenvolvimento sustentável que envolvem as comunidades como verdadeiros parceiros. Esses programas começaram em torno de Gombe, mas agora se espalhou por todo o continente. Ela já alertou para a perda da biodiversidade na área e luta por sua conservação.

Algumas pessoas confundem-se dizendo que Sigourney Weaver interpretou Jane Goodall no filme Na Montanha dos Gorilas. Na verdade, Weaver interpretou Dian Fossey, outro grande nome da ciência, e que também era primatologista, mas estudava gorilas nas Montanhas Virunga, em Ruanda.

No cinquentenário da expedição pioneira de Goodall, a pesquisadora faz um alerta sério, mediante um artigo publicado na revista Nature: “Precisamos mudar drasticamente nossa maneira de lidar com a natureza e buscar avanços na ciência e na tecnologia se ainda quisermos salvar [essa espécie]”.

Lay Valerie Jane Morris Goodall, DBE, é um perfeito exemplo de pessoas sérias que lutam para a conservação ambiental sem se preocupar com atitudes idiotas dos PETA da vida, colocando tags no Twitter. Pesquisadores sérios não têm tempo para idiotices de Dia Internacional sem Carne ou outras amostras de retardo mental. É por causa disso que Jane Goodall, e não seu priminho vegan, é um dos Grandes Nomes da Ciência.

Bactéria fecal de marido salva vida de esposa
Paraplégico volta a andar com ajuda de pernas biônicas

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!