abr 27

Berlim diz “não” às aulas obrigatórias de religião nas escolas

10 Comentários
Escrito por .
Ateí­smo e Agnosticismo, Bibliografias, Ceticismo, Comportamento, Cristianismo, Evangélicos, Evolução, Filosofia, História, Igreja Católica, Mídia, Polí­tica, Psicologia, Religião
Tags: , , ,

Fátima costuma usar a expressão “ainda há juízes em Berlim”. Pelo visto, ela tem razão; e não são só os juízes, mas a população em geral, já que mais de metade dos eleitores mostraram o dedo médio pros Siths do Império do Mal e pros Orcs de Mordor. Eles votaram “NÃO” num referendo sobre a obrigatoriedade das aulas de religião nas escolas de Berlim, anunciaram fontes oficiais, quando já estão contados 95 por cento de quase 710 mil votos expressos.

Em suma: KI PROCÊS!!!!!

De acordo com os dados divulgados, 51,3% dos eleitores votou “NÃO”, contra 48,5% formado por alguns toscos que estavam a favor, o que significa nas escolas da capital alemã, do sétimo ao 10º ano, continuará a haver apenas aulas obrigatórias da disciplina de Ética, introduzida há três anos, sendo que as aulas de Religião permanecem facultativas.

Isso implica em uma coisa que religiosos temem e odeiam ao mesmo tempo: Um Estado LAICO!

Não é que os colégios sejam PROIBIDOS de terem aulas de religião. Poder, podem e acho que deva ser assim. Se você é católico, que matricule seu filho num colégio católico. Se for judeu, que matricule num colégio judeu. Em ambos os casos, o ensino terá a direção segundo a sua fé. Tudo bem que às vezes acontece umas doideiras, como eu presenciei quando era garoto. Eu estudei num colégio católico (toc-toc-toc) e tinha um um colega que era judeu. O coitado ficava separado de todo mundo na hora da reza e tal. Coisas de pais, sabem como é.

Agora, o referendo faz com que nenhum colégio não seja OBRIGADO a ter aulas de religião, seja ela qual for. Imaginem um muçulmano tendo aula de cristianismo? Sim, porque quando falam “aula de religião” a Lógica subentende que seriam TODAS as religiões. Só que sabemos que religião nenhuma é lógica. Quando falam aqui que defendem a bosta ensino religioso, querem dizer “Vamos empurrar o Cristianismo pelas suas goelas, queiram ou não!”. Daí, quando lembram que o Estado é laico, reclamam e fazem mimimi alegando preconceito religioso. Legal, né?

Bom, a Alemanha não dá ouvidos a esse tipo de escória. Para alterar a lei, a iniciativa Pró-Reli – que promoveu o referendo, dizendo que pretendia colocar a disciplina de Religião em pé de igualdade com as aulas de Ética, o que é HILÁRIO! Religião? Em pé de igualdade com a Ética? Tem que rir desses escrotos!

A tosca iniciativa precisava não apenas da maioria dos votos expressos, mas também de, pelo menos, um quarto do número 2,45 milhões de eleitores inscritos, o que corresponderia a um mínimo de 611.422 votos no “SIM”. A Pró-Reli – que parece nome de tintura vagabunda – agrupou as duas principais igrejas representadas em Berlim, a Católica e a Protestante, e teve também o apoio da comunidade judaica e da União Democrata-Cristã (CDU), da chanceler Angela Merkel e dos Liberais (FDP), além de algumas destacadas figuras do Partido Social-Democrata (SPD).

Antes que vocês pensem que eu estou de sacanagem, o partido FDP realmente existe. FDP NESSE CASO significa Freie Demokratische Partei. Vejam AQUI.

As igrejas, cujos Orcs representam cerca de 30 por cento dos 3,36 milhões de habitantes de Berlim – considerada um centro do ateísmo na Alemanha -, exigem que as aulas de Religião passem a ser obrigatórias, considerando “irrealista” esperar que os alunos se decidam a frequentar aulas facultativas, devido à sobrecarga horária do conjunto das outras disciplinas. O que eu digo? EMA, EMA, EMA.

Os jedis partidários do “NÃO” reuniram-se na iniciativa Pró-Ética, que considera o modelo atual o mais adequado para promover o diálogo intercultural. Entre estes partidários estavam o Senado (governo regional) de Berlim, formado pelo SPD e pelo Partido de Esquerda (Die Linke), os Verdes, vários sindicatos e outras forças de esquerda, lideradas pelo presidente do Parlamento Regional, Walter Momper (SPD).

Em resumo o que temos? Aquilo que eu canso de dizer, mas a crentalhada acha que não: os dias de domínio deles está chegando ao fim, a população mais esclarecida se recusa a viver sob as botas de teocracias. Essa não foi a vitória definitiva, foi só mais um cravo no defunto.

Agora, com licença que vou tomar uma cerveja em homenagem a eles.


Fonte: Diário de Portugal


10 respostas para "Berlim diz “não” às aulas obrigatórias de religião nas escolas"

  1. 1. Gláucia disse:

    A coisa mais legal de estudar em escola estadual era não precisar fazer aula de religião.

  2. 2. Desesper@do disse:

    Isso mostra que a alemanha ainda tem salvação.

    è como disse o Super Intendente Chaulmers em um episodio de os Simpson:”Deus não tem lugar na escola, assim como os fatos não tem luga na religião.”

  3. 3. Joseph K disse:

    “Ich bin ein Berliner” :mrgreen:

  4. 4. Renato M disse:

    Isso é mais uma prova que o DEUSECO DE BOSTA deles não existe,alias nenhum deus existe.
    Porque sejamos sinceros,pra que obrigar o povo a ter aula de religião nas escolas?o deus dos caras não é real?então pra que precisa ser enfiado goela a baixo do pessoal….?? é porque ele não existe….simples.
    .
    E entenda aula de religião como “aula de cristianismo,puxando o saco do catolicismo,enchendo a bola de jesuiz…e etc….”,tratando as outras crenças como inferiores….
    .
    Cada um que acredite no que quiser,só não venha me encher o saco.Existem escolas catolicas e protestantes não existem? então..tá bom demais…. :neutral:
    .
    Mais um prego no caixão nos fundamentalistas cristãos…………

  5. 5. Fatima disse:

    |o|

    Por mais que eu defenda que ‘ainda existem juízes em Berlim’, infelizmente a maior parte das notícias que relatam julgados (do Judiciário) vinha depondo contra a célebre frase do Celso Antonio Bandeira de Melo (do qual sou fã), o que me entristecia um bocado…qual não foi minha alegria ao ver essa excelente notícia postada pelo Abbadon!

    Gostaria que elas fossem mais comuns; mais ainda: gostaria de poder concordar com toda a postagem (especialmente com a parte em que se diz que ‘os dias de domínio (dos Sith) estão ao fim'; o que vejo, porém, é que a cada dia mais e mais pessoas estão com cegueira crônica e só conseguem observar o mundo sob o cabresto de dogmas imbecis e idiotas; o que me leva a crer que o ciclo da história está iniciando a retomada ao obscurantismo…

    Torço para que outro ciclo (histórico) também se repita; mas, desta vez, o das ‘Luzes’ e que as mentes lógicas e esclarecidas, ainda que em menor número, consigam se sobrepor às retrógradas.

    Dizem que a esperança é a última que morre, mas morre; mas prefico ter alguma esperança neste sentido, senão restaria o comodismo e a resignação de viver num mundo tomado pelas trevas.

    Boa notícia, Abbadon; excelente postagem.

    Abraços a todos!

    Administrador André respondeu:

    Ainda existem juízes em Berlim. Só que Berlim não fica no Brasil. ;)

  6. 6. Hotsea disse:

    Aqui é:

    Vossa Excelência Me respeite!!

    E assim, o Brasil segue… cortando gastos com passgens aéreas de pártidários, mas aumentando o salário deles.. e assim vai…

    Um coisa BOA, que o governo fez, foi começar a investigar os bolsistas do Pró-Uni, que desfilam nas faculdades, com seu carrinho de mais de U$ 100.000,00 :lol:

    Hotsea respondeu:

    @Hotsea,

    Tá, pequei no português. Mas eu estudo contabilidade pô uauhahuauhauhauh :lol:

  7. 7. Robson Fernando disse:

    Enfim uma Anti-idiocracia!

    Bem que podia existir a categoria “Anti-idiocracia”, “Racionalidade” ou algo que remeta oposição à idiocracia.

  8. 8. Dant Frank disse:

    O que seria de um ensino que, além de desfavorecer a admiração científica, reprimisse o pensamento cético? Religião não é ciência. Pregar aos jovens os preceitos dogmáticos avessos ao método científico seria submergir a sociedade num universo de acentuada credulidade e obscurantismo. Escusado incorporar a religião à educação; seria um tiro no próprio pé. Berlim está passos e passos à nossa frente.

Deixe um comentário

Mas, antes, leia a nossa Política de Comentários. Obrigado por sua participação.

Você precisa estar logado para deixar um comentário.