abr 27

Berlim diz “não” às aulas obrigatórias de religião nas escolas

10 Comentários
Escrito por .
Ateí­smo e Agnosticismo, Bibliografias, Ceticismo, Comportamento, Cristianismo, Evangélicos, Evolução, Filosofia, História, Igreja Católica, Mídia, Polí­tica, Psicologia, Religião
Tags: , , ,

Fátima costuma usar a expressão “ainda há juízes em Berlim”. Pelo visto, ela tem razão; e não são só os juízes, mas a população em geral, já que mais de metade dos eleitores mostraram o dedo médio pros Siths do Império do Mal e pros Orcs de Mordor. Eles votaram “NÃO” num referendo sobre a obrigatoriedade das aulas de religião nas escolas de Berlim, anunciaram fontes oficiais, quando já estão contados 95 por cento de quase 710 mil votos expressos.

Em suma: KI PROCÊS!!!!!

De acordo com os dados divulgados, 51,3% dos eleitores votou “NÃO”, contra 48,5% formado por alguns toscos que estavam a favor, o que significa nas escolas da capital alemã, do sétimo ao 10º ano, continuará a haver apenas aulas obrigatórias da disciplina de Ética, introduzida há três anos, sendo que as aulas de Religião permanecem facultativas.

Isso implica em uma coisa que religiosos temem e odeiam ao mesmo tempo: Um Estado LAICO!

Não é que os colégios sejam PROIBIDOS de terem aulas de religião. Poder, podem e acho que deva ser assim. Se você é católico, que matricule seu filho num colégio católico. Se for judeu, que matricule num colégio judeu. Em ambos os casos, o ensino terá a direção segundo a sua fé. Tudo bem que às vezes acontece umas doideiras, como eu presenciei quando era garoto. Eu estudei num colégio católico (toc-toc-toc) e tinha um um colega que era judeu. O coitado ficava separado de todo mundo na hora da reza e tal. Coisas de pais, sabem como é.

Agora, o referendo faz com que nenhum colégio não seja OBRIGADO a ter aulas de religião, seja ela qual for. Imaginem um muçulmano tendo aula de cristianismo? Sim, porque quando falam “aula de religião” a Lógica subentende que seriam TODAS as religiões. Só que sabemos que religião nenhuma é lógica. Quando falam aqui que defendem a bosta ensino religioso, querem dizer “Vamos empurrar o Cristianismo pelas suas goelas, queiram ou não!”. Daí, quando lembram que o Estado é laico, reclamam e fazem mimimi alegando preconceito religioso. Legal, né?

Bom, a Alemanha não dá ouvidos a esse tipo de escória. Para alterar a lei, a iniciativa Pró-Reli – que promoveu o referendo, dizendo que pretendia colocar a disciplina de Religião em pé de igualdade com as aulas de Ética, o que é HILÁRIO! Religião? Em pé de igualdade com a Ética? Tem que rir desses escrotos!

A tosca iniciativa precisava não apenas da maioria dos votos expressos, mas também de, pelo menos, um quarto do número 2,45 milhões de eleitores inscritos, o que corresponderia a um mínimo de 611.422 votos no “SIM”. A Pró-Reli – que parece nome de tintura vagabunda – agrupou as duas principais igrejas representadas em Berlim, a Católica e a Protestante, e teve também o apoio da comunidade judaica e da União Democrata-Cristã (CDU), da chanceler Angela Merkel e dos Liberais (FDP), além de algumas destacadas figuras do Partido Social-Democrata (SPD).

Antes que vocês pensem que eu estou de sacanagem, o partido FDP realmente existe. FDP NESSE CASO significa Freie Demokratische Partei. Vejam AQUI.

As igrejas, cujos Orcs representam cerca de 30 por cento dos 3,36 milhões de habitantes de Berlim – considerada um centro do ateísmo na Alemanha -, exigem que as aulas de Religião passem a ser obrigatórias, considerando “irrealista” esperar que os alunos se decidam a frequentar aulas facultativas, devido à sobrecarga horária do conjunto das outras disciplinas. O que eu digo? EMA, EMA, EMA.

Os jedis partidários do “NÃO” reuniram-se na iniciativa Pró-Ética, que considera o modelo atual o mais adequado para promover o diálogo intercultural. Entre estes partidários estavam o Senado (governo regional) de Berlim, formado pelo SPD e pelo Partido de Esquerda (Die Linke), os Verdes, vários sindicatos e outras forças de esquerda, lideradas pelo presidente do Parlamento Regional, Walter Momper (SPD).

Em resumo o que temos? Aquilo que eu canso de dizer, mas a crentalhada acha que não: os dias de domínio deles está chegando ao fim, a população mais esclarecida se recusa a viver sob as botas de teocracias. Essa não foi a vitória definitiva, foi só mais um cravo no defunto.

Agora, com licença que vou tomar uma cerveja em homenagem a eles.


Fonte: Diário de Portugal

Artigos relacionados:

  1. Escolas municipais do Rio terão aula de religião, mas vivemos num Estado Laico
  2. Corte Europeia proíbe crucifixos em escolas italianas
  3. Vítimas de abuso em escolas católicas protestam na Irlanda
  4. Juiz não tem poder para obrigar réu a ter religião
  5. Os danos à saúde causados pela religião


10 respostas para "Berlim diz “não” às aulas obrigatórias de religião nas escolas"

  1. 1. Gláucia disse:

    A coisa mais legal de estudar em escola estadual era não precisar fazer aula de religião.

  2. 2. Desesper@do disse:

    Isso mostra que a alemanha ainda tem salvação.

    è como disse o Super Intendente Chaulmers em um episodio de os Simpson:”Deus não tem lugar na escola, assim como os fatos não tem luga na religião.”

  3. 3. Joseph K disse:

    “Ich bin ein Berliner” :mrgreen:

  4. 4. Renato M disse:

    Isso é mais uma prova que o DEUSECO DE BOSTA deles não existe,alias nenhum deus existe.
    Porque sejamos sinceros,pra que obrigar o povo a ter aula de religião nas escolas?o deus dos caras não é real?então pra que precisa ser enfiado goela a baixo do pessoal….?? é porque ele não existe….simples.
    .
    E entenda aula de religião como “aula de cristianismo,puxando o saco do catolicismo,enchendo a bola de jesuiz…e etc….”,tratando as outras crenças como inferiores….
    .
    Cada um que acredite no que quiser,só não venha me encher o saco.Existem escolas catolicas e protestantes não existem? então..tá bom demais…. :neutral:
    .
    Mais um prego no caixão nos fundamentalistas cristãos…………

  5. 5. Fatima disse:

    |o|

    Por mais que eu defenda que ‘ainda existem juízes em Berlim’, infelizmente a maior parte das notícias que relatam julgados (do Judiciário) vinha depondo contra a célebre frase do Celso Antonio Bandeira de Melo (do qual sou fã), o que me entristecia um bocado…qual não foi minha alegria ao ver essa excelente notícia postada pelo Abbadon!

    Gostaria que elas fossem mais comuns; mais ainda: gostaria de poder concordar com toda a postagem (especialmente com a parte em que se diz que ‘os dias de domínio (dos Sith) estão ao fim’; o que vejo, porém, é que a cada dia mais e mais pessoas estão com cegueira crônica e só conseguem observar o mundo sob o cabresto de dogmas imbecis e idiotas; o que me leva a crer que o ciclo da história está iniciando a retomada ao obscurantismo…

    Torço para que outro ciclo (histórico) também se repita; mas, desta vez, o das ‘Luzes’ e que as mentes lógicas e esclarecidas, ainda que em menor número, consigam se sobrepor às retrógradas.

    Dizem que a esperança é a última que morre, mas morre; mas prefico ter alguma esperança neste sentido, senão restaria o comodismo e a resignação de viver num mundo tomado pelas trevas.

    Boa notícia, Abbadon; excelente postagem.

    Abraços a todos!

    Administrador André respondeu:

    Ainda existem juízes em Berlim. Só que Berlim não fica no Brasil. ;)

  6. 6. Hotsea disse:

    Aqui é:

    Vossa Excelência Me respeite!!

    E assim, o Brasil segue… cortando gastos com passgens aéreas de pártidários, mas aumentando o salário deles.. e assim vai…

    Um coisa BOA, que o governo fez, foi começar a investigar os bolsistas do Pró-Uni, que desfilam nas faculdades, com seu carrinho de mais de U$ 100.000,00 :lol:

    Hotsea respondeu:

    @Hotsea,

    Tá, pequei no português. Mas eu estudo contabilidade pô uauhahuauhauhauh :lol:

  7. 7. Robson Fernando disse:

    Enfim uma Anti-idiocracia!

    Bem que podia existir a categoria “Anti-idiocracia”, “Racionalidade” ou algo que remeta oposição à idiocracia.

  8. 8. Dant Frank disse:

    O que seria de um ensino que, além de desfavorecer a admiração científica, reprimisse o pensamento cético? Religião não é ciência. Pregar aos jovens os preceitos dogmáticos avessos ao método científico seria submergir a sociedade num universo de acentuada credulidade e obscurantismo. Escusado incorporar a religião à educação; seria um tiro no próprio pé. Berlim está passos e passos à nossa frente.

Deixe um comentário

Mas, antes, leia a nossa Política de Comentários. Obrigado por sua participação.

Você precisa estar logado para deixar um comentário.